Junta de Freguesia de Nelas distinguiu melhores montras de Natal na vila

A Junta de Freguesia de Nelas procedeu à entrega, no passado fim de semana, dos prémios do concurso de montras de Natal aos lojistas que aderiram à iniciativa. Apesar de todos os comerciantes terem recebido uma certificado de participação, a Junta nelense estipulou quatro primeiros premiados, sendo o primeiro feliz contemplado o café “Jáca”, o segundo, o pronto a vestir “Supless”, e o terceiro a Sapataria “Pinto´s”. Tendo em conta a originalidade e a qualidade dos motivos natalícios que se encontravam no interior do seu estabelecimento, que não passaram despercebidos aos olhos do “júri”, o café das “piscinas” como é mais conhecido entre os nelenses, acabou por arrebatar um quarto prémio, e só não ficou em primeiro, segundo a organização, porque não se tratava de uma montra. Esta já não é a primeira vez que o comércio de Nelas é convidado a participar numa acção desta natureza, como fez questão de realçar o presidente da Junta de Freguesia, António Santos, que acaba por recuperar uma ideia de executivos anteriores ao seu. Seja como for, o autarca é de opinião que quando “ as coisas valem a pena” não se devem deitar fora, como é o caso desta iniciativa, que no seu entender vem dar “visibilidade ao comércio local”, numa época que é tipicamente de compras. Na cerimónia de entrega dos prémios, Sofia Relvas, o elemento da Assembleia de Freguesia que juntamente com outros eleitos, serviu de júri a este concurso, fez questão de justificar a atribuição dos prémios a estes lojistas e não a outros, na medida em que se basearam em critérios como a autoria dos trabalhos ser do próprio comerciante, a sua criatividade e ainda a elegância colocada na elaboração da montra. Com base nestes critérios, a Sapataria Pinto´s ganhou o prémio de montra mais “elegante”, o pronto a vestir “supless” foi escolhido essencialmente por ter optado por uma decoração “bastante criativa” feita pela proprietária, ainda que com recurso “a materiais baratos” e o café “Jáca”, pela “grandiosidade do seu trabalho”, capaz de “chamar à atenção de qualquer pessoa que passasse”. “Foi aquele que se preocupou em fazer uma decoração envolvente , típica de Natal”, afirmou Sofia Relvas, ao mesmo tempo que destacava a originalidade do trabalho apresentado pelo café das “piscinas”, que é sem dúvida, para o júri, um trabalho “único”, feito em folha de eucalipto. “ Deve haver muito poucos artesãos que trabalhem tão bem uma folha de eucalipto, o senhor Simão é um artesão, e o seu trabalho não pode continuar a ficar fechado naquelas paredes” desafiou aquele membro do Júri, que aproveitou para reconhecer o esforço dos lojistas locais em participarem nesta iniciativa. “ Foi bom ver o comércio tradicional, mesmo numa época de dificuldades, com uma concorrência forte de Palácios do Gelo e Fóruns, a participar e fazer um esforço para embelezar as suas montras”, considerou o júri, lembrando a importância da manutenção deste comércio para a vila e para as próprias pessoas de Nelas. “Foi uma organização que envolveu a maior parte dos comerciantes locais, o balanço é positivo, e para o ano cá estaremos, de preferência, com um reforço de lojistas” prometeu o presidente da Junta, que desafiou o gerente do café das “piscinas” a fazer uma exposição dos seus trabalhos, pois “ele é um artesão nato” e “um talento que não se pode desperdiçar”. Refira-se que a primeira dama, Maria Cavaco Silva, possui já um presépio de folha de eucalipto, oferecido pelo artesão nelense, aquando da sua deslocação ao distrito de Viseu, recentemente em campanha eleitoral.

Detidos por tráfico de droga junto à Secundária de Nelas

As autoridades policiais detiveram três homens, em Nelas e na Figueira da Foz, que foram surpreendidos em flagrante, anteontem, a tentar traficar estupefacientes junto a estabelecimentos de ensino.
Na Figueira da Foz, a detenção de dois homens de 25 e 27 anos foi efectuada após acções de vigilância, junto a escolas em Tavarede. Foram apreendidas 420 doses de haxixe e 100 euros provenientes do tráfico.
As acções de vigilância resultaram de denúncias apresentadas por pais e professores de várias escolas da cidade.
Em Nelas, a GNR terá apanhado em flagrante cinco jovens a consumir droga nas imediações da escola secundária, tendo detido um deles, de 18 anos, por estar na posse de 24 gramas de haxixe e uma navalha de corte. Foram ainda identificados sete consumidores, todos estudantes.
Na residência do detido foram ainda apreendidas 59,3 gramas de haxixe pronto a ser comercializado.

Câmara de Nelas adia por mais dois anos pagamento do empréstimo de 7,5 milhões

A autarquia de Nelas deliberou, na passada terça- feira, alterar as condições do contrato de saneamento financeiro do Município contraído junto o BCP, ainda em 2010, no montante de 7,5 milhões de euros. A proposta , aprovada pela maioria PSD/CDS no executivo, com os votos contra dos dois vereadores do PS, na última reunião de Câmara, prevê nomeadamente o alargamento do período de carência do empréstimo por mais dois anos, o que significa que a Câmara só deverá começar a pagar as prestações do empréstimo em 2013. Quem não deixou de lamentar estas alterações foi o vereador do Partido Socialista, Adelino Amaral, que considerou a deliberação “muito grave” para as finanças do Município, tendo em conta o “agravamento da taxa de juro ” do empréstimo “em meio ponto percentual, o que é dinheiro” afirmou o vereador da oposição, em tom critico. A réplica por parte da maioria no executivo não se fez esperar, com o vice presidente da Câmara, Manuel Marques, a lamentar uma vez mais a “politica do bota abaixo” praticada pelos eleitos do PS, que no passado recente já tinham votado contra o empréstimo, porque “não querem obras” no concelho. “Todos já percebemos que politicamente é mais fácil e menos o penaliza se o senhor vetar a gestão da Câmara Municipal, o povo já percebeu isso e já o julgou por isso, o senhor utilizou essa política no mandato anterior, e não colheu” contra atacou o número dois de Isaura Pedro, acusando Adelino Amaral de não querer o financiamento para não haver desenvolvimento em Nelas. O vereador do PS reagiu, lembrando Manuel Marques que “esse discurso dos resultados eleitorais” começa a estar “gasto e esfarrapado” , e desafiou o vice presidente a discutir a proposta de alteração às condições em que foi feito o empréstimo à Câmara Municipal. Um contrato que, de resto, já tinha merecido o voto contra do PS, que diz não concordar com um empréstimo para pagar certos “gastos escusados e desproporcionados” da autarquia. Adelino Amaral entende, além disso, que as alterações ao plano de saneamento financeiro do Municipio “são uma fuga à responsabilidade por parte deste executivo”, onerando ainda os “executivos vindouros”. Isaura Pedro “tranquilizou” porém a oposição, dizendo a Adelino Amaral para não se preocupar porque não será ele a pagar a factura nem neste mandato, “nem nos próximos quatro anos”, porque “nós vamos ganhar”, disse, confiante, a presidente da Câmara, fazendo questão de lembrar que também herdou um empréstimo de 400 mil contos do seu antecessor e “já o pagámos”. Também Manuel Marques arrasou Adelino Amaral, garantindo que “não vai ser ele, nem o PS a pagar isto nos próximos 12 anos”, que é o tempo de duração do empréstimo.

Isaura Pedro quer fazer de Nelas o concelho com menos desemprego no país

A presidente da Câmara Municipal de Nelas, Isaura Pedro, deixou a garantia, na última reunião do executivo, de que “tudo vamos continuar a fazer para manter a proeza” de ser um dos concelhos da região e até do país com menor número de desempregados. Perante as últimas estatísticas que colocam Nelas “muito abaixo da média nacional” em termos de desemprego, a autarca aproveitou para deixar um voto de louvor aos empresários locais, por mesmo em tempo de crise, terem conseguido manter e até nalguns casos “consolidado” as suas empresas, assegurando assim os postos de trabalho. Um esforço que segundo Isaura Pedro tem sido também acompanhado pelo seu executivo, que “ tudo tem feito” para que as empresas possam instalar-se em Nelas, e algumas ampliar mesmo os seus negócios, através da cedência de terrenos a preços simbólicos, e ainda graças à criação de algumas infra estruturas nas zonas industriais do concelho. “ Esta é a prova de que a estratégia deste executivo está a dar frutos” considerou a presidente da Câmara, que espera a breve trecho poder anunciar novos e avultados investimentos no seu concelho. Apesar dos números não envergonharem o concelho, bem pelo contrário, a autarca nelense lembra que o facto de ainda haver uma taxa de desemprego de 6,9%, o que quer dizer que há 7 pessoas em cada 100 que estão desempregadas, deve levar a Câmara Municipal a continuar este esforço para “manter a proeza” de “fazer de Nelas o concelho com menos desemprego na região e no país”. Na próxima semana poderá entretanto haver algumas novidades nesta matéria, nomeadamente em relação ao dossier “Jonhson Controls”, cujas instalações, tudo leva a crer, já terão sido vendidas a um conhecido grupo económico , que pretende reativar aquela que em tempos foi uma das maiores empregadoras do concelho. De acordo com o vice presidente da Câmara Municipal de Nelas , Manuel Marques, há ainda um industrial do concelho, que preferiu não revelar o nome, que se prepara para fazer um investimento de cinco milhões de euros na ampliação das actuais instalações, criando também mais postos de trabalho. Tudo “boas noticias para o concelho”, considerou Isaura Pedro, que apesar da crise tem sabido cativar os seus empresários.

PS Nelas reúne 100 pessoas no seu habitual jantar de ano novo


– Adelino Amaral sugere que Isaura Pedro poderá deixar o executivo se tivermos eleições legislativas antecipadas, deixando o concelho entregue “a uma dupla de oportunistas, outrora inimigos figadais”

O Jantar de Ano Novo do PS é já uma tradição no calendário das actividades da concelhia de Nelas do Partido Socialista.
Desta vez o local escolhido para o evento, que se realizou no Sábado passado, foi o Hotel Pantanha, nas Caldas da Felgueira, sábado passado.
Mais de uma centena de militantes e simpatizantes, confraternizaram, num ambiente quente, num noite tipicamente de Inverno. Pelo meio ficaram as intervenções políticas, marcadas pela campanha para as eleições presidenciais.
Presentes no jantar estiveram destacados dirigentes distritais do partido, como José Junqueiro (Secretário de Estado), Helena Rebelo (Deputada) e Rafael Guimarães (líder da JS), para além dos Presidentes das Concelhias de Mangualde (Marco Almeida) e de Santa Comba Dão (Leonel Gouveia).
O candidato do PS à Assembleia Municipal, Armando Carvalho, em momento de grande emoção, evocou a memória de Rui Neves, referência de militância pelos ideais socialistas e do Concelho de Nelas.
Justificou o voto do PS contra o Orçamento Municipal e as GOPs (Plano de Actividades), recentemente aprovados e teceu algumas críticas, sempre duras, à actual gestão autárquica.
De seguida o líder da JS, Rafael Guimarães, enquadrou os anseios da juventude naquilo que são os valores da esquerda moderna: A estabilidade do emprego, a educação pública, a igualdade de oportunidades, a solidariedade e a justiça social.
Salientou o papel da juventude e da JS na defesa desses valores e outros ideais progressistas, que foram objecto de recentes iniciativas legislativas, como igualdade de género, despenalização da Interrupção Voluntária da Grevidez, direitos de minorias e casamento de pessoas do mesmo sexo.
A propósito de eleições presidenciais, lembrou o desprezo manifestado pelo candidato Cavaco Silva, pela juventude, a quem chamou, no passado, “geração rasca”. Não rasca mas “à rasca”, disse Rafael Guimarães, com as medidas que Cavaco tomou enquanto primeiro-ministro, como as propinas, que são sua invenção.
Declarou-se um apoiante incondicional de Manuel Alegre e apelou ao voto no candidato apoiado pelo PS, irreverente como a juventude, justo e solidário, que representa os valores e ideais da juventude e da esquerda.
O líder da Concelhia, Adelino Amaral, marcou também a sua intervenção por críticas ao candidato presidencial apoiado pela direita. Acusou os partidos de direita, PSD em particular, de quererem transformar as eleições presidenciais num ajuste de contas e num julgamento ao Governo PS. Salientou a importância das eleições presidenciais nesta conjuntura de crise internacional e de intensa actividade especulativa dos mercados financeiros, que têm vindo a pôr em causa a credibilidade do nosso país. Acusou o candidato e os partidos da direita, de promoveram essa desconfiança, de estarem interessados em criar dificuldades ao Governo e ao país, para assim provocarem uma crise política que os possa levar ao poder.
Mas o acento tónico da sua intervenção foi a importância que estas eleições poderão ter na vida da autarquia. O Executivo municipal tem também a esperança de poder ir à boleia de uma hipotética vitória da direita e, por essa via provocar eleições legislativas antecipadas, onde se possa “encaixar” alguém do Executivo, podendo ser a Presidente a primeira candidata a sair, deixando para trás uma autarquia ingovernável, pelas dívidas e despesas que tem. O Concelho ficaria assim entregue a uma dupla de oportunistas, outrora inimigos figadais, mas agora grandes amigos e aliados por interesse.
José Junqueiro, ex-líder da Federação, actualmente membro do Governo, após enaltecer o trabalho da Concelhia de Nelas, referiu-se também às eleições presidenciais, apelando ao voto no candidato apoiado pelo PS, enquanto acusava o candidato Cavaco Silva de ter a mesma agenda política dos partidos de direita, com objectivos claros de destruir o Estado Social, a escola pública, a segurança social e o Serviço Nacional de Saúde.
Fez um balanço do que tem sido a actuação do Governo PS, contabilizou as vitórias recentemente alcançadas na colocação de títulos da dívida pública, contrariando os ataques que os mercados e os especuladores têm feito ao Governo e ao País, com a colaboração directa da oposição, do PSD e do seu candidato à presidência. Disse haver motivos para estarmos contentes com os resultados obtidos, bem assim como os dados disponíveis da execução orçamental de 2010, com redução do défice abaixo dos valores previstos e com os resultados económicos francamente positivos. O crescimento económico foi o dobro das previsões e as exportações cresceram mais do que o triplo do valor previsto, em consequência das medidas que o Governo considerou prioritárias de incentivo à economia, com impacto negativo na evolução de défice.

Onda de assaltos no concelho resulta na detenção de dois jovens

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial de Mangualde da GNR deteve esta madrugada,em flagrante delito, dois jovens que estavam a roubar gasóleo.
Ao que conseguimos apurar junto das autoridades, os dois jovens de 25 e 29 anos naturais de Lisboa foram detidos em flagrante delito, junto à Câmara Municipal de Nelas, numa altura em que estavam a furtar gasóleo que armazenavam em bidões de plástico. No momento da detenção, os dois jovens tinham já na sua posse cerca de 40 litros daquele combustível. Para além do gasóleo foi-lhes ainda apreendido o veículo em que se faziam transportar e alguns bidões de plástico.
Fonte policial por nós contactada, revelou ainda queforam registados no concelho, nas últimas semanas “mais de 20 assaltos nas últimas semanas, incluindo residências e quintas”. Desde tractores, portões, caixilharias, cabos de cobre, a peças de ouro, dinheiro e outros bens, os larápios levaram de tudo um pouco. Numa vivenda, localizada no Folhadal, foram destruídas praticamente todas as portas e janelas, roubados os cabos da electricidade e uma caldeira de aquecimento de águas. Os suspeitos já estão referenciados, e suspeita-se que o cabecilha seja mesmo um indivíduo residente no Folhadal, que estará a induzir diversos jovens, alguns até menores, para estas actividades criminosas.

Nova fábrica poderá surgir em breve nas antigas instalações da Johnson


Estará praticamente fechado o negócio da venda das antigas instalações da Johnson Controls, na zona industrial de Nelas. Depois da declaração de insolvência da Siveneer, que tinha adquirido o imóvel, o Millenium BCP (que ficou com a sua propriedade), terá já chegado a um acordo para a sua venda, com um grande grupo económico. Fonte por nós contactada, que não se quis identificar, garantiu ao nosso jornal que será ali instalada uma unidade industrial do ramo têxtil, podendo vir a ser criados algumas centenas de postos de trabalho. Não está confirmado no entanto que a empresa em causa já esteja a aceitar inscrições de pessoal. Grupo Sonae e Visabeira estão a ser ventilados, nomeadamente para a instalação de uma fábrica do grupo Modalfa.

CDS-PP de Nelas vai a eleições em Fevereiro

O próximo acto eleitoral para a comissão política concelhia de Nelas do CDS-PP, realizar-se-á no decorrer da primeira metade do próximo mês de Fevereiro. Manuel Marques, actual vice-presidente da Câmara, confirmou ao nosso jornal que irá encabeçar uma lista, podendo assim vir a substituiu Jorge David Paiva como responsável pelos centristas no concelho, que poderão neste momento já ter ultrapassado os 100 militantes. Marques adiantou ao nosso jornal, que só na semana passada foram entregues ao presidente do partido, Paulo Portas, cerca de 50 novas inscrições.

Polémica em torno da qualidade da água termina com limpeza dos reservatórios

A limpeza dos depósitos de água em Nelas, que já não ocorria há muitos anos, parece ter resolvido o problema da qualidade da água distribuída no concelho. Isto mesmo nos foi confirmado pelo vice-presidente da Câmara, Manuel Marques, ao adiantar-nos que “terminámos estas limpezas, que não eram feitas há mais de 10 anos e com isso estamos em condições de garantir a qualidade da água da rede no nosso concelho, colocando um ponto final nas dúvidas que ainda poderiam pairar no ar”.

Nelas cada vez mais último e Canas sobe ao 6º lugar

A 15ª jornada do distrital de honra da Associação de Futebol de Viseu, saldou-se mais uma vez por um bom resultado alcançado pelo G.D. de Canas de Senhorim (vitória por 1-0, no seu reduto, perante o Molelos) e por um resultado menos bom por parte do Sport Lisboa e Nelas, que empatou no Municipal de Nelas com o Parada, a uma bola. A equipa Nelense pode queixar-se neste jogo de falta de sorte e alguma ingenuidade, fruto da juventudo dos seus jogadores, pois estava a vencer o jogo por 2-0, quando Tiago Borges foi expulso, deixando os locais com apenas 10 elementos. A jovem equipa Nelense bateu-se com grande brio e só a falta de sorte impediu a sua primeira vitória na competição, perante o 4º classificado.

Mesmo com o corte de 60% do subsídio camarário Banda de Santar continua a apostar na formação

A Sociedade Musical 2 de Fevereiro de 1892, fui fundada por antigos músicos provenientes da Filarmónica Santarense, que terminou a sua actividade em 1872.
Passados vinte anos, por vontade de alguns músicos da Filarmónica extinta, apoiados pelo Abade António Amaral Escada, pároco da freguesia, ajudado pelo Padre Abel de Carvalhal Redondo, foi fundada a nova Sociedade Musical, à qual foi dado o nome de Sociedade Musical 2 de Fevereiro de 1892, data da sua primeira apresentação em público.
A nova sociedade Musical herdou o instrumental da Filarmónica extinta, e foi seu primeiro Mestre José Aurindo, oriundo também da Filarmónica Santarense.

