Nelas.Reunião de Câmara discute e delibera cedência de terrenos para diversos investimentos

Está agendado para reunião da Câmara Municipal de Nelas, na próxima quarta-feira, dia 28 de julho, a possibilidade de cedência de mais de 106 mil m2 de terrenos para desenvolvimento industrial no Município de Nelas.
A “Luso Finsa” tem em curso um projeto de expansão e desenvolvimento industrial que passa pela construção e desenvolvimento de um cais e terminal ferroviário para receção de matérias primas e expedição de produto acabado, obras essas que decorrerão, em simultâneo, com as que a empresa “Infraestruturas de Portugal, I.P.” tem em curso já na Linha da Beira Alta.
Para realização de tal infraestrutura ferroviária de mais de 1200 m de comprimento, a empresa necessita de relocalizar toda a sua operação de madeira para uma nova área de mais de 49 mil m2, área essa que a Câmara detém na zona nascente da Zona Industrial de Nelas e que para tal está disponível, garantido, assim, o crescimento da empresa e a sustentabilidade do seu funcionamento industrial, presente e futuro, e a manutenção e até aumento potencial, dos seus mais de 320 postos de trabalho diretos e mais de 1200 postos de trabalho indiretos.
A Zona Industrial 1 de Nelas passará a dispor, assim, de um canal ferroviário de carga e descarga de mercadorias que a “Luso Finsa” pretende preparado para poder servir outras empresas daquela Zona Industrial, o que constituirá uma enorme mais valia na atração de investimento e no posicionamento de Nelas como concelho ambientalmente sustentável e na linha da frente da diminuição dos gases com efeito de estufa com o incremento do transporte ferroviário de mercadorias.
Está também agendado para deliberação em Câmara Municipal a cedência à empresa “Movecho” de uma parcela de terreno com 12 mil m2, destinada à sua ampliação, permitindo um investimento que tem em curso de 4 milhões de euros e com o qual criará mais 40 postos de trabalho.
Contíguo ao terreno que a Câmara se propõe ceder à empresa “Luso Finsa”, detém também a mesma Câmara uma área de terreno de perto de 35 mil m2 composta de 9 lotes, local no qual a empresa de capital espanhol “Preco Circular Norte, S.A.” se pretende instalar.
Esta empresa pretende desenvolver a sua atividade na área dos biocombustíveis através da transformação de resíduos de plástico pelo processo termoquímico denominado pirólise (fornos com caldeiras para produção de calor pela combustão direta sem oxigénio) de resíduos derivados do plástico, produtos destinados, no essencial, à industria petrolífera.
A empresa apresentou já o seu projeto de investimento no AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal), prevendo um investimento de 53 milhões de euros e a criação inicial de 100 postos de trabalho, para exercício de uma atividade que carece de um estudo de impacto ambiental, atenta a sua ligação à industria dos combustíveis e não obstante se tratar de um processo produtivo não poluente e não emissor de quaisquer elementos de contaminação para a atmosfera ou para o exterior.
Esta empresa tem sido acompanhada há já alguns meses pela Câmara Municipal de Nelas e pela Junta de Freguesia de Canas de Senhorim, com vista à sua instalação nas antigas instalações dos Fornos Elétricos, em Canas de Senhorim, chegando, inclusive, a ser celebrado um protocolo em 13 de abril deste ano para que tal viesse a suceder, propondo-se a empresa a adquirir (então denominada “Equação Neutra, Lda.”) uma parte dos Fornos Elétricos de 50 mil m2 e ficando comproprietária com outra empresa do canal ferroviário privativo e da lagoa de água existentes nas instalações (conferir Protocolo que se anexa).
Sucede que, quando esta empresa se encontrava já na fase de elaboração do projeto de construção para instalação de 14 fornos de pirólise e na análise da estabilidade geotécnica do solo, detetou um nível grave de contaminação desse mesmo solo, ao nível de valores de referência muito superiores aos recomendados pela APA (Agência Portuguesa do Ambiente), de arsénio, cádmio, chumbo, cobre, zinco e, eventualmente, cianetos, colocando-se a elevada possibilidade de contaminação, ainda mais grave, com hidrocarbonetos (altamente cancerígenos) face à atividade ali desenvolvida no passado (conferir documento de análise efetuada e do entendimento que sobre a mesma análise a APA emitiu).
Face a esta situação de contaminação grave dos solos e à quase garantida impossibilidade futura de emissão de Declaração de Impacto Ambiental, para que a empresa de biocombustíveis espanhola ali pudesse funcionar, sem um processo de prévia descontaminação dos solos cuja dimensão e custo se desconhece, mas que será, seguramente, demorado e extremamente oneroso, e sempre da responsabilidade da proprietária, a mesma empresa comunicou à Caixa Geral de Depósitos, à Câmara Municipal de Nelas e à Junta de Freguesia de Canas de Senhorim que, embora mantendo o interesse em instalar-se no Concelho de Nelas, não o poderia fazer nas antigas instalações dos Fornos Elétricos, pelas razões apontadas.
A Câmara Municipal de Nelas (que continua em contacto com a APA, a proprietária Caixa Geral de Depósitos e o Ministério do Ambiente com vista à descontaminação total das instalações dos Fornos) perante a possibilidade da empresa de biocombustíveis se instalar no Município de Nelas ou se deslocar para o Município de Aveiro, como referiu, indicou-lhe alternativas de localização, tendo a mesma optado pela Zona Industrial 1 de Nelas, por um espaço com 35 mil m2, próximo da “Luso Finsa”, empresa que vai construir um canal ferroviário que permitirá, também, futuramente, aceder ao transporte da matérias primas e produto acabado através de linha férrea.
Vai, ainda, à próxima reunião de Câmara a cedência à empresa “Epione” de 10 mil m2 com vista à instalação de uma unidade produtiva de transformação de canábis para fins medicinais, propondo-se investir 2,5 milhões de euros e contratar, inicialmente, 40 colaboradores, instalação essa que os promotores fazem questão que aconteça na Zona Industrial da Ribeirinha, em Canas de Senhorim.

