Videovigilância florestal nas regiões de Dão Lafões e Coimbra

CIM’s Viseu Dão Lafões e Região de Coimbra avançam com a implementação do Sistema de Videovigilância Florestal

As Comunidade Intermunicipais (CIM) de Viseu Dão Lafões e da Região de Coimbra realizaram, nos dias 8 e dia 11 de janeiro, as reuniões de arranque dos trabalhos para a implementação do Sistema Integrado de Videovigilância para a Prevenção de Incêndios Florestais nestes territórios.

Este sistema, que representa um investimento global de mais de 3,3 milhões de euros, irá contribuir para a deteção precoce de incêndios florestais e, consequentemente, uma mais rápida ativação dos meios de combate, bem como uma melhor definição das estratégias de combate e apoio à decisão.

Este projeto, financiado pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Uso dos Recursos (POSEUR), Fundo de Coesão e Portugal 2020, irá permitir a estas duas Comunidades Intermunicipais a instalação de uma rede de 37 torres de videovigilância para a prevenção de incêndios florestais, abrangendo os 33 municípios do território.

Para o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Rogério Mota Abrantes, “No âmbito da estratégia da CIM Viseu Dão Lafões para a área da proteção civil, este é mais um investimento que conseguimos trazer para a nossa Região, que é sempre tão fustigada pelos incêndios florestais, com o intuito de a tornar mais resiliente. Com este sistema, a CIM pretende dotar as forças de segurança e de combate a incêndios, em como os Serviços Municipais de proteção Civil e a própria CIM de ferramentas que lhes permitam proteger melhor as nossas comunidades e a nossa floresta.”

Para o Presidente da CIM Região de Coimbra, José Carlos Alexandrino “Este é um projeto que tem a particularidade de ter sido idealizado por duas Comunidades Intermunicipais, de forma a tornar mais eficientes os investimentos que estamos a realizar, e que se enquadra nas politicas que temos vindo a implementar no nosso território nas áreas das florestas e da proteção civil, visando dotar as estruturas operacionais dos meios e recursos necessários e mais adequados para fazer face aos incêndios rurais. O que estamos a fazer é mobilizar recursos financeiros para colocar a melhor tecnologia em prol da defesa da floresta contra incêndios ”.

 

Além da presença da CIM Viseu Dão Lafões e da CIM Região de Coimbra, na reunião marcaram presença os 33 municípios abrangidos, os Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) e os Comandos Territoriais da GNR de Viseu, Coimbra, Aveiro e Guarda, e, ainda, o consórcio vencedor do procedimento, a empresa MEO – Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A e a empresa INOV – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Inovação.

Vacinação contra a Covid-19 arranca em Nelas

No âmbito da vacinação nacional contra a Covid-19, o ACES Viseu Dão Lafões vai promover na próxima semana, entre os dias 18 e 22 de Janeiro, a vacinação dos utentes e funcionários das Estruturas Residenciais Para Idosos – ERPI – (Fundação Lopes da Fonseca, Centro Paroquial de Nelas, Santa Casa da Misericórdia de Santar, Chão do Grou – Residências Seniores, Casa de Repouso A Família, Residência de São Domingos de Algeraz e Centro Social e Paroquial de Canas de Senhorim – Lar Padre Domingos) em funcionamento no Município de Nelas, bem como da Unidade de Cuidados Continuados (Santa Casa da Misericórdia de Santar), constituindo um universo de 535 pessoas a vacinar, sendo 330 utentes e 205 funcionários.
Toda esta operação vai ser acompanhada pelas Autoridades de Saúde Pública, pelas Unidades de Saúde Familiar existentes no concelho, pela GNR de Nelas e de Canas de Senhorim, pelos Bombeiros Voluntários de Nelas e de Canas de Senhorim e ainda pela Proteção Civil Municipal, que dará todo o apoio logístico à operação.
Esta operação de vacinação constitui um sinal de esperança para, no mais curto prazo que é possível, se debelar a doença no Concelho de Nelas, incidindo sobre uma parte da população cuja prioridade foi estabelecida a nível central mas que é, sem dúvida nenhuma, parte da população mais fragilizada e exposta à pandemia no Município, como se tem visto da incidência de casos positivos recentemente verificada nos Lares, com as consequências na saúde e na vida de utentes que infelizmente não podemos deixar de lamentar, solidarizando-nos com todos, bem como com os dirigentes das instituições.
CM de Nelas
A imagem pode conter: texto que diz "COVID-19 Vaccine"

Covid-19.Recorde de mortes em 24 horas

O número de pessoas infetadas pela covid-19 em Portugal aumentou em 7.289, de acordo com os dados revelados esta terça-feira, 12 de janeiro, pela Direção Geral da Saúde (DGS), para um total de 496.552.

Quanto às mortes relacionadas com o novo coronavírus, registaram-se um recorde de 155 óbitos nas últimas 24 horassuperando pelo quinto dia consecutivo a barreira da centena de mortes e elevando o total de óbitos desde o início da pandemia para 8.080.

O impacto económico do confinamento

Perante o aumento significativo do número de infeções identificadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), o Governo decidiu apertar as regras este fim de semana: todos os municípios, exceto os 25 que estão em risco moderado, ficam obrigados a recolhimento obrigatório a partir das 13h este sábado e domingo, sendo proibida a circulação entre concelhos.

Fim de semana sem circulação entre concelhos e recolher

Tudo indica que esta medida é apenas o início do aumento das restrições a nível nacional por causa da pandemia. O primeiro-ministro já admitiu medidas “tipo” as de março do ano passado, quando o vírus chegou a Portugal, o que implicará uma maior disrupção económica face à que já existe desde novembro.

Para já, este fim de semana, os 253 municípios que terão recolhimento obrigatório a partir das 13h correspondem a 91% dos concelhos (278) em Portugal Continental (as regras para as regiões autónomas são ditadas pelos respetivos Governos). Em termos de riqueza produzida pelo país, o número é ainda mais expressivo: as empresas desses municípios criam 98,6% da riqueza anual do país, tendo em conta dados de 2018.

O indicador, utilizado para chegar a esta conclusão, é o valor acrescentado bruto (VAB) das empresas por município, cujos dados anuais são compilados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O VAB corresponde ao valor da produção dessa empresa menos o valor das matérias-primas e produtos intermédios adquiridos a outras empresas.

O VAB dos 253 municípios corresponde a 94,5 mil milhões de euros, num total nacional de 95,8 mil milhões de euros. Os 25 municípios que escapam a esta regra, por estarem no risco moderado, têm um VAB de 1,3 mil milhões de euros, o equivalente a 1,4% do VAB de Portugal Continental.

A maior parte dos 25 municípios que escapam à regra têm um VAB relativamente baixo, à exceção de Sines e Lagoa que têm VAB mediano, em termos nacionais. Como se pode ver pelo mapa, estes municípios tanto estão no norte, como no centro e sul, mas têm uma maior incidência no Alentejo litoral.

Municípios em quarentena produzem 80% da riqueza do país

Em comparação com o início de novembro, altura em que esta medida foi alargada de três municípios (Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira) para 121, o impacto económico é agora bem superior. Tal como o ECO escreveu, esse alargamento das restrições afetou as empresas dos municípios que produzem 80% da riqueza do país, também tendo como referência o VAB.

FONTE: https://eco.sapo.pt/2021/01/09/empresas-dos-municipios-que-fecham-as-13h-produzem-986-da-riqueza-do-pais/ Copiar

Quinta das Marias lança o Crudus.Primeiro néctar “out of the bottle”

Um monocasta, da uva rainha do Dão, Encruzado, com 13 graus, numa edição de 960 garrafas, deste produtor de Oliveira do Conde (Carregal do Sal).
Elaborado com desengace e maceração a frio, seguida de prensagem e decantação estática. Fermentação espontânea em barricas de 400 litros, originárias de França e Áustria, durante 34 dias. Após a fermentação, manteve-se em estágio sobre as borras finas durante 20 meses, até ser engarrafado. Vinho sem estabilização, sujeito a criar depósito natural.
“Este é o primeiro vinho da minha geração, onde iniciamos uma nova colecção de vinhos “Out of the bottle”. São vinhos de colecção, quantidade limitada. Vinhos a puxar às sensações e onde deixo falar o vinho tal como ele é. Estou muito contente com o resultado. Adoro o vinho. É Encruzado da vinha mais velha da Quinta, fermentou de forma espontânea em duas barricas, onde ficou 20 meses sobre as borras. E foi engarrafado sem ser estabilizado (colagens ou filtragens)”, começou por explicar ao nosso jornal, Luís Lopes, o jovem enólogo da Quinta das Marias.
“Encontrámos a forma perfeita de transmitir o vinho, com o magnífico design da Lígia Freixo, onde é transmitida por um lado a “manualidade” do vinho, e por outro a sua origem, o granito”, acrescenta, para concluir “pessoalmente este vinho tem para mim uma dose de resiliência e convicção, que me ajudam a gostar Ainda mais do que faço”.

Oficina “Visitas domiciliárias: práticas colaborativas com pessoas e famílias muito vulneráveis”

O Núcleo Distrital de Viseu da EAPN Portugal irá realizar a Oficina de Prática e Conhecimento:  “Visitas domiciliárias: práticas colaborativas com pessoas e famílias muito vulneráveis”, que decorrerá nos dias 25 e 26 de janeiro de 2021, através da plataforma Zoom (online), das 9h30 às 12h30 (duração de 6h).

A “Oficina” é dirigida aos profissionais que desenvolvam intervenção social com pessoas e famílias muito vulneráveis. As inscrições são gratuitas para os associados da EAPN Portugal e terão um custo de 10€ por inscrição para os restantes participantes, devendo ser formalizadas até ao próximo dia 21 de janeiro, através do preenchimento do formulário de inscrição. O critério de seleção é estabelecido pela ordem de chegada das inscrições.

A ação terá como objetivo capacitar os profissionais que estão na prática direta, para o uso de técnicas e estratégias centradas nas soluções junto de pessoas e famílias que enfrentam doença mental em contextos de vulnerabilidade social, de saúde e económica. Através da realização de exercícios práticos (e.g., análise de casos; preparação de visitas domiciliárias) os profissionais irão planear e desenvolver uma abordagem colaborativa que contribua para o aumento da autoconfiança no trabalho social junto das pessoas e famílias muito vulneráveis.

O workshop será dinamizado por Sofia Rodrigues: Psicóloga; Doutorada em Psicologia na Universidade de Aveiro; Pós-graduada em Análise e Intervenção Familiar; Especialização em Intervenção Sistémica e Familiar pela Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, com a qual tem vindo a colaborar em ações de formação. Desenvolve diversas atividades de supervisão, consultoria e formação para profissionais em território nacional nas áreas de intervenção social e comunitária com famílias muito vulneráveis, abordagens colaborativas, gestão de caso e metodologia Photovoice, designadamente junto de CPCJ, CAFAP, NPISA, Centros de Acolhimento para crianças e jovens em risco, Centros de Apoio à Família, Equipas de RSI/Ação social e equipas ou redes de parceiros com responsabilidade na intervenção social a nível municipal. Tem participado em diversas iniciativas no combate à pobreza e exclusão social. Acresce a participação e condução em diversas Conferências e Seminários em Portugal e no estrangeiro. É autora e coautora de diversos artigos científicos, capítulos de livros nacionais e internacionais, manuais escolares (Ensino nacional em Timor-Leste) e revistas nacionais e internacionais na área da psicologia, intervenção social e comunitária, abordagens colaborativas, pobreza e exclusão social e cidadania.

Informamos também que esta Oficina tem conteúdos parcialmente redundantes com a ação de formação “Visitas Domiciliárias: Um desafio na intervenção com famílias”, organizada durante o ano de 2019 pelo Núcleo Distrital de Viseu da EAPN Portugal, daí existir uma menor adequação a quem já tenha frequentado a referida ação de formação.

O prazo de receção de inscrições termina a 21 de janeiro de 2021.

Senhorim (Nelas):ATS candidata ao Pares 3.0 Centro de Dia, Apoio Domiciliário e Centro Social

A Câmara Municipal de Nelas representada pelo seu Presidente José Borges da Silva e a “ATS- Amigos Terras de Senhorim – Associação de Ação Social e Cultural da Freguesia de Senhorim” representada pela sua Comissão Administrativa (constituída pelo Sr António Lopes, Tiago Santos, Sérgio Espírito Santo, Valdemar Silva, Mathew Wire, Elizabete Wire e Mariana Borges) formalizaram esta quinta-feira 7 de Janeiro, em sessão realizada no Salão Nobre do Município, os protocolos que permitiram a candidatura junto da Segurança Social através do Programa Pares 3.0 (“Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais da Segurança Social”) da criação do novo Centro de Dia, Apoio Domiciliário e Centro Social de Senhorim cuja construção por parte da Câmara Municipal está já em curso no centro da localidade de Vila Ruiva.
O Centro de Dia será destinado a 30 utentes e o apoio domiciliário também a 30 utentes.
Para o efeito, a “ATS- Amigos Terras de Senhorim “ conseguiu já o estatuto e registo definitivo de “IPSS – Instituição Particular de Segurança Social” junto da Direção Geral da Segurança Social.
O investimento total previsto nesta Infraestrutura Social é superior a 1 milhão de euros, candidatando ao PARES 3.0 o montante de 588 mil euros, podendo 80% desse valor (338.000€) ser financiado pela Segurança Social e o restante será suportado pela “ATS- Amigos Terras de Senhorim“ (250.000€), estando garantido já pela Câmara Municipal apoio financeiro, além do apoio técnico, edifício em construção onde está já investido em obras quantia superior a 240.000€, terreno e apoio na candidatura.
A candidatura foi apresentada em Dezembro, contando com o apoio especializado da empresa de consultadoria “Ruris”, sendo o custo de 5.553€ também apoiado integralmente pela Câmara, que havia já suportado o custo do projeto de arquitetura e as especialidades em valor de mais de 35.000€ efetuado pela empresa “Fase”.
Os apoios a esta IPSS foram aprovados por proposta do Presidente da Câmara na reunião de Câmara de 11 de Dezembro passado.
O Presidente da Câmara e actual executivo municipal, os representantes da “ATS- Amigos Terras de Senhorim “ e a Junta de Freguesia desde sempre acarinharam este projecto, com vista à concretização desta obra estruturante para a Freguesia de Senhorim, nunca deixando cair o compromisso anteriormente manifestado aos habitantes da freguesia.
A construção desta Infraestrutura Social em Senhorim (na territorialmente mais extensa freguesia do Município com as suas 14 localidades) será realizado num edifício e terreno no centro da localidade cedido pela Câmara Municipal e será para incluir na rede pública apoiada pela Segurança Social, garantindo acesso a qualquer utente qualquer que seja a sua condição económica ou social, sendo que isso é essencial para melhoria da rede social concelhia no combate à pobreza e exclusão social e fortalecimento do apoio aos idosos e suas famílias.
Na reconstrução do edifício da família Almeida Henriques , adquirido pela ex-Presidente Isaura Pedro por 100.000€, como acima se referiu, a Câmara investiu já mais de 240.000€ na reconstrução (recorrendo em 200.000€ a apoios do FSUE na sequência dos incêndios de 2017 que destruíram o imóvel), e mais de 100.000€ na aquisição de diversos imóveis (sendo o mais oneroso um imóvel da família Feliz que custou 65.000€) para melhorar as acessibilidades ao Centro Social e na sua demolição para integração no domínio público municipal, iniciando-se ainda este mês as obras de requalificação da Praça Central de Vila Ruiva em colaboração com a Junta de Freguesia.
O aumento da rede social e a requalificação urbana com acessibilidades adequadas, que não podem parar, são essenciais ao desenvolvimento e qualidade de vida de todas as comunidades.
Nota de Imprensa da CM de Nelas

Sars-Cov2.Bombeiros de Canas de Senhorim com quatro infetados

COMUNICADO:
No decorrer desta semana, tivemos conhecimento da existência de 4 elementos do corpo ativo infetados com Covid-19.
Devido ao contacto direto com esses 4 elementos infetados, estão a cumprir isolamento profilático, em suas casas, 4 elementos, encontrando-se assintomáticos. Face a esta situação, a Direção e o Comando, com o apoio da Câmara Municipal de Nelas, em conjunto com o Ministério da Saúde, decidiram testar os restantes bombeiros do corpo ativo, a fim de salvaguardar a operacionalidade do nosso Corpo de Bombeiros e tranquilizar a população que servimos.
Os testes foram realizados ontem, dia 9 janeiro, tendo sido conhecidos os resultados no dia de hoje.
Dessa bateria de testes, temos a lamentar mais 3 casos positivos e 1 inconclusivo, que não estão relacionados com os casos anteriores.
Desejamos rápidas melhoras a todos.
Apelamos a toda a população para se proteger e cumprir as normas e restrições em vigor, impostas pela DGS.
Canas de Senhorim, 10 de janeiro de 2021
O Presidente da Direção
Hélder Ambrósio
O Comandante
Hugo Ramos

Autarquia de Mangualde defende aulas não presenciais

O Município de Mangualde, tomando conhecimento da preocupação que a comunidade escolar manifestou durante as últimas horas, vem informar o seguinte:
– A 30 de dezembro de 2020, em articulação com o Agrupamento de Escolas de Mangualde, a Câmara Municipal de Mangualde, solicitou à DGS (Direção Geral de Saúde) autorização para a implementação do regime de aulas não presenciais (3º Ciclo e Secundário) até ao dia 15 de janeiro 2021, como medida pró-ativa de mitigação de possíveis cadeias de contágio.
– A 1 de janeiro de 2021, somos notificados pela DGS, que a nossa pretensão teve a concordância para a passagem ao regime de aulas não presenciais até ao dia 15 de janeiro.
Posto isto, atentos ao comunicado divulgado pelo Agrupamento de Escolas à comunidade escolar, consideramos a decisão da DGS arriscada em termos de saúde pública, face à tendência de agravamento registada no nosso concelho.
Assim, a Câmara Municipal de Mangualde promoveu junto das Autoridades de Saúde Pública, a quem compete a decisão, saber os motivos que estão na base da interrupção do prazo inicialmente validado (15 janeiro).
Argumenta a DGS, que feita a reavaliação da medida no período compreendido entre os dias 24 de dezembro e 8 janeiro, se verificou não ocorrerem casos COVID19 significativos no universo dos alunos, professores, assistentes técnicos e operacionais, que justifiquem a continuidade do regime de aulas não presenciais.
O Município de Mangualde, face aos argumentos apresentados pela DGS, conhecendo a realidade pandémica em muito semelhante a outros concelhos da região, É Á, tanto mais que Mangualde nos últimos dias, tem registado uma evolução pandémica muito preocupante, colocando o concelho no nível MÁXIMO de risco de contágio (Risco Extremamente Elevado).
Travados os argumentos entre as partes, foi assumido fazer uma nova reavaliação este domingo (dia 10 janeiro), com os dados já deste fim-de-semana, para a tomada de uma decisão final quanto ao regime de aula a adotar.
çã í é í. , , , , , – ã é, , .

Sars-Cov.2.Nelas regista nova subida de casos ativos para 159

20 (vinte) casos novos de COVID-19 reportados hoje pela Autoridade de Saúde pública concelhia.
0 (zero) casos recuperados de Covid-19 no Concelho de Nelas, sendo que o Serviço Municipal de Proteção Civil não foi informado quanto a eventual existência ou não de casos entretanto recuperados.
No total existem 159 (cento e cinquenta e nove) casos ativos de COVID-19 no Concelho de Nelas.
Fonte: CM de Nelas