Desde a sua fundação, a Sociedade Musical 2 de Fevereiro de 1892, manteve com regularidade a sua actividade, funcionado até 1988 sem registo público, data em que para dar cabal cumprimento à lei se regularizou por escritura pública.
No decorrer da sua já longa existência, passaram pela Banda diversos Mestres/Maestros de onde se destacam os Senhores Biscaia e Lertório, músicos profissionais da Banda do Regimento de Infantaria 14 de Viseu, e mais recentemente os Senhores Patrocínio, Horácio Pessoa, Carlos Sampaio,João “Nino” e Bernardo Cardoso. Actualmente é dirigida pelo Maestro Manuel Sampaio Coelho.
Nos últimos anos, tem esta Banda, fruto da vontade e do trabalho da actual direcção, incrementado o ensino da música e a formação contínua dos seus músicos, nomeadamente com a criação de uma escola de música, com métodos de ensino actuais.
Actualmente, a escola de música, além do Maestro Manuel Sampaio, tem mais três professores a leccionar (Prof.Nuno Gonçalo, Prof.Emanuel, Prof.Rafael Salgado), indo de encontro às expectativas dos jovens da nossa freguesia e freguesias vizinhas. Também a partir de 2011 contará com a colaboração do Prof.Joaquim Raposo (ensino e coordenação), com vista a tornar esta escola de música e banda, numa referência a nível da região. O impulsionar desta escola a muito se deve, também, ao protocolo celebrado em 2009 com a Fundação Lapa do Lobo.
Na presente data, a Banda tem cerca de 45 elementos, e frequentam a escola de música cerca de 35 jovens, desde os seis anos aos cinquenta anos.
Como actividades a desenvolver em 2011, além das decorrentes da actividade principal que é a prestação de serviços em festas e romarias, queremos continuar a proporcionar á população os eventos já realizados em anos anteriores, como os Concertos Temáticos e de Verão e a Festa das Vindimas.
Tendo sido um sucesso o Workshop realizado com o Professor e Maestro António Saiote no ano transacto, é intenção da associação desenvolver mais actividades semelhantes, contribuindo assim para o desenvolvimento artístico dos nossos músicos e de quem nos visita.
Também é intenção organizar um encontro/festival de bandas, que devido á logística que envolve, só será possível se tivermos apoios de outras entidades, quer pública quer privadas.
A situação financeira da banda, graças aos esforços e dedicação de todos os seus membros, muito embora seja cada vez mais onerosa a aquisição e manutenção dos instrumentos, mantêm-se estável, por força das receitas originadas pelos serviços prestados.
A nível de apoios oficiais, nomeadamente da Câmara Municipal de Nelas, estes tiveram um decréscimo de cerca de 60%, face a 2009, com maior incidência na área dos transportes. A preverem-se mais cortes nos apoios a conceder no próximo ano, estes trarão maiores dificuldades na execução dos projectos que esta associação tem levado a cabo, fazendo-se sentir dificuldades ao nível sobretudo da Escola de Música, onde já teve que se implementar um sistema de propinas para ajudar nas despesas inerentes ao seu funcionamento, sobretudo no transporte. Também a nível da Junta de Freguesia de Santar, esses cortes se fizeram sentir, contudo continuamos a contar, mesmo que menores, com os apoios destas duas entidades.
A nível de apoios privados, contamos com o apoio da Fundação Lapa do Lobo ao funcionamento da Escola de Musica, e modernização do instrumental. Também continuamos a contar com algumas empresas que nos tem ajudado.
Fruto da crise económica que atravessamos, contamos com um decréscimo das receitas provenientes dos serviços de festas e romarias, contudo tentaremos levar a bom porto esta associação, nomeadamente a formação musical e a Banda em detrimento de outras actividades.

“As gestões municipais modernas e abertas, com oposições retrógradas, fazem sempre uma mistura explosiva”

Entrevista com Luís Pinheiro, Presidente da Junta de Canas de Senhorim

Depois de um mandato conturbado, em que teve que enfrentar a oposição dos seus colegas no executivo, que sabor teve reforçar a maioria absoluta alcançada em 2009?

É sempre triste e complicado para quem lidera qualquer processo, e neste caso uma Junta de Freguesia e o Movimento, não conseguir ultrapassar divergências ou encontrar estratégias de entendimento eficazes com quem se trabalha directamente e com quem se tem um historial comum na vida da nossa Freguesia. São divergências políticas que não se podem, de forma alguma, pessoalizar mas que me entristecem e que gostaria que não tivessem acontecido.
Não enfrentei ninguém, nem houve candidatura por qualquer revanchismo, mas sim por projectos e pela prossecução do excelente trabalho que, mesmo neste período conturbado, se conseguiu fazer, não descurando o mérito da excelente equipa que levámos a votação, e que foram reconhecidos pelos eleitores.
Claro que todas as divergências apareceram pelas políticas traçadas que, sem radicalismos ou exageros descabidos, considerei e continuo a considerar as mais ajustadas à especificidade das circunstâncias; assim, atendendo ao período que estamos a atravessar, entendo ser a única actuação possível, para não haver mais prejuízo para a Freguesia; entrando numa nova fase de entendimento e de trabalho em conjunto que, embora com passos curtos, com falhas e alguns fantasmas que ainda pairam no ar, conseguimos junto com a Câmara Municipal ir ultrapassando e tentando construir um clima de paz, amizade e, acima de tudo, de projectos e obras que nos coloquem como uma freguesia onde seja cada vez mais agradável viver.

Reafirma que Canas deve ter por direito próprio o segundo lugar na lista à Câmara da coligação e também a vice-presidência do executivo, em caso de vitória?

Neste contexto político actual, defendo intransigentemente um lugar de Canas no Executivo Camarário, por uma questão de equilíbrio e do retomar de posições que sempre nos pertenceram. Quanto à vice-presidência, não vejo isso como exigência, pois compete à Sr.ª Presidente da Câmara a decisão de com quem quer trabalhar, seleccionar a sua equipa e distribuir cargos para o funcionamento do seu executivo. Mas considero que ainda é demasiadamente cedo para serem feitos jogos de antecipação, tentando ofuscar o trabalho, lançar a confusão, fomentar a instabilidade, criando um clima onde só os malformados politicamente se conseguem movimentar e sobreviver, pois obras, apoio e ideias não fazem parte da maneira de trabalhar deste tipo de pessoas.

Foi eleito vice-presidente da comissão política concelhia do PSD, ao mesmo tempo que dizia no 2 de Agosto que os Canenses poderão tirar este executivo do poder, se as promessas com Canas não forem cumpridas …não vê nestas duas situações um conflito de interesses?

Não – as palavras deturpadas e descontextualizadas são sempre entendidas à conveniência de cada um. Em verdade, o que foi dito é que Canas tem, e já o mostrou, uma palavra forte e decisiva no xadrez político concelhio. Por isso, temos o direito à representatividade nos órgãos e temos, acima de tudo, o direito ao nosso desenvolvimento e ao cumprimento do que é previamente acordado.
Quanto ao PSD, foi uma opção na qual não vejo qualquer incompatibilidade nem constrangimento, pois terei todo o gosto em participar com quem sabe e quer trabalhar de forma honesta em prol do desenvolvimento. Tem havido deturpações sobre este lugar com possíveis opções futuras. Não faz qualquer sentido a sua discussão, pois ainda falta muito tempo e tanta coisa para fazer que todo este ruído é perfeitamente desfasado e descabido. Cada coisa a seu tempo. Essa não é a minha preocupação, não faz parte dos meus planos actuais, nem é prioridade, pois todo o processo é da exclusiva responsabilidade da Srª Presidente da Câmara.

Quais os grandes objectivos e projectos que tem em carteira para concretizar até final do mandato?

É do conhecimento geral que os objectivos deste mandato, além das pequenas obras de proximidade e de manutenção e as respostas possíveis a todos os problemas que nos são diariamente apresentados, são: o apoio às associações – tantas como 14 + alguns sectores da Fábrica da Igreja – que são o orgulho de todos nós e a mola cultural de toda a freguesia e do concelho. A Casa da Cultura, as Rotundas na EN 234, o Centro Escolar, a pavimentação de algumas ruas e passeios, a ampliação do cemitério, o PDM, a rede de esgotos e a construção de uma nova ETAR que resolva definitivamente o problema da malha mais urbanizada de Canas (envolvente da Escola) e a zona Industrial, são as principais prioridades e preocupações que vamos tentar responder dentro da medida possível.

Quais as grandes carências da sua freguesia neste momento? Um dos aspectos mais preocupantes diz respeito à zona industrial da Ribeirinha, que continua num impasse … o que nos pode adiantar sobre este dossier?

As carências são muitas e o abandono de 20 anos está à vista e é difícil de resolver em tempo recorde. No entanto, estamos a trabalhar em conjunto e em perfeita colaboração com a Câmara e penso ser este o caminho certo para colmatar este problema. Claro que todos queríamos mais e mais rápido, mas temos de entender que há muito trabalho a fazer e não se pode fazer tudo de um dia para o outro; não obstante, embora com alguma falhas e coisas menos conseguidas, penso que a Sr.ª Presidente da Câmara e o seu Executivo, e se me permitem a Junta de Freguesia, temos de estar orgulhosos do trabalho feito e da forma como soubemos lidar e resolver os problemas no sentido da construção de uma Vila que tenha as melhores condições de vida para o nosso Povo, reconhecendo as dificuldades económicas que se estão a abater sobre todos nós e que, se calhar, não nos vão permitir concretizar tudo o que desejamos; porém tenho a certeza de que vamos dar o máximo para contornar todas as dificuldades.
Quanto à Zona Industrial da Ribeirinha, é preciso perceber o passado Industrial de Canas e a atrocidade cometida por anteriores executivos camarários ao conceberem uma zona industrial em Nelas para a saída de Mangualde, deixando toda a infra-estrutura dos antigos Fornos Eléctricos – que são ainda hoje um espaço privilegiado para instalação industrial – e toda a zona envolvente, por um capricho revanchista e por falta de visão estratégica do problema que se abateu sobre a Terra mais industrializada do Distrito. Por pouco mais valor do que a compra de uma determinada quinta em Nelas para a Zona Industrial, teria negociado todo o terreno e passivo daquele espaço industrial.
Perante este facto, hoje confrontamo-nos com uma realidade que é a ZI de Nelas, que apresenta uma resposta séria para a implementação de indústrias no concelho; quanto ao flagelo do desemprego e do fecho consecutivo de indústrias, torna-se urgente dar as mãos neste campo, trazendo o maior número de empresários que objectivem a criação de emprego.
No entanto, a ZI da Ribeirinha, além do que já tem, neste momento cedeu 4 lotes para implementação de empresas que se encontram em fase adiantada de licenciamento e continuamos a fazer todos os esforços para a instalação de mais empresas, mas considero que, para além deste espaço, se deve investir mais entre Canas e a Borgstena, numa tentativa de ligação e proximidade do tecido empresarial. Estamos, portanto, a trabalhar no sentido de superar e minimizar todo este problema.
O que se passou com a Beiracer, que supostamente queria construir novas instalações em Canas e acabou por ter que descolar esse investimento para Nelas?
Esse processo é da inteira responsabilidade da empresa que poderia ter construído neste espaço onde se estão a instalar os 4 empresários acima referidos, mas o processo exigia respostas rápidas, e penso que a política empresarial da Beiracer passa por outros planos. Foi um golpe duro para os Canenses que vêem partir uma das maiores empresas da Terra, mas temos de aceitar as decisões e desejar as maiores felicidades, pois, infelizmente a empresa saiu, mas as famílias ficaram porque é bom viver em Canas.

Receia que possam acontecer no futuro situações idênticas, deixando Canas com menos empresas instaladas, em detrimento da sede do concelho?

Já pouco há para sair. A política que atrás mencionei determinou o destino empresarial de Canas e agora alguém tem de “apanhar os cacos”, e o mais constrangedor é que alguns dos que mais falam e deturpam a verdade são os que têm mais responsabilidades neste processo.

A área empresarial está na ordem do dia, com o desemprego a disparar no país. O que poderá fazer como autarca para minimizar este flagelo, que também tem afectado a sua freguesia?

Infelizmente é um flagelo que, pelos menos relação à Junta de Freguesia, a deixa impotente e com poucas soluções, mas temos a determinação e vontade de, em parceria com a Câmara Municipal, fazermos tudo o que é possível para ultrapassar esta difícil situação. Numa política de conjunto e sem deturpação do que é óbvio, este concelho tem um potencial enorme em várias áreas que estão por explorar e podem, efectivamente, fixar pessoas e arranjar postos de trabalho e, claro, Canas é uma Terra onde é bonito viver, onde queremos apostar na qualidade de vida dos cidadãos, na implementação de novas empresas e comércio, na continuidade de uma escola de excelência que temos e na qualidade da oferta cultural que possuímos. Muito se pode fazer se abrirmos os horizontes e não olharmos sempre para o mesmo lado e da mesma forma, pois muitos projectos pequenos podem tornar grandes as ofertas.

A Casa da Cultura irá finalmente arrancar na Casa do Frazão, tendo a Câmara já inscrito no orçamento de 2011 o montante de 175 mil euros para esse projecto. Pensa inaugurar ainda neste mandato este equipamento estruturante para a freguesia?

É essa a perspectiva, embora conhecendo as dificuldades e o longo caminho a percorrer; certo é já que uma das partes – aquisição do terreno – está em fase de conclusão e penso ser o passo principal, para além da vontade e do empenho demonstrados pela Câmara Municipal no andamento desta estruturante obra.
Esta obra pretende albergar vários serviços – 2 associações, biblioteca, sala de espectáculos, museu, mediateca e espaço multicultural, ponderando-se até a hipótese de a própria Junta de Freguesia estabelecer ali a sua sede, para rentabilizar os recursos neste tipo de infra-estruturas e mesmo na sua manutenção. Parece ser indiscutível tratar-se de uma excelente ideia: revitalizar a zona histórica da Rua do Paço que está a ficar esquecida e deserta de pessoas; a própria ligação entre esta e a Escola com um loteamento vai dinamizar e humanizar todo aquele espaço que tanto carinho e atenção nos merecem.
A nossa tradição cultural e a perda de um dos grandes palcos de Canas (instalado no antigo quartel dos Bombeiros), foi uma enorme perda que merece ser reposta num palco com condições e qualidade para a elaboração de espectáculos.

Algumas instituições da freguesia preparam-se para avançar para alguns investimentos estruturantes, como sejam a ampliação do lar e do quartel dos bombeiros. Que importância atribui a estes investimentos e que apoios a Junta lhes poderá conceder?

Todos os investimentos na freguesia são de extrema necessidade, pois o abandono foi de tal ordem que vão ser precisos muitos anos e muito entendimento para se recuperarem.
Nestes casos concretos, a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia estabeleceram protocolos para estas obras. Claro que a ajuda da freguesia é pouca, mas a verdade é que os nossos projectos são afectados e obriga-nos a reestruturar toda a política traçada para estes 4 anos, mas temos de dar as mãos e avançar, pois são também obras de extrema importância para Freguesia, que além da comparticipação do Estado e das Instituições são igualmente obras da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia.

Como vê o previsível adiamento dos IC12 e IC37?

É mais um. Não entendo a razão pela qual, na parte sul do distrito de Viseu, sendo uma das mais desenvolvidas e estando num eixo estratégico de tráfego estas obras são constantemente adiadas, por vezes em detrimento de outras que, tendo também a sua importância, não serão com toda a certeza uma prioridade no desenvolvimento sustentado do distrito.
Claro que, se pensarmos um bocadinho, tudo isto terá a ver com o facto de, há muitos anos consecutivos, não existirem deputados na Assembleia da República deste lado “sul” e isso explica toda esta falta de investimento, esquecimento e consecutivos adiamentos – faça-se as contas às obras e à proveniência dos obreiros. É altura de esta zona se unir e preparar melhor quem os represente e defenda aos mais diversos níveis.
Depois de tanto aproveitamento político em torno desta discussão e de termos chegado a um entendimento que mais servia o Concelho, lá vai outra vez tudo por água abaixo. Será que interessava a alguém que está na oposição esta discussão no tempo em que ela ocorreu? Manobras de diversão…

Aparentemente o concelho está nesta altura totalmente pacificado … é incontornável colocar-lhe esta questão – foram enterrados de vez os machados de guerra?

Não entendo… numa “luta”, as armas nunca são enterradas, mas sim oleadas, guardadas e fechadas no armeiro, cumpre-se, de ambos os lados, o acordo de paz, fazem-se cedências comuns onde é preciso, entendem-se as posições de cada um, acabam-se com os radicalismos, e, de forma honesta, trabalha-se para um futuro comum melhor para todos, aprendendo com os erros e aproveitando as virtudes e as portas que abrem.

Como avalia a saúde da coligação na actualidade, quando correm rumores de algum mau ambiente no seu seio, e qual a sua relação com o executivo?

As gestões municipais modernas e abertas, com oposições retrógradas e algumas mentes controversas, fazem sempre uma mistura explosiva.
Repare que este concelho esteve governado por uma só cabeça durante quase duas décadas, num regime totalitário, virado para quase só uma localidade, sem consciência do colectivo, e numa concentração doentia do poder que a todos nós custou caro; porém, mais custa ainda compactuar com algumas cabeças que ainda julgam que aquela era e será a única maneira de governar uma câmara e de trazer todos os munícipes de chapéu na mão a solicitar ao “senhor” alguma ajuda ou intervenção.
Claro que esses tempos passaram e este segundo castigo foi perfeitamente esclarecedor, mas a marca e os livros ficaram nalgumas cabeças que teimam em não perceber e tudo fazem para perturbar, denegrir e voltar ao passado.
A gestão moderna exige uma grande atenção, abertura e controlo da Presidente da Câmara pois, o facto de governar com sectores com rosto e autonomia, como forma de dar uma resposta rápida e mais eficaz aos problemas que vão aparecendo aos mais diversos níveis, é uma forma correcta e inteligente de trabalhar, mas cria sempre algumas dificuldades. Estas dificuldades prendem-se com o esforço de cada vereador em fazer o melhor no seu sector e tentar dar o máximo de resposta que, por vezes, pode criar alguns constrangimentos e alguma discussão interna própria de quem sabe e quer trabalhar que, de forma maliciosa, são confundidos cá fora com mau ambiente.
A Srª Presidente da Câmara tem sabido com mestria e inteligência usar esta forma de gestão, sabendo controlar, gerir conflitos, resolver problemas e tomar as decisões do todo camarário pela qual é a principal responsável e, na minha perspectiva, está a fazê-lo muito bem e deve continuar.
Quanto à coligação, no meu modo de ver acho que vai bem e recomenda-se e não vejo de forma alguma a Câmara caminhar sem coligação; tudo isto são rumores que tentam ofuscar o excelente trabalho que foi feito no último mandato, que a todos deve orgulhar, e que coloca a Sr.ª Presidente da Câmara na vanguarda da gestão moderna com um trabalho notável a nível de todas as freguesias.
Claro que muito falta fazer, muita resposta há para dar, muito ficou por fazer, algumas coisas menos bem conseguidas, mas só o trabalho e a excelente relação entre a Câmara Municipal no seu todo com as pessoas onde me incluo é que conseguiram este êxito. Vejo um excelente ambiente entre todos e uma grande abertura para a discussão – por vezes até acalorada e confundida com mau ambiente – na resolução de problemas. Portanto, a minha relação é excelente com o todo camarário e estou disposto a continuar a trabalhar na “re”construção de um futuro melhor para todos.

2010 marcado pela crise e pela morte de Rui Neves

São diversos os acontecimentos que marcaram o ano de 2010, no país e no concelho. As palavras crise a austeridade dominaram as notícias em Portugal ao longo do ano, prometendo agudizar-se em 2011. No concelho os ventos sopraram de maneira mais favorável, com o desemprego a diminuir, revelando a recuperação do sector empresarial, muito assente nos componentes para a indústria automóvel, que recuperou de forma vigorosa de uma das mais graves crises das últimas décadas. O incremento no número de empregos na Câmara Municipal também contribuiu decisivamente para esta tendência. A morte do histórico militante do PS e antigo autarca, Rui Neves, marcou também o ano de 2010, que fechou a primeira década do novo milénio.
Percorremos de A a Z os principais acontecimentos, em Nelas, em Portugal e no mundo.

ABC de Nelas. Continua a ser o pilar do desporto a nível local e um exemplo a nível distrital. Títulos, associados, atletas e uma gestão exemplar, tornam o clube num referencial para todo o concelho e principalmente para os mais jovens.

Bombeiros de Nelas e Canas. A corporação Nelense finalmente mudou para o novo quartel, enquanto a Canense viu aprovado o projecto de expansão do seu quartel. Se juntarmos a isto toda a sua acção em prol da comunidade, os soldados da paz estão mais uma vez de parabéns.

Comunidade cigana em Nelas. Um ano marcado por algumas detenções na Quinta do Peso relembrou todas as questões em torno da etnia cigana residente em Nelas.
Desemprego. A aumentar no país, mas a reduzir no concelho de Nelas. Uma boa notícia em ano de crise.

Empréstimo de 7,5 milhões de euros. A actividade da autarquia ficou marcada em 2010 pela contracção de um empréstimo de 7,5 milhões de euros, que veio salvar as finanças municipais. Não restava outra alternativa ao actual executivo.

Fundação Lapa do Lobo. As actividades desenvolvidas pela Fundação dirigida pelo empresário Carlos Cunha Torres, foram determinantes para termos um concelho culturalmente mais rico, com uma aposta decisiva na preservação da história e tradição, como ficou demonstrado com a inauguração do edifício sede da Fundação. O apoio a diversas instituições do concelho, chegou mesmo ao ponto de ajudar a salvar o Sport Lisboa e Nelas.

Greve de fome. Uma cidadã Nelense iniciou, numa manhã de Outubro, em frente aos paços do concelho, uma greve de fome, como forma de protesto por ter sido alegadamente preterida num concurso que estaria “viciado”. A promessa caiu rapidamente e depois do “almoço” desistiu.

Horror de Alcafache. Recordado 25 anos depois, o maior acidente ferroviário do país aconteceu mesmo às portas do concelho.

Ic´s. Os tão necessários, discutidos e prometidos IC´s 12 e 37 vão ficar adiados “sine die”, penalizando-se mais uma vez o interior do país. A crise não explica tudo, dado que outras estradas se vão construindo em Portugal.

Juntas de Freguesia. Com os escassos meios de que dispõem, os presidentes de Junta do concelho têm feito um trabalho meritório, destacando-se o lançamento do projecto da Casa da Cultura em Canas e o início da obra do Centro de Dia de Vilar Seco, ambos com os respectivos autarcas a serem decisivos.

Luís Pinheiro. Continua a ser uma figura incontornável da política local e há quem diga que será a “charneira” para as próximas autárquicas. Eleito vice-presidente do PSD local, continua a reivindicar investimento para a sua freguesia. Um lutador por natureza, que ainda irá dar muito que falar no cenário politico local.

Manuel Marques. Sempre polémico, o vice-presidente da Câmara, num ano politicamente morno, deixou uma janela aberta para poder a vir a ser candidato à Câmara. Louve-se a frontalidade.

Natureza. A preservação do meio ambiente voltou a estar na ordem do dia. O planeta está doente e os seus líderes tentam a todo o custo salvá-lo. A Câmara pretende dar o seu contributo, tentando erradicar nos próximos anos os esgotos que correm a céu aberto no concelho.

Oposição. Na Câmara de Nelas o PS esteve particularmente incisivo na questão da gestão das finanças municipais. Esperava-se algo mais, mesmo sabendo-se do papel difícil dos dois vereadores socialistas, perante a maioria avassaladora da coligação PSD/CDS-PP.

Pedro Passos Coelho. Uma nova liderança no maior partido da oposição (PSD) trouxe um novo alento, para o partido e para o país. A acreditar nas sondagens teremos ainda este ano um novo Primeiro-Ministro. Passos Coelho visitou em Setembro a feira do vinho do Dão em Nelas.

Queda do governo. Previsivelmente o governo liderado por José Sócrates, profundamente desgastado, não irá resistir e teremos ainda no decurso de 2011 eleições antecipadas.

Rui Neves. Perdeu-se um dos maiores homens e políticos do concelho. Merecerá por parte das instituições do concelho uma homenagem póstuma à altura.

Sport Lisboa e Nelas. Sempre notícia por maus motivos. Só as camadas jovens dão alegrias aos associados. A época conturbada do clube terminou com o insólito episódio da agressão do presidente, Luís Cavaca ao vereador Osvaldo Seixas. Até quando resistirá a colectividade?

Tempo de crise. Foi a palavra mais ouvida em 2010. Ouvida e sentida nos bolsos dos Portugueses. Até quando serão os mais desfavorecidos a pagar a crise?

União das Misericórdias Portuguesas. Trabalho meritório em favor dos mais carenciados. A Santa Casa de Santar, em especial, desenvolveu mais um ano de actividades de notável importância para o concelho, culminando com a inauguração da magnífica obra de recuperação da igreja de Santar.

Vinhos. Em alta a região do Dão e em particular alguns vinhos do concelho. Destaco, pelos prémios alcançados nos últimos anos, a Quinta da Fata e a Quinta do Mondego. Os produtores do concelho estão de parabéns, assim como a Câmara Municipal por todo o apoio que lhes tem prestado, como a exemplar organização da Feira do Vinho 2010, reconhecida por todos.

Xavi Hernandez. Um jogador exemplar, campeão do mundo pela Espanha em 2010, que simboliza a raça da melhor selecção (Espanha) e do melhor clube do mundo (Barcelona). Considero-o conjuntamente com Andres Iniesta e Lionel Messi, os melhores do mundo.

Zombie. O mundo financeiro ainda está zombie com a crise que começou com a falência do Leman Brothers em 2008. Quando terminará o pesadelo?

2011 … o que esperar ?

Economistas, fazedores de opinião e analistas políticos, são quase unânimes em considerar como “muito difícil” o ano que agora se iniciou. Crise, austeridade, aumento do desemprego, aperto na concessão de crédito, dificuldades de financiamento externo, possível saída do euro e provável entrada do FMI em Portugal, serão os grandes temas na área económica e financeira, correspondendo a um desafio sem precedentes para um país periférico como Portugal. No concelho de Nelas poderemos ver no ano de 2011 a conclusão da construção do centro educativo de Nelas, que entrará em funcionamento no próximo ano lectivo, assim como previsivelmente da conclusão da 2ª fase da variante de Nelas. Em Canas de Senhorim perspectiva-se o arranque de uma obra prometida há muito – casa da cultura, a localizar-se na Casa do Frazão, que se encontra em ruínas e irá permitir a recuperação de um importante património arquitectónico da freguesia e do concelho.

“Estamos tranquilos quanto à execução das obras prometidas para Santar”

ENTREVISTA com João Carlos Martins, Presidente da Junta de Santar

Ficou satisfeito com o resultado eleitoral de Outubro, reeditando a maioria absoluta em Santar?

Não se trata de ficar ou não satisfeito, aquilo que se conclui é que as pessoas são inteligentes e no momento certo não se deixam enganar, preferem o certo ao incerto e as pessoas em quem têm confiança. Os Santarenses conhecem quem tem estado ao seu lado, sempre, na primeira linha para o desenvolvimento da Freguesia.
Não tenho quaisquer dúvidas que os eleitores ao outorgarem a maioria, tanto a nível da Freguesia como da Câmara Municipal, confiam nas pessoas e no seu carácter, para liderar e continuar o progresso desta nossa região.

Que projectos e objectivos gostaria de concretizar até final desde mandato?

Projectos temos muitos e as gentes de Santar estão ávidas de obras e de observarem a “nossa“ terra em desenvolvimento contínuo, mas o Museu do Vinho do Dão, a Avenida da Soma, o alargamento do Cemitério e respectivos sanitários, a continuação do alargamento da Avenida Viscondessa de Taveiro, a cozinha junto à sede da Junta, o alindamento da Praceta António Lúcio, e do largo Pêro cabeço, passeios na rua das Leiras, terminar a Avenida 25 de Abril, dar inicio às obras do edifício multiusos, são entre outras, obras que tenho a certeza que irão ficar prontas neste mandato.
Todos sabemos que estamos a atravessar uma crise, que não é só local nem nacional mas mundial, e todos temos que ter isso em conta mesmo sabendo da boa vontade da Senhora Presidente de Câmara e Vereadores em apetrechar Santar com as obras que pretendemos. Temos a certeza que não seremos esquecidos.

Está satisfeito com o montante de cerca de 66 mil euros inscrito no orçamento da Câmara Municipal, para Santar, em 2011?

Isso é uma pergunta que em meu entender se não deve fazer, uma vez que o Presidente da Junta de Freguesia de Santar nunca está satisfeito com obras inscritas no Orçamento da Câmara Municipal e pretende sempre mais, tem o ensejo de ver a sua terra em constante desenvolvimento, sabendo nós que somos uma das três “Vilas do Concelho”, tendo nós conhecimento que o Orçamento é uma previsão, estamos tranquilos em relação á Freguesia de Santar.
Para quando prevê o arranque das obras do Museu do Vinho do Dão, que têm uma verba inscrita de 25 mil euros para 2011? A que diz respeita este montante?
Em relação ao Museu do Vinho do Dão em Santar, temos como disse o Senhor Vereador Osvaldo Seixas a este mesmo Jornal, a aspiração de fazer a sua inauguração neste mandato, mas já agora um esclarecimento. Tivemos que refundir o projecto de novo, para o candidatar ao QREN, e uma vez que temos o espaço e a Câmara Municipal já assumiu ser uma obra de referência para a Freguesia de Santar, Concelho de Nelas e para a Região do Vinho do Dão, estamos convictos que nada nos irá fazer parar em relação a esta obra, que será tal como a rotunda o orgulho de todos os que estiveram empenhados na sua execução.

O facto de o Multi-Usos ter apenas 1 euro inscrito, é um sinal de adiamento do projecto?

O meu entendimento em relação às obras que estão inscritas no Orçamento da Câmara Municipal com 1 euro, é que o que interessa é estarem lá, porque como sabe o POCAL prevê que o Orçamento seja objecto de revisões e de alterações, e são estas que se executam. Mal seria se lá não estivessem, porque assim não se poderiam fazer, porque não constavam no Orçamento. Tenho a certeza que o Senhor Vereador das Obras, Dr. Manuel Marques, se irá empenhar em fazer com que Santar seja alindado e continue a crescer e que se não dê conta das incisões no Financiamento do Governo para as Autarquias, para se continuar as melhorias que tenho a certeza serão visíveis a curto médio prazo.
Portanto que sejam inscritas muitas, já agora para as pessoas que criticam, alvitro que façam um curso intensivo do POCAL, para não cometerem o erro de morrer envenenadas com o seu próprio veneno.

Como está a situação da extensão do centro de saúde em Santar?

Como sabe este é um assunto que nos preocupa e muito. Tenho tido vários desafios importantes na minha Freguesia desde que estou á frente dos seus destinos, ainda não perdi nenhum. Desde os Correios, até á ATM (Caixa Multibanco) entre outros.
Concretamente em relação à extensão de Santar, tenho a comunicar-lhe que estamos neste processo, a Junta de Freguesia, a Câmara Municipal, na pessoa da Senhora Presidente, e o Senhor Dr. José Craveiro, Director Executivo ACES DÃO LAFÔES III.
Temos a promessa ou melhor a garantia que a extensão de Santar não fecha, isto depois de várias reuniões, em Santar e em Nelas. Temos ainda a garantia do Senhor director Executivo que se apurar que as horas que a Senhora Doutora Rosário tem para o atendimento não chegarem oportunamente, poderá ser o seu horário actualizado conforme as necessidades.
A Junta de Freguesia irá colaborar ainda mais colocando uma funcionária na extensão.
Queremos sossegar a população que não estamos parados e pretendemos tratar dos assuntos com diálogo e educação, não somos apologistas de “guerras ou manifestações hostis”, mas também dizemos que se for necessário, iremos até aonde for preciso.
Estamos esperançados em que mais uma vez levaremos o barco a bom porto, que os utentes deste bem continuarão a usufruir dele.
Gostaria de chamar atenção porque poderá haver pessoas encapotadas e a tentar puxar alguns louros para si, mas eu penso que teremos de estar todos do mesmo lado e o resultado final será de toda a Freguesia e não de A ou B.

Como vê a previsível redução de meios financeiros para as autarquias em geral e juntas em particular?

Este é um flagelo que nos está afectar e que só tem um culpado em meu entender – o Partido Socialista que nos tem governado a nível nacional.
Com o corte que está a ser efectuado a nível financeiro às Autarquias, obriga-nos a ter de fazer uma grande golpe de rins, porque as nossas despesas são cada vez mais com menos dinheiro, e os nossos Fregueses não entendem este flagelo que o Governo (PS) nos arranjou.
Aproveito para lhes lembrar que esta Junta de Freguesia, apoia todas as Colectividades, e como sabem tem um coveiro, uma funcionária nos Correios, uma empregada de limpeza, entre outros.
Por tudo isto debate-se esta Junta de Freguesia com vários problemas financeiros e só com uma gestão ao cêntimo conseguimos o equilíbrio necessário para continuarmos a pensar em obras.
Quero aproveitar a oportunidade que me dá e porque terminámos há pouco o ano de 2010, para desejar a todos os Santarenses um bom Ano 2011.
Como se processou uma mudança de Pároco em Santar, desejar ao Senhor Padre NUNO, que seja bem vindo e que conte sempre com a Junta de Freguesia para poder desempenhar sem problemas a sua pastorícia à frente deste seu novo rebanho. Ao Senhor Padre Fernando , que findou a sua laboração devido à sua idade, um bem-haja em nome de todos os Santarenses.

Fundação Lapa do Lobo promove a arte

A Fundação Lapa do Lobo vai levar a cabo, no seu edifício sede, uma exposição de arte, patente entre 15 de Janeiro a 19 de Fevereiro. Nesta mostra de arte, pintura e barros, podem ser apreciadas diversas peças oferecidas por vários artistas, ao Agrupamento n.º 604 ( Canas de Senhorim) do Corpo Nacional de Escutas.
No dia 19 de Fevereiro, será realizado um leilão das obras expostas, cuja receita reverterá a favor do Agrupamento 604.

Intermarché não penhorou terreno do Sport Lisboa e Nelas

Contrariamente ao que noticiámos na nossa última edição impressa e nesta edição on line, não existiu nenhuma acção de penhora por parte do Intermarché de Nelas sobre o terreno da Quinta do Pomar, recentemente escriturado em nome do Sport Lisboa e Nelas. Esta informação foi confirmada junto dos proprietários da superfície comercial. Aos nossos leitores e ao Intermaché apresentamos as nossas desculpas, ficando aqui feita a rectificação.
Este esclarecimento será feito na próxima edição impressa do nosso jornal.

Nelas e Mação são os concelhos da região centro onde desce mais o desemprego

De acordo com a informação recolhida pelo boletim trimestral da Região Centro da CCDRC, durante o terceiro trimestre de 2010 houve uma melhoria do emprego registado face ao trimestre anterior, tendo-se registado uma diminuição do número de indivíduos inscritos nos centros de emprego, diminuindo essa taxa para 6,5%.
Segundo a mesma fonte, os concelhos de Mação (0,9pp) e de Nelas (0,6pp) foram os que registaram as descidas mais acentuadas face ao período homólogo. Esta melhoria contraria a tendência generalizada uma vez que 80% dos municípios viram a sua taxa de desemprego registado degradar-se face ao terceiro trimestre de 2009.
Perante este cenário, a Câmara Municipal de Nelas, congratula-se com as melhorias registadas e reconhece que muito se deve ao trabalho desenvolvido no apoio aos empresários locais, bem como à capacidade de captação de novos investidores que têm conseguido manter e gerar postos de trabalho. A presidente de Câmara refere que “os esforços da autarquia não têm contado com a colaboração do Governo que frequentemente se tem esquecido do concelho de Nelas, nomeadamente, quando se trata de apoiar a instalação de novas empresas.” Mesmos assim, Segundo, a Presidente de Câmara, “ Nelas vai conseguir sair por cima desta crise” e espera que, em breve, “o Governo colabore connosco na procura de mais soluções para ultrapassar este período difícil para o País.”

Folha do Centro Nelas impresso sai na próxima Terça Feira

Será colocada nas bancas na próximo Terça Feira, dia 11 de Janeiro, a Edição 67 do jornal Folha do Centro Nelas. Os grandes destaques do próximo número, serão duas entrevistas de fundo com os presidentes das Juntas de Freguesia de Canas de Senhorim, Luís Pinheiro e de Santar, João Carlos Martins. A Sociedade Musical 2 de Fevereiro também de Santar, estará também em destaque. Faremos também um balanço de A a Z do ano de 2010, assim como perspectivaremos como poderão evoluir o país e o concelho em 2011.