Live Beach – Praia Artificial de Mangualde oferece entrada para avós

Live Beach – Praia Artificial de Mangualde vai celebrar o Dia Mundial dos Avós com uma oferta especial. No dia 26 de julho os avós não pagam! Na compra de um bilhete inteiro ou meio dia, oferecemos um bilhete sénior.

«Num ano difícil para todos, particularmente para os idosos que estiveram mais isolados e privados das suas famílias, achamos que esta é a oportunidade ideal dos netos oferecerem um presente especial a quem mais os mima e usufruírem de um dia de praia com os seus avós», esclarece Paulo Arede, gerente do espaço.

A Live Beach está aberta ao público desde o dia 26 de junho, cumprindo todas as regras de segurança impostas pela Direção-Geral da Saúde. Com vista para a Serra da Estrela, esta praia artificial é um local diferente e único na região destinado a toda a família, onde ninguém fica de fora.

A praia dispõe de um grande passadiço, uma cadeira anfíbia e um espaço na piscina dedicado a pessoas com mobilidade reduzida.

Além de um grande parque de estacionamento adjacente e gratuito, no complexo pode, ainda, encontrar mesas de piquenique, um espaço para refeições rápidas e o LW Club, para a melhor diversão noturna.

 

 

Riportico fiscalizou a Unidade de Saúde da Alta de Lisboa

A nova Unidade de Saúde da Alta de Lisboa já está em funcionamento e a Riportico, uma das melhores consultoras de engenharia em Portugal, foi a responsável pelos serviços de Gestão, Fiscalização e Coordenação de Segurança em Obra. A unidade de saúde, cuja construção representou um investimento de 3,1 milhões de euros por parte do município de Lisboa, foi inaugurada no final do mês de junho, com a presença da ministra da Saúde, Marta Temido, e do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

O edifício da Unidade de Saúde da Alta de Lisboa, cuja empreitada começou em fevereiro de 2020, é constituído por um piso térreo e dois pisos elevados. Os trabalhos, para além dos aspetos arquitetónicos e de uma estrutura em betão armado, incluíram instalações elétricas, infraestruturas de telecomunicação, instalações de aquecimento, ventilação e ar condicionado, instalações de segurança, instalações eletromecânicas (elevadores) e um sistema de gestão técnica para gerir todas as infraestruturas.

CIM Viseu Dão Lafões promove programa “Enoturismo no Dão – Qualificar a Oferta”

No âmbito da conclusão do Programa de Capacitação “Enoturismo no Dão – Qualificar a Oferta”, promovido pela Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, nos dias 7 e 8 de julho, os agentes de enoturismo da região recebem nos seus espaços os mentores, especialistas nas diversas temáticas abordadas durante o programa.

Neste programa, iniciado em abril, estão a participar mais de 20 operadores do setor do enoturismo (quintas, adegas, solares), tendo-se realizado sessões de capacitação conjuntas em regime online, nas quais se abordaram temáticas como Comunicação, Marketing e Vendas, Acolhimento e Hospitalidade Turística, Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos/Serviços e Turismo, Segurança e Acessibilidade.

Aos operadores durante o processo de capacitação, foram disponibilizado acessos livres e gratuitos a um vasto leque de conteúdos de interesse para desenvolverem as suas atividades e, ainda, a oportunidade de realizar mentorias individuais e personalizadas de acordo com as suas necessidades.

Desenvolvido no âmbito do Programa Valorizar, Turismo de Portugal, o projeto “Enoturismo na Região Demarcada dos Vinhos do Dão” prevê a dinamização da Rota do Vinho do Dão, com propostas diferenciadoras, tirando partido de outras iniciativas com potencial turístico já em curso no território, nomeadamente ao nível da gastronomia, da ativação do património histórico, das tradições culturais e da vertente natureza, com particular incidência no inegável valor histórico e patrimonial vitivinícola existente na região do Dão.

De acordo com o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Rogério Mota Abrantes, “Com este projeto, muito focado na capacitação e qualificação dos diversos agentes locais ligados ao enoturismo, a CIM e os seus parceiros, pretendem dar mais um passo na dinamização de todo o património vínico associado à marca Dão, enquanto fator diferenciador e de atratividade turística ao serviço do desenvolvimento regional“.

 

Vencedores do XII Concurso “Os Melhores Vinhos do Dão” anunciados na Essência do Vinho

O Casa da Passarella Villa Oliveira Encruzado 2017 foi eleito o melhor vinho a concurso. No total foram distinguidos 44 vinhos da região.

A revelação dos vencedores do XII Concurso “Os Melhores Vinhos do Dão” aconteceu este sábado, dia 3 de julho, nos Jardins do Palácio de Cristal, no Porto, no âmbito da Essência do Vinho – Edição de Verão.

Com 160 vinhos DOP Dão inscritos, provenientes de 44 produtores da Região, a competição foi organizada pela Comissão Vitivinícola Regional do Dão e presidida por Beatriz Machado, Mestre em Viticultura e Enologia pela Universidade da Califórnia em Davis. O painel de prova foi composto por trinta provadores, entre Enólogos das diversas Regiões Demarcadas, Sommeliers de prestigiados restaurantes, incluindo Estrelas Michelin, críticos de vinho da imprensa especializada e representantes de empresas ligadas à distribuição de vinhos.

Em prova cega, que decorreu no Solar do Vinho do Dão no passado dia 25 de junho, as amostras foram agrupadas nas seguintes categorias: vinhos brancos de lote, vinhos tintos de lote, vinhos varietais e espumantes. Em resultado, foram atribuídas 44 medalhas, distribuídas pelo Melhor Vinho a Concurso, quatro platinas, 28 medalhas de ouro e 11 de prata.

Nesta XII Edição, o Melhor Vinho a Concurso é o Casa da Passarella Villa Oliveira 2017, na categoria IV – Vinhos Varietais. As medalhas de platina foram atribuídas aos seguintes vinhos, em cada categoria: Casada Passarella Abanico Reserva Branco 2019, na categoria I – Vinhos Brancos de Lote; Adega de Penalva Reserva Tinto 2017, na categoria II – Vinhos Tintos de Lote, Ladeira da Santa Grande Reserva Touriga Nacional 2017, na categoria IV – Vinhos Varietais e Casa de Santar Vinha dos Amores Encruzado 2013, na categoria V – Vinhos Espumantes.

O Presidente da Comissão Vitivinícola Regional do Dão, Arlindo Cunha, refere a diversidade e experiência do painel de provadores, transversal ao mundo do vinho e salienta ainda que, mais uma vez, “os produtores apresentaram vinhos muito elegantes e equilibrados, de grande carácter, tal como tem acontecido em anos anteriores. Não posso deixar de referir que, ainda há poucos dias, num concurso internacional, o The International Wine Challenge com 595 vinhos Portugueses inscritos, os vencedores do melhor vinho branco e melhor vinho a concurso são DOP Dão, nomeadamente o Freire Lobo Vigno Encruzado 2017 e o Morgado de Silgueiros Touriga Nacional 2017. Os Vinhos da Região estão a expressar de forma significativa o terroir único do Dão”.

Consulte aqui a lista completa de vencedores.

Sobre a CVR do Dão:

A Comissão Vitivinícola Regional (CVR) do Dão é a entidade que representa os interesses dos agentes económicos envolvidos na produção e comercialização dos vinhos (ou outros produtos vínicos) que possuem a Denominação de Origem Controlada (DOC) Dão. Compete a este organismo garantir a sua genuinidade e qualidade, pelo que os submete a uma rigorosa coordenação e controlo. Estas atividades abarcam todo o circuito de produção e comercialização dos vinhos, com presença exclusiva dos Agentes de Verificação Técnica do Organismo em todas as operações.

Simultaneamente, a CVR do Dão apresenta funções de certificação e autenticação dos vinhos, através da atribuição de Selos de Garantia, sendo responsável pela sua promoção.

FTP Vinhos: Prémios no Concours Mondial de Bruxelles

A 28a edição do Concours Mondial de Bruxelles,teve lugar na cidade do Luxemburgo, no Luxemburgo, de 18 a 26 Junho. Este ano o júri internacional degustou e avaliou 10 mil vinhos.

Os vinhos de Fernando Tavares Pereira Vinhos tiveram as seguintes pontuações e medalhas:

Produto Pontos / Medalha

Quinta do Serrado Encruzado Branco 2018 82,4 Vinho Tranquilo Branco – Dão

Quinta do Serrado Touriga Nacional 2016 Medalha de Prata Vinho Tranquilo Tinto – Dão

Picos do Couto Grande Escolha Tinto 2015 Medalha de Ouro Vinho Tranquilo Tinto – Dão

Duvalley Grande Reserva 2019 84,5 Vinho Tranquilo Branco – Douro branco

R&Nsecurity abre loja em Carregal do Sal

A empresa R&Nsecurity,no âmbito da sua política de crescimento, coincidente com a comemoração marcante de seis anos de existência, vê aumentada a sua capacidade logística e de implementação no mercado Regional.

A abertura de nova loja em Carregal do Sal,vila onde está sediada, marca um nova etapa no seu crescimento orgânico.

A empresa está credenciada e especializada no ramo da instalação e manutenção de sistemas de segurança, nomeadamente:

  • Alarmes
  • Vídeo vigilância
  • Vídeo porteiro
  • Sistemas de incêndio
  • Sinalética
  • Extintores

Detentora de certificação pela ANEPC, SIGESP e IMPIC, os serviços prestados, maioritariamente ocorrem, em termos geográficos, nos distritos de Viseu, Coimbra e Aveiro.

“Tendo a clara noção que cada um de nós e cada um de vós, tudo faz por forma a zelar pela segurança dos seus bens, a R&Nsecurity foi criada com o propósito de dar resposta eficaz à resolução das suas preocupações”, revelou ao nosso jornal Nuno Elias.

“As suas inquietações de segurança, são resolvidas com um gesto tão simples, quanto eficaz: Contacte-nos. Peça-nos um orçamento. Solicite os nossos serviços. A segurança com total eficácia, é o nosso lema”, conclui.

Nelas:Feira do Vinho do Dão cancelada

DESPACHO DO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NELAS:

Considerando:
I- Que desde 15 de março de 2021 se tem verificado o levantamento progressivo e gradual das medidas restritivas, que foi prosseguido tendo por base a avaliação epidemiológica e a verificação de critérios de controlo da pandemia, nomeadamente a avaliação do risco de transmissibilidade do vírus e do nível de incidência, com base na matriz de risco aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 19/2021, de 13 de março;
II- Que em reunião do Conselho de Ministros realizada em 2 de junho de 2021, o Primeiro-Ministro anunciou que a proibição de realização das tradicionais festas populares se iria manter, uma vez que suscitam sempre grande movimentação e grande concentração de pessoas;
III- Que tal proibição está prevista no Anexo I da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74-A/2021, de 9 de junho, alterada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 77-A/2021, de 24 de junho, em vigor até às 23h59 do dia 11 de julho de 2021;
IV- A evolução da situação da Covid-19 em Portugal, bem como a eventual possibilidade de uma quarta vaga;
V- A progressão rápida das novas variantes, nomeadamente da variante “Delta Plus”, cujo grau de contágio/transmissibilidade é muito superior ao de outras variantes já detetadas em Portugal;
  • Determina-se o seguinte:
    a) O cancelamento, até 30 de setembro de 2021, de eventos e atividades promovidas pelo Município que impliquem uma aglomeração de pessoas, sendo que, especificamente, para a Feira do Vinho do Dão, pelos factos que abaixo se enunciam:
  • i. Relativamente à Feira do Vinho do Dão:
    Pela própria natureza do evento, nos termos em que vem sendo realizado, que tem subjacente o contacto próximo entre produtores e visitantes, torna-se impossível assegurar o distanciamento social entre produtores e provadores de vinhos; não é possível assegurar o uso de máscara (violando, assim, o estabelecido na legislação aplicável e nas orientações da Direção-Geral de Saúde), uma vez que o uso da máscara torna impossível a realização da prova dos vinhos; propícia o ajuntamento de pessoas; pelo que se considera que este evento tem subjacente um conjunto de fatores potenciadores do risco associado à transmissão da doença COVID-19.
    Assim sendo, o evento da Feira do Vinho do Dão irá decorrer nos mesmos moldes em que decorreu no ano de 2020, com recurso às plataformas digitais, evitando-se, desta forma, a disseminação de fatores potenciadores do risco de transmissão da doença.
  • b) Os cancelamentos e proibições acima determinados e referidos não prejudicam a realização de qualquer evento de natureza cultural, artística, recreativa, desportiva, promocional ou de qualquer outra natureza que, respeitando as normas legais e as orientações das autoridades de saúde pública, particularmente as orientações da Direção-Geral de Saúde, estejam fora do âmbito das proibições acima referenciadas.
  • Todos temos a expectativa que esta situação seja ultrapassada o mais rápido possível, no entanto, para isso, é necessário, uma vez mais, o cumprimento das regras já amplamente divulgadas (higienização das mãos, respeito pela etiqueta respiratória, distanciamento físico) prevenindo, em conjunto, a evolução desta situação.
  • Nelas, 28 de junho de 2021
  • O Presidente da Câmara Municipal e Responsável Municipal da Proteção Civil,
  • (Dr. José Borges da Silva)
Pode ser uma imagem de uma ou mais pessoas

A25 com corte de 50% no valor das portagens

Começa a 1 de julho a vigorar o desconto 50% nas portagens das antigas SCUT.

Os descontos nas portagens foram propostos pelo grupo parlamentar do PSD. Depois de causar alguma polémica sobre a constitucionalidade da medida,o gabinete jurídico do primeiro ministro chancelou a legalidade da proposta. A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, comprometeu-se a cumprir a redução das portagens, apesar da oposição do Executivo.

Assim a A25 passa a ter um corte para metade nas portagens.

Queijaria Vale da Estrela obtém certificação BRC

A Queijaria Vale da Estrela foi recentemente certificada por um dos referenciais mais exigentes a nível mundial de qualidade e segurança alimentar, a certificação BRC (British Retail Consortium).

Com o compromisso de otimização contínua de processos e procurando visar a excelência na produção de um produto único como é o queijo da Serra da Estrela DOP, a queijaria passa a ser a primeira queijaria em Portugal certificada na sua produção de queijo e requeijão pela BRC, fortalecendo a nossa ambição de abertura a novos clientes e mercados internacionais.

Para José Pedro Freitas, Diretor Comercial e de Marketing: “este é o resultado de um trabalho conjunto das diversas áreas da empresa que contribuíram para assegurar a implementação rigorosa de uma política de qualidade de elevada exigência que permitiu à Queijaria ser reconhecida pela BRCGS8, o mais elevado padrão de segurança alimentar, algo que estamos muito orgulhosos pelo reconhecimento e pelo reforço da garantia assegurada aos nossos clientes e parceiros que para além da seleção de um produto único como o Queijo da Serra da Estrela, estão a selecionar uma empresa com os mais elevados padrões no sistema interno de gestão de higiene e qualidade”.

Sonae Capital quer vender central de biomassa de Mangualde

Sonae Capital consulta o mercado para vender a central de biomassa de Mangualde. A transação poderá render entre 75 a 100 milhões.

O CEO da Sonae Capital, Miguel Gil Mata, citado no Relatório ESG de 2020, considera o negócio o mais resiliente do portefólio no ano passado, mas a empresa da família Azevedo entretanto contratou o Haitong Bank para intermediar uma operação de venda da unidade de biomassa de 10MW de energia, localizado junto à fábrica da Sonae Capital em Mangualde.

Proteo e Plásticos Dão (Nelas) entre as 9 empresas gazela da região de Viseu

Nove empresas do distrito de Viseu foram consideradas empresas gazela pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

A CCDRC divulgou o seu último estudo sobre a presença deste tipo de empresas na região Centro, caraterizadas por serem empresas jovens com menos de cinco anos de atividade e elevados ritmos de crescimento sustentados ao longo do tempo.

A região de Viseu Dão Lafões ocupa o quinto lugar do ranking das zonas com mais empresas gazela, de acordo com o estudo.

Pelo segundo ano consecutivo, o número de empresas gazela na região Centro ultrapassa a centena. Segundo a CCDRC, 2020 foi o ano com o maior número de empresas apuradas num total de 119, mais sete face a 2019. Estas empresas empregavam 4.011 pessoas e geraram um volume de negócios de 438,5 milhões de euros.

As indústrias transformadora e da construção representaram quase metade do total das empresas analisadas, com a indústria em 26 por cento e a construção em 22 por cento. Juntando o comércio, que representa 13 por cento, o total soma os 61 por cento.

Já 54 das empresas são exportadoras, gerando um valor total de 116,9 milhões de euros de exportações. Analisando a dimensão das empresas, as pequenas empresas representaram 83 por cento das companhias e as microempresas 10 por cento.

A presidente da CCDRC, Isabel Damasceno, sublinhou o crescimento das empresas gazelas na zona Centro.

“Em 2012, existiam 47 empresas gazela e hoje temos 119. Estas empresas representam uma pequena percentagem do universo empresarial, mas cada uma delas tem uma grande importância nas dinâmicas de emprego e de riqueza, contribuindo fortemente para a inovação, atratividade e competitividade da região Centro”, disse em comunicado.

As empresas gazelas da região

Enametech, Lda. – Atividades de serviços administrativos e de apoio prestados às empresas -Viseu

Future Capacity, Lda. – Promoção imobiliária (desenvolvimento de projetos de edifícios) e construção de edifícios – Oliveira de Frades.

Jorge Morais & Ana Fradique, Lda. – Engenharia civil – Vila Nova de Paiva

Luzboa – Comercialização de Energia, Lda. – Eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio – Viseu

Plásticos Dão – Sacos Papel e de Plástico, Lda. – Fabricação de artigos de borracha e de matérias plásticas – Nelas

Proteo – Soluções Sustentáveis, Lda. – Reparação, manutenção e instalação de máquinas e equipamentos – Nelas

Steelgalva Construction, Lda. – Fabricação de produtos metálicos, exceto máquinas e equipamentos – Viseu

Terminstac – Instalações Técnicas Electromecânicas, Lda. – Atividades especializadas de construção – Viseu

Zurstar, Lda. – Transportes terrestres e transportes por oledutos ou gasodutos – Mangualde

PSA Mangualde em lay off parcial até 14 de dezembro

Os trabalhadores do Centro de Produção de Mangualde da multinacional do setor automóvel irão entrar em regime de lay-off parcial, com 80% da remuneração. O Tribunal do Trabalho sentenciou recentemente que a empresa “violou objetivamente o direito à greve”.

Segundo fonte do Interior do Avesso, “os trabalhadores têm a possibilidade de optar por estar em bolsa de horas ou lay-off (até esgotarem o saldo da bolsa de horas)”. Depois de esgotado o saldo, “passam para lay-off automaticamente”.

O motivo para adoção desta medida, que afeta a totalidade dos trabalhadores, cerca de 841, prende-se com a falta de componentes.

O lay-off parcial no Centro de Produção de Mangualde está previsto até 14 de dezembro, até lá vai operando conforme a disponibilidade de componentes.

PSA Citroen violou o direito à greve

Pela luta dos trabalhadores, o SITE Centro-Norte (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente) ganhou recentemente um caso no Tribunal de Trabalho de Viseu, em que “ficou claro que a empresa, com as medidas que colocou em prática durante a greve, violou objetivamente” um direito que é constitucional.

Segundo comunicado, a que o Interior do Avesso teve acesso, do SITE Centro Norte, dirigido aos trabalhadores da PSA – Citroen, ficou ainda reconhecida “a ilegalidade do prémio de assiduidade”, tendo o Tribunal decidido pelo seu pagamento, com mais de 4% de agravamento, aos trabalhadores que o viram cortado estando em greve.

A empresa está também sujeita ao pagamento de coimas, a determinar pela ACT, “em particular derivado do incumprimento dos períodos de descanso dos trabalhadores e das jornadas de 16 horas seguidas que impôs a alguns.” O objetivo desta medida “era substituir os grevistas”, o que também constitui ilegalidade.

“A empresa foi sancionada em toda a linha, lamentando este Sindicato que uma empresa com a grandeza da PSA CITROEN tenha usado de mecanismos ilegais com o único objetivo de contrariar a luta dos trabalhadores e o seu legítimo e justificado recurso do exercício do direito à greve”, resume o sindicato.

Esta é “uma vitória dos trabalhadores”, que, pela sua persistência, “obrigam a empresa a alterar procedimentos”.

In: Interior do Avesso

Centro de Portugal em destaque no “Guia Boa Cama Boa Mesa”

O Centro de Portugal voltou a estar em grande destaque nos prémios do “Guia Boa Cama Boa Mesa”. Este ano, foram distinguidos dez hotéis e cinco restaurantes situados no território da região.

Os prémios, atribuídos ontem, são mais uma demonstração da qualidade cada vez sustentada da oferta do Centro de Portugal nas áreas da hotelaria e restauração. A região recebeu 4 Chaves de Ouro, 3 Chaves de Prata, 1 Garfo de Ouro e 1 Garfo de Platina na edição deste ano. Além destes, houve ainda 3 Prémios Resiliência para alojamentos e 3 Prémios Resiliência para restaurantes.

A equipa do guia do jornal “Expresso” distinguiu com a Chave de Ouro os seguintes alojamentos da região: Areias do Seixo Charm Hotel (Mexilhoeira, Torres Vedras), Casas do Côro (Marialva, Mêda), H2otel Congress & Medical SPA (Unhais da Serra, Covilhã) e Rio do Prado (Arelho, Óbidos). A Chave de Prata foi atribuída à Casa de São Lourenço – Burel Panorama Hotel (Manteigas), às Luz Charming Houses (Fátima, Ourém) e ao Sapientia Boutique Hotel (Coimbra).

A nível da restauração, foram premiados dois projetos emblemáticos do Centro de Portugal. O “Boa Cama Boa Mesa” distinguiu o Rei dos Leitões (Mealhada) com um Garfo de Platina e o Mesa de Lemos (Silgueiros, Viseu) com um Garfo de Ouro. De assinalar que apenas foram atribuídos quatro Garfos de Platina e nove Garfos de Ouro em todo o país.

Num ano excecional, o guia “Boa Cama Boa Mesa” fez questão de distinguir igualmente a resiliência de uma área da economia que muito sofreu com a pandemia. Segundo o guia, “foram escolhidos simbolicamente 10 restaurantes e 10 alojamentos, tendo em conta critérios como o apoio à população local e aos profissionais de saúde, o investimento em tempo de crise e a capacidade de reinvenção, transversal ao setor”.

Na região Centro de Portugal, foram distinguidos três alojamentos e três restaurantes. Foram eles, nos alojamentos, a Casa da Cisterna (Castelo Rodrigo), o Evolutee Hotel (Óbidos) e o Pena D’Água Boutique Hotel & Villas (Covilhã); e, nos restaurantes, O Açude (Coimbra), Palace (Viseu) e Salpoente (Aveiro).

Prémio Carreira para Lurdes Graça, do Manjar do Marquês

Este ano, os prémios do “Guia Boa Cama Boa Mesa” entregaram o Prémio Carreira a duas personalidades que se distinguiram pelo trabalho na restauração. Uma delas é Lurdes Graça, do Manjar do Marquês, em Pombal, um restaurante com muita História na região Centro de Portugal. Aos 89 anos, Lurdes Graça continua diariamente a trabalhar no restaurante que fundou em 1986!

“É com grande satisfação que a Turismo Centro de Portugal regista que, ano após ano, o Boa Cama Boa Mesa continua a premiar os restaurantes e os hotéis da região. Os Garfos de Platina  e de Ouro, as Chaves de Ouro e de Prata e os Prémios Resiliência assumem um valor ainda maior, num ano tão difícil para o setor como foi o de 2020. Estas distinções são uma evidência da capacidade que os empresários do Centro de Portugal têm de constantemente se reinventarem, continuando a pautar os seus serviços por elevados padrões de qualidade, na gastronomia e no saber receber. Deixo, em particular, um aplauso muito especial à Dona Lurdes Graça, pelo seu justíssimo Prémio de Carreira”, sublinha Pedro Machado, presidente da Turismo Centro de Portugal.

Os prémios “Boa Cama Boa Mesa” são dos mais prestigiados no setor da restauração e hotelaria em Portugal, reconhecendo, desde 2013, unidades que se destacam no nosso país.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

A ameaça de estagflação e o caso da PSA (Mangualde)

Vivemos um período económico marcado pela incerteza, cujo ritmo é pautado pela evolução da pandemia provocada pelo novo coronavírus. As expectativas norteiam o investimento e o consumo e ainda estão longe de ser otimistas.

Há um fator neste momento que está a assombrar a recuperação económica e as perspetivas macro no médio e longo prazo:inflação.O movimento de alta generalizada dos preços pode ser acompanhado por estagnação económica. A isto se chama estagflação.

Muitos Economistas já falam de efeitos mais duradouros, quando se pensaria que seriam mais passageiros, derivados das grandes interrupções nas cadeias de abastecimento. O fenómeno está a durar no tempo e até a agudizar-se nalguns bens considerados essenciais, como é o caso dos semicondutores (chips). A sua importância, dado o grande salto tecnológico  que temos assistido, é transversal a toda a indústria. Neste momento, e com receio de falta desta componente,as empresas compram para armazenar, o que está a provocar grandes dificuldades de fornecimento.

Caso paradigmático é a paragem recente (duas semanas) na maior empresa do distrito de Viseu, situada em Mangualde – produtora de automóveis do Grupo Francês PSA.

Ontem,9 de junho,a atividade foi retomada, mas os receios são grandes, até por parte dos trabalhadores, de novas paragens, devido ao problema acima mencionado. Lembramos que emprega mais de 1 200 pessoas.

O caminho parece ser investir, até com impulsos e apoios fortes por parte dos Governos, em novas fábricas, que tornem cada país ou bloco económico, menos dependente de importações. Um exemplo é a Alemanha, que acaba de inaugurar uma das  mais modernas fábricas do mundo deste “pequeno” mas “gigante” produto – Bosch em Dresden.

Como nota final, este é um exemplo paradigmático de como a Pandemia da Covid-19 pode ter transformado as Economias: Mais voltadas para dentro,com maior protecionismo e uma clara tendência para um retrocesso na globalização.

José Miguel Silva

Economista

Câmara de Nelas investe na maior Zona Industrial do Concelho

Foi hoje aprovado em reunião de Câmara de Nelas o relatório final do júri do concurso público da reabilitação e ampliação do Parque Industrial de Nelas, bem como a minuta dos respetivos contratos a celebrar com as empresas de construção civil que ganharam o respetivo concurso.
As obras consistem na construção de 31 novos lotes para instalação ou de novas empresas ou ampliação das já existentes, na construção do novo arruamento do Chão do Grou, com ciclovia entre a rotunda da zona desportiva e o interior poente da zona industrial, passando nas Residências Séniores do Chão do Grou, requalificação da rede viária e de todas as redes nela existentes, como a rede de água, esgotos, comunicações, águas pluviais, gás, rede de incêndios, entre outras, e também melhoria da mobilidade ao nível dos passeios e espaços verdes.
O concurso está dividido em dois lotes, tendo apresentado a melhor proposta no lote n.º 1, relativa à zona nascente, a empresa “Irmãos Almeida Cabral, Lda“, pelo valor de 879.857,00€, e no lote n.º 2, relativa à zona poente, a empresa “Embeiral – Engenharia e Construção, SA“, pelo valor de 2.699.935,43€, ambos os valores sem IVA.
O total de investimento com IVA, nas referidas empreitadas, cifra-se assim no montante de 3.794.579,98€, montante este que, com projeto de execução e fiscalização da obra, pode atingir o valor de 4 milhões de euros, estando financiado este projeto no Centro2020/PT2020 com um apoio FEDER a fundo perdido de 2.300.000,00€, ficando a parte restante por conta do Município, e tendo a obra a duração de 18 meses.
Com esta reabilitação e ampliação do Parque Industrial de Nelas, a ligação do seus esgotos domésticos e industriais pré-tratados à nova Grande ETAR de Nelas III (ligação também efetuada à Zona Industrial do Chão do Pisco e construção em curso de uma nova ETAR na Zona Industrial da Ribeirinha, em Canas de Senhorim), fica esta Zona Industrial de Nelas, bem como as outras Áreas de Acolhimento Empresarial em excelentes condições para continuar a receber projetos de investimento, quer de novas empresas, quer para crescimentos das empresas já instaladas.
Fonte: CM de Nelas

Cabo ótico com seis mil quilómetros liga Sines a Fortaleza

O cabo ótico submarino, com seis mil quilómetros, pelo Oceano Atlântico, foi hoje inaugurado pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), numa cerimónia em Sines (Setúbal), o seu ponto de amarração do lado europeu, estando o outro lado ligado em Fortaleza, no Brasil.

Para o ministro português de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, trata-se de “uma iniciativa inovadora” e que “marca bem a aposta que a UE está a fazer para liderar, na próxima década, a economia e a sociedade digital no mundo”.

Na presença do primeiro-ministro, António Costa, o ministro da Economia discursava na sessão que assinalou a inauguração da infraestrutura, no âmbito do evento “Leading the Digital Decade” [Liderar a Década Digital], que decorre hoje e na quarta-feira em Sines.

Uma liderança no digital que a União Europeia pretende fazer com a aposta “na qualificação dos europeus, na capacitação das empresas, na digitalização da administração pública” e, ao mesmo tempo, “de uma forma também aberta ao mundo e cada vez mais interconectada”.

Além de salientar “a importância da presença de tecnologia portuguesa no desenvolvimento da arquitetura tecnológica” da estação de amarração na cidade do litoral alentejano, Siza Vieira assinalou que o cabo vai “permitir o desenvolvimento de negócios” e de “novos modelos de desenvolvimento da economia digital”.

E “era uma infraestrutura fundamental para assegurarmos a cooperação científica e a cooperação tecnológica entre os dois continentes”, a Europa, através de Portugal, e a América, neste caso a América do Sul, através do Brasil.

Também presente na sessão, o ministro brasileiro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, considerou tratar-se de “um dia muito feliz”, pelo estabelecimento desta “conexão física” entre o seu país e Portugal.

E manifestou-se seguro de que o cabo submarino de dados “vai dar muitos frutos nos próximos 25 anos”, permitindo um “maior desenvolvimento entre todos estes países” envolvidos.

“Seja através da conexão digital, seja através da ciência, da tecnologia e das inovações” que a infraestrutura vai possibilitar, através do tráfego de dados, afirmou.

O ‘EllaLink’, que constitui a primeira ligação direta de alta velocidade por cabo submarino entre a Europa e a América do Sul, é considerado pela presidência portuguesa do Conselho da UE “uma infraestrutura essencial para a interconexão digital e a transmissão de dados entre os dois continentes”.

O evento “Leading the Digital Decade”, coorganizado pela presidência portuguesa e pela Comissão Europeia, tem a participação de representantes de “vários Estados-membros da UE, do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, além de representantes do setor privado e da sociedade civil”.

Lusa

Casa Piano (Cabanas de Viriato): Ex libris das Beiras não só pelas enguias

A Casa Piano foi fundada em 1950 por José Augusto Martins, mais conhecido por “Piano”.Começou por ser um estabelecimento comercial,situado na Vila de Cabanas de Viriato,com as enguias a serem já a especialidade.

O restaurante teve continuidade com a sua filha, Maria Figueiredo Martins, também conhecida por “Quitas do Piano” e, mais tarde, em 1996, com o seu filho, José Antonio Martins Nunes, o conhecido “Tó do Piano”. “Abracei um novo projeto,que passou pela ampliação do espaço e da ementa, desde a caldeirada ao ensopado de enguias, à lampreia,mantendo como prato principal as famosas enguias fritas”, conta ao nosso jornal o atual proprietário.

This slideshow requires JavaScript.

“Devido à situação pandémica que estamos a viver, fomos obrigados a encerrar o nosso restaurante,restando apenas o serviço de take-away”, explica Tó do Piano, mostrando a sua satisfação por “depois de cinco árduos meses, termos podido finalmente abrir portas e servir os nossos tão estimados clientes, que rapidamente nos voltaram a visitar”.

E um deles – nada melhor que ouvir os clientes -, foi Jorge Correia, um professor aposentado de Carregal do Sal, sobejamente conhecido pelos seus refinados gostos gastronómicos.

Fez ao nosso jornal este relato da sua recente visita à Casa Piano: 

“Devido à pandemia as idas aos restaurantes são diminutas e o take away não é fotogénico. Na segunda feira estive na Casa Piano a comer umas Enguias à Piano, únicas e inconfundíveis acompanhado com Encruzado Barricas da Quinta das Marias (excepcional), seguindo-se Carne de Vitela Estufada deliciosa acompanhada com Vinho da Casa Piano, que é um fantástico Vinho tinto Touriga Reserva da Quinta Sobral, de Santar com 14,5 graus. Tudo excelente e muito bem servido pelo senhor Vítor. Quem me serviu à mesa foi uma aluna estagiária da Escola Profissional de Tondela, com muito boa prestação de serviço. À saída o amigo Tó Piano faz a conta e nós prometemos voltar. Gosto de ir almoçar à Casa Piano e antes de sair mandei vir 1/2 Old Parr, velhinho”.

Nota:  O restaurante fecha apenas  à segunda-feira, depois das 15 horas, Telefone para contacto: 232691634 /967938077

José Miguel Silva com Jorge Correia e Tó do Piano