A ameaça de estagflação e o caso da PSA (Mangualde)

Vivemos um período económico marcado pela incerteza, cujo ritmo é pautado pela evolução da pandemia provocada pelo novo coronavírus. As expectativas norteiam o investimento e o consumo e ainda estão longe de ser otimistas.

Há um fator neste momento que está a assombrar a recuperação económica e as perspetivas macro no médio e longo prazo:inflação.O movimento de alta generalizada dos preços pode ser acompanhado por estagnação económica. A isto se chama estagflação.

Muitos Economistas já falam de efeitos mais duradouros, quando se pensaria que seriam mais passageiros, derivados das grandes interrupções nas cadeias de abastecimento. O fenómeno está a durar no tempo e até a agudizar-se nalguns bens considerados essenciais, como é o caso dos semicondutores (chips). A sua importância, dado o grande salto tecnológico  que temos assistido, é transversal a toda a indústria. Neste momento, e com receio de falta desta componente,as empresas compram para armazenar, o que está a provocar grandes dificuldades de fornecimento.

Caso paradigmático é a paragem recente (duas semanas) na maior empresa do distrito de Viseu, situada em Mangualde – produtora de automóveis do Grupo Francês PSA.

Ontem,9 de junho,a atividade foi retomada, mas os receios são grandes, até por parte dos trabalhadores, de novas paragens, devido ao problema acima mencionado. Lembramos que emprega mais de 1 200 pessoas.

O caminho parece ser investir, até com impulsos e apoios fortes por parte dos Governos, em novas fábricas, que tornem cada país ou bloco económico, menos dependente de importações. Um exemplo é a Alemanha, que acaba de inaugurar uma das  mais modernas fábricas do mundo deste “pequeno” mas “gigante” produto – Bosch em Dresden.

Como nota final, este é um exemplo paradigmático de como a Pandemia da Covid-19 pode ter transformado as Economias: Mais voltadas para dentro,com maior protecionismo e uma clara tendência para um retrocesso na globalização.

José Miguel Silva

Economista

Câmara de Nelas investe na maior Zona Industrial do Concelho

Foi hoje aprovado em reunião de Câmara de Nelas o relatório final do júri do concurso público da reabilitação e ampliação do Parque Industrial de Nelas, bem como a minuta dos respetivos contratos a celebrar com as empresas de construção civil que ganharam o respetivo concurso.
As obras consistem na construção de 31 novos lotes para instalação ou de novas empresas ou ampliação das já existentes, na construção do novo arruamento do Chão do Grou, com ciclovia entre a rotunda da zona desportiva e o interior poente da zona industrial, passando nas Residências Séniores do Chão do Grou, requalificação da rede viária e de todas as redes nela existentes, como a rede de água, esgotos, comunicações, águas pluviais, gás, rede de incêndios, entre outras, e também melhoria da mobilidade ao nível dos passeios e espaços verdes.
O concurso está dividido em dois lotes, tendo apresentado a melhor proposta no lote n.º 1, relativa à zona nascente, a empresa “Irmãos Almeida Cabral, Lda“, pelo valor de 879.857,00€, e no lote n.º 2, relativa à zona poente, a empresa “Embeiral – Engenharia e Construção, SA“, pelo valor de 2.699.935,43€, ambos os valores sem IVA.
O total de investimento com IVA, nas referidas empreitadas, cifra-se assim no montante de 3.794.579,98€, montante este que, com projeto de execução e fiscalização da obra, pode atingir o valor de 4 milhões de euros, estando financiado este projeto no Centro2020/PT2020 com um apoio FEDER a fundo perdido de 2.300.000,00€, ficando a parte restante por conta do Município, e tendo a obra a duração de 18 meses.
Com esta reabilitação e ampliação do Parque Industrial de Nelas, a ligação do seus esgotos domésticos e industriais pré-tratados à nova Grande ETAR de Nelas III (ligação também efetuada à Zona Industrial do Chão do Pisco e construção em curso de uma nova ETAR na Zona Industrial da Ribeirinha, em Canas de Senhorim), fica esta Zona Industrial de Nelas, bem como as outras Áreas de Acolhimento Empresarial em excelentes condições para continuar a receber projetos de investimento, quer de novas empresas, quer para crescimentos das empresas já instaladas.
Fonte: CM de Nelas

Cabo ótico com seis mil quilómetros liga Sines a Fortaleza

O cabo ótico submarino, com seis mil quilómetros, pelo Oceano Atlântico, foi hoje inaugurado pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), numa cerimónia em Sines (Setúbal), o seu ponto de amarração do lado europeu, estando o outro lado ligado em Fortaleza, no Brasil.

Para o ministro português de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, trata-se de “uma iniciativa inovadora” e que “marca bem a aposta que a UE está a fazer para liderar, na próxima década, a economia e a sociedade digital no mundo”.

Na presença do primeiro-ministro, António Costa, o ministro da Economia discursava na sessão que assinalou a inauguração da infraestrutura, no âmbito do evento “Leading the Digital Decade” [Liderar a Década Digital], que decorre hoje e na quarta-feira em Sines.

Uma liderança no digital que a União Europeia pretende fazer com a aposta “na qualificação dos europeus, na capacitação das empresas, na digitalização da administração pública” e, ao mesmo tempo, “de uma forma também aberta ao mundo e cada vez mais interconectada”.

Além de salientar “a importância da presença de tecnologia portuguesa no desenvolvimento da arquitetura tecnológica” da estação de amarração na cidade do litoral alentejano, Siza Vieira assinalou que o cabo vai “permitir o desenvolvimento de negócios” e de “novos modelos de desenvolvimento da economia digital”.

E “era uma infraestrutura fundamental para assegurarmos a cooperação científica e a cooperação tecnológica entre os dois continentes”, a Europa, através de Portugal, e a América, neste caso a América do Sul, através do Brasil.

Também presente na sessão, o ministro brasileiro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, considerou tratar-se de “um dia muito feliz”, pelo estabelecimento desta “conexão física” entre o seu país e Portugal.

E manifestou-se seguro de que o cabo submarino de dados “vai dar muitos frutos nos próximos 25 anos”, permitindo um “maior desenvolvimento entre todos estes países” envolvidos.

“Seja através da conexão digital, seja através da ciência, da tecnologia e das inovações” que a infraestrutura vai possibilitar, através do tráfego de dados, afirmou.

O ‘EllaLink’, que constitui a primeira ligação direta de alta velocidade por cabo submarino entre a Europa e a América do Sul, é considerado pela presidência portuguesa do Conselho da UE “uma infraestrutura essencial para a interconexão digital e a transmissão de dados entre os dois continentes”.

O evento “Leading the Digital Decade”, coorganizado pela presidência portuguesa e pela Comissão Europeia, tem a participação de representantes de “vários Estados-membros da UE, do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, além de representantes do setor privado e da sociedade civil”.

Lusa

Casa Piano (Cabanas de Viriato): Ex libris das Beiras não só pelas enguias

A Casa Piano foi fundada em 1950 por José Augusto Martins, mais conhecido por “Piano”.Começou por ser um estabelecimento comercial,situado na Vila de Cabanas de Viriato,com as enguias a serem já a especialidade.

O restaurante teve continuidade com a sua filha, Maria Figueiredo Martins, também conhecida por “Quitas do Piano” e, mais tarde, em 1996, com o seu filho, José Antonio Martins Nunes, o conhecido “Tó do Piano”. “Abracei um novo projeto,que passou pela ampliação do espaço e da ementa, desde a caldeirada ao ensopado de enguias, à lampreia,mantendo como prato principal as famosas enguias fritas”, conta ao nosso jornal o atual proprietário.

This slideshow requires JavaScript.

“Devido à situação pandémica que estamos a viver, fomos obrigados a encerrar o nosso restaurante,restando apenas o serviço de take-away”, explica Tó do Piano, mostrando a sua satisfação por “depois de cinco árduos meses, termos podido finalmente abrir portas e servir os nossos tão estimados clientes, que rapidamente nos voltaram a visitar”.

E um deles – nada melhor que ouvir os clientes -, foi Jorge Correia, um professor aposentado de Carregal do Sal, sobejamente conhecido pelos seus refinados gostos gastronómicos.

Fez ao nosso jornal este relato da sua recente visita à Casa Piano: 

“Devido à pandemia as idas aos restaurantes são diminutas e o take away não é fotogénico. Na segunda feira estive na Casa Piano a comer umas Enguias à Piano, únicas e inconfundíveis acompanhado com Encruzado Barricas da Quinta das Marias (excepcional), seguindo-se Carne de Vitela Estufada deliciosa acompanhada com Vinho da Casa Piano, que é um fantástico Vinho tinto Touriga Reserva da Quinta Sobral, de Santar com 14,5 graus. Tudo excelente e muito bem servido pelo senhor Vítor. Quem me serviu à mesa foi uma aluna estagiária da Escola Profissional de Tondela, com muito boa prestação de serviço. À saída o amigo Tó Piano faz a conta e nós prometemos voltar. Gosto de ir almoçar à Casa Piano e antes de sair mandei vir 1/2 Old Parr, velhinho”.

Nota:  O restaurante fecha apenas  à segunda-feira, depois das 15 horas, Telefone para contacto: 232691634 /967938077

José Miguel Silva com Jorge Correia e Tó do Piano

Imagina um novo reator nuclear livre de emissões de CO2?

O projeto consiste na produção depequenos reatores que funcionam com combustíveis diferentes dos tradicionais. São já considerados por alguns especialistas como uma tecnologia livre de emissões de carbono.

Bill Gates e Warren Buffett, amigos de longa data e dois dos homens mais ricos do mundo, escolheram o estado norte-americano de Wyoming — o principal estado produtor de carvão do país—, para construiu um novo tipo de reator nuclear, o Natrium. O local vai ser  uma central a carvão desativada, como escreve o  jornal “The Guardian”.

“Tratam-se de pequenos reatores que funcionam com combustíveis diferentes dos tradicionais e que são considerados por alguns especialistas como uma tecnologia livre de emissões de carbono, que podem complementar fontes de energia como a eólica ou a solar”, revela o prestigiado órgão de comunicação.

O Natrium foi anunciado numa entrevista conjunta do fundador da Microsoft Bill Gates, que fundou a empresa de energia nuclear TerraPower há 15 anos, e Warren Buffett, diretor executivo da Berkshire Hathaway, que detém a empresa de energia PacifiCorp.

 

BorgeSport diferencia-se por um serviço completo multimarca

A prestigiada oficina localizada em Nelas,centra-se em oferecer aos seus clientes, “um serviço de qualidade para o seu automóvel, com a rapidez que este mercado exige”, explica ao nosso jornal Luís Borges, proprietário.

A BorgeSport distingue-se da maioria dos seus concorrentes pelo facto de ser uma oficina multimarca de serviço completo, fornecendo todos os serviços de diagnóstico, manutenção e reparação automóvel, desde as operações mais simples, aos serviços mais complexos. “Na nossa oficina será sempre recebido com um sorriso e o seu carro será tratado com a máxima atenção e cuidado, de modo a garantimos a sua satisfação com Qualidade, Transparência e Simpatia”, realça, elecando três fatores chave que sustentam o sucesso da empresa: QUALIDADE – temos à sua disposição equipamentos e técnicos especializados, devidamente formados para o acompanharem e aconselharem, garantindo que o seu automóvel é tratado como merece. TRANSPARÊNCIA – antes de iniciarmos um serviço, gostamos de explicar aos nossos clientes a reparação que irá ser realizada. Para além disso, poderá sempre acompanhar o trabalho que estamos a efetuar ao seu veículo. SIMPATIA – porque queremos manter uma relação duradoura com os nossos clientes, será sempre recebido com um sorriso, para além de um serviço de qualidade ao melhor preço.

CONTACTOS:

http://www.borgesport.com/

Tlf.:  232 944 889

https://www.facebook.com/borgesport

Nelas.Arrancaram as obras de requalificação do Mercado Municipal

Tiveram início ontem,1 de junho, as obras de requalificação do Mercado Municipal de Nelas, edifício do início do século XX e que ainda serviu de apoio ao Regimento de Cavalaria 7, aqui instalado em Nelas entre 1911 e 1928, e que durante décadas serviu como principal mercado abastecedor da população Nelense e não só.
Logo após a assinatura do auto de consignação, a empresa “Certificoimbra, Lda” deu de imediato início aos trabalhos que abrangerão os 720 m² de área coberta do edifício e ainda 600 m² do seu espaço envolvente, adequando todo o espaço às exigências da atualidade, potenciando-o para a realização de múltiplos eventos, incluindo um espaço de “co-working“, para além da função de mercado tradicional e melhorando a mobilidade e acessibilidade em redor do mesmo.
A duração das obras tem uma previsão de 10 meses, estando incluídas no financiamento referente à reabilitação urbana dos centros históricos (denominado PARU – Plano de Ação de Regeneração Urbana, Plano onde se incluem também as obras a iniciar em breve da requalificação da Av. João XXIII, em Nelas) do Centro2020/PT2020, com custo total elegível de 525 mil euros, com um fundo Feder de 85%.
Entretanto, o Mercadinho dos Produtos Agrícolas que ali funciona desde maio de 2020, passará a ter lugar no edifício da Federação dos Vitivinicultores a partir do próximo domingo, dia 6 junho, no mesmo horário entre as 8:00 horas e as 12:00 horas.
Estas obras no Mercado Municipal de Nelas, a par das que decorrem já na requalificação da aldeia termal das Caldas da Felgueira e da construção em curso do CAVES (Centro de Artes, do Vinho e do Espaço de Santar, também conhecido por Museu do Vinho), e também o projeto de requalificação do CEVD – Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão, como centro de inovação e investigação da região do Dão, constituem projetos que não podem deixar de encher de alegria e orgulho todos os Munícipes, que há tantos anos almejavam que tal acontecesse.
Fonte: Câmara Municipal de Nelas

Monta d´Aromas (Tábua) produz gel desinfetante com aromas de frutos

Nuno Tavares Pereira explicou, em reportagem na TVI, como tudo se processsa, na Montra D´Aromas, numa ideia inovadora, também com componente solidária. Os aromas vão desde a maçã ao mirtilo:

https://tvi24.iol.pt/videos/sociedade/quem-disse-que-o-alcool-gel-tem-de-cheirar-mal-aqui-o-aroma-e-a-fruta/60ae34c90cf2a7842a166837?

Contacto: 939804539 (EM Midões).

Laboratório colaborativo na região do Dão poderá situar-se em Nelas

A ministra da Coesão Territorial afirmou-se a favor da  instalação de um laboratório colaborativo na região do Dão, sustentando que o Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão, em Nelas, “é o ponto de partida” uma vez que não se pode fazer “tábua rasa do que já existe”.Ana Abrunhosa,em deslocação a Viseu, na passada sexta feira,exortou os responsáveis a “dar-lhe escala,atraindo pessoas e outros meios, porque é uma referência na região”.
Já o presidente da Comissão Vitivinícola Regional do Dão, Arlindo Cunha, adiantou aos jornalistas que o caminho para a instalação do laboratório em Nelas “já está a ser feito”, sinalizando que um dos pontos fundamentais “é  a problemática da sustentabilidade”.

Vinhos do Dão premiados internacionalmente

Nove vinhos da região receberam pontuação acima dos 90 pontos por parte do conhecido crítico Robert Parker e seis vinhos alcançaram a medalha de ouro no concurso IWC (International Wine Challenge).

A região do Dão continua a “brilhar” fora de portas, uma vez que os vinhos continuam a alcançar grande destaque internacionalmente.

Entre 24 vinhos portugueses galardoados com medalhas de ouro no conhecido concurso IWC seis vinhos são do Dão: Freire Lobo Vigno Encruzado 2018; Morgado de Silgueiros Touriga Nacional 2017; Quinta da Ponte Pedrinha Touriga Nacional 2016; Quinta dos Carvalhais Reserva Tinto 2017; Quinta de Lemos Dona Paulette Encruzado 2017; Quinta de Lemos Touriga Nacional 2009.

No que diz respeito a pontuações, mais uma vez os vinhos da região alcançaram excelentes resultados nas críticas de Robert Parker. Nove vinhos tiveram 90 ou mais pontos: Quinta da Falorca Old Vines Garrafeira (95 pontos); Quinta de Lemos Dona Georgina 2007 (93 pontos); Casa de Santar Reserva 2007 (92 pontos); Quinta da Falorca Noblesse Oblige Branco (92 pontos); Lua Cheia Insurgente Premium (92 pontos); Quinta da Bica Tinto Vinhas Velhas (91 pontos); Quinta da Ramalhosa Tinto 2015 (90 pontos); Quinta do Escudial Encruzado 2019 (90 pontos).

“Este é sem dúvida um reconhecimento do excelente trabalho que os produtores têm desenvolvido nos últimos anos, que tanto tem contribuído para a elevação da região não só a nível nacional, como internacional. É com enorme satisfação que vejo os nossos produtores alcançarem estes excelentes resultados com os seus vinhos”, refere Arlindo Cunha, Presidente da CVR Dão.

De referir, que nos últimos anos os vinhos do Dão têm-se destacado em vários concursos internacionais de prestígio.

Nota de Imprensa da C.V.R. do Dão

E se notas e moedas físicas acabarem?

Imagine um furação, como tantos têm atingido o globo, em larga medida devido às alterações climáticas. Um furacão devastador, como o que aconteceu nas Bahamas em 2019, em que a larga maioria da sua população ficou sem acesso a terminais multibanco.

Estamos a viver um era de aceleração da transição digital. Provavelmente, em pouco mais de um ano de situação de Pandemia, com grandes restrições à mobilidade, saltámos cinco anos, o que deveríamos ter avançado em um.

Aquela ilha situada no Mar do Caribe, criou, através do seu Banco Central, uma moeda digital (“sand dollar”), para a população fazer face à falta de uma moeda física, usando essa nova moeda numa aplicação no smarthphone.

Na atualidade, vemos um grande “boom”das moedas digitais, vulgarmente designadas “cryptomoedas”. Os bancos centrais estão já a estudar, concertadamente, a criação de uma alternativa às moedas e notas. A China já está na linha da frente, com avanços superiores ao Estados Unidos.

José Miguel Silva

Vinha dos Amores (Casa de Santar) eleito o melhor espumante

Sete vinhos da região demarcada do Dão, conquistaram o “Grande Ouro” na 8ª edição do Concurso Vinhos de Portugal, que se realizou ontem, 21 de maio, em formato digital.

O concurso levado a cabo pela ViniPortugal, elegeu o encruzado Vinha dos Amores Casa de Santar, o melhor espumante do ano entre os cerca de 1.400 vinhos que se candidataram ao concurso.

Foram 45 os vinhos do Dão premiados.

O presidente da ViniPortugal, Frederico Falcão, afirmou que “foi a edição com mais candidaturas a concurso dos últimos 8 anos”.

EDITORIAL. O interior está na moda, também para a Economia

José Miguel Silva

Restaurante “Bem Haja”. Um ícone das Beiras de regresso

É reconhecidamente um dos “ex libris” da gastronomia regional Beirã.

Situado em Nelas, reabriu com a qualidade e hospitalidade de sempre. Oferece além dos atrativos habituais, onde destacamos a diversificada ementa e uma das melhores cartas de vinhos do Dão, a aprazível esplanada da vinha, ideal para a Primavera e Verão. A imagem fala por si.

Isabel Pires Paula, proprietária, falou ao nosso jornal de como está a decorrer a reabertura, depois do confinamento rigoroso de três meses. “Estamos a funcionar bem, dentro das limitações que ainda temos”, diz-nos.

 

“Small Portuguese Hotels” acredita num aumento das “férias cá dentro”

Depois dos tempos atípicos que vivemos desde março de 2020, o impacto em toda a economia nacional é notório, sendo um dos principais setores afetados, o do turismo. É neste sentido que a Small Portuguese Hotels analisa as mudanças e o impacto vivido no nosso país, bem como as tendências para o futuro do turismo em Portugal.
Como é já conhecido, o turismo sofreu uma queda abrupta nos meses iniciais da pandemia em Portugal, com o fecho generalizado da hotelaria e decréscimo acentuado nas reservas a partir de março e abril de 2020. No entanto, assistimos à surpreendente recuperação do mercado português, atingindo, logo a partir de maio de 2020, 100% do valor das reservas nacionais alcançado em 2019.

Um dos fenómenos verificados foi o interesse dos portugueses em “fazer férias cá dentro”, registando-se um pico de reservas de portugueses na hotelaria em agosto, e desempenhos muito bons de julho a outubro. “Os portugueses estão cada vez a abraçar mais o turismo nacional, e, numa fase tão atípica, a tendência de fazer férias em Portugal, visitando o país de norte a sul, quer seja em casas de campo, turismo rural ou hotéis, é cada vez mais notória, verificando-se, em ano de pandemia, um crescimento de 12% em relação a 2019”, refere Pedro Colaço, CEO da Great Hotels of the World.

Quanto ao mercado do turismo internacional em Portugal, este registou uma descida, naturalmente justificada pelo fecho das fronteiras, entre os meses de abril e dezembro de 2020, representando apenas 28% dos resultados alcançados no período homólogo de 2019. Para Pedro Colaço, “a atração do turismo estrangeiro deve ser uma das principais preocupações, pois representa uma etapa fundamental para a recuperação da economia nacional, ainda que longe de alcançar devido aos constrangimentos atuais vividos em cada país pela pandemia. No entanto, estamos otimistas com a abertura das fronteiras neste mês de maio, e vemos já reservas de Ingleses, Alemães, Espanhóis e Franceses a bom ritmo”.

No início do ano de 2021, registou-se um nível de reservas muito baixo devido à nova fase de confinamento, não só em Portugal, mas também na Europa, gerando uma quebra geral nestes mercados. Quanto ao comportamento dos portugueses, a procura acelerou em março e em abril chegou já a 113% de 2019. A expectativa é que as reservas continuem a aumentar nos próximos meses e que se mantenham elevadas até ao quarto trimestre de 2021 com o pico das reservas em julho e agosto, meses em que, tradicionalmente, há um elevado número de reservas.

Pedro Colaço refere ainda que “É esperada que a retoma no setor do turismo seja principalmente impulsionada pelos portugueses, esperando atingir valores semelhantes a 2020. Com a saída geral do confinamento, começamos a assistir ao aumento de viagens espontâneas no país, beneficiando do turismo rural e da costa, e antecipando um verão muito forte para o turismo. Acreditamos que esta será uma evolução controlada e que, tendencialmente, irá aumentar consoante a confiança e o levantamento das restrições impostas de viajar para alojamentos deste setor”.

Small Portuguese Hotels (SPH) surge em junho de 2020, num período em que, não só o turismo, mas também os alojamentos mais pequenos começaram a a ser mais afetados, tendo dado um apoio fundamental aos hotéis independentes em Portugal, bem como aos negócios locais. Atualmente, a SPH reúne cerca de 150 hotéis de norte a sul do país, e ilhas, verificando, assim, estas tendências no crescimento do tráfego direto no seu site, bem como no crescimento exponencial das reservas, o que mostra a aceitação e interesse nestes projetos pelos portugueses.

Small Portuguese Hotels está também alinhada com as preferências dos consumidores Millennials e Generation Z, que atualmente procuram, de uma forma geral, por soluções de turismo mais sustentável. Projetos como a SPH, de associação de hotéis independentes com marcas que lhes permitam colaborar para atingir escala de vendas e marketing e promover a redescoberta do país pelos Portugueses, é uma tendência que se tem verificado nos últimos tempos. “A Small Portuguese Hotels torna-se, assim um movimento que apoia pequenos hotéis e alojamentos por todo o país, que partilham de boas práticas e que surpreendem estes consumidores com alojamentos e experiências verdadeiramente únicas, que não tenham sido tão explorados até agora” refere Pedro Colaço, acrescentando ainda “Acreditamos que, nos próximos meses, e tal como a Small Portuguese Hotels o fez, também os portugueses vão querer apoiar e usufruir dos nossos «Hotéis por Portugal»”.

Riportico fiscaliza requalificação do Santuário de Nossa Senhora d’Aires

Salvaguardar e preservar o património edificado, reabilitar a sua envolvente próxima, conservar o património integrado e valorizar as memórias e a história do local, garantindo a existência de um legado para gerações vindouras, era o grande objetivo da empreitada de requalificação do Santuário de Nossa Senhora d’Aires, em Viana do Alentejo, cuja gestão e fiscalização ficaram a cargo da Riportico, uma das melhores consultoras de engenharia em Portugal. A cerimónia de reabertura do Santuário decorreu no último sábado, dia 15 de maio.

Num investimento de perto de dois milhões de euros, as obras de requalificação, restauro e museologia decorreram durante três anos, com vista a melhorar as condições gerais de acolhimento e acessibilidade do espaço para usufruto pleno da população e dos seus visitantes, estando a ser complementadas pela requalificação da envolvente paisagística levada a cabo pelo município de Viana do Alentejo.

Os trabalhos de requalificação compreenderam, entre outros, a demolição do queimador de velas, muros adjacentes, rampa, loja e casas de banho existentes, a preparação/picagem das superfícies rebocadas em tetos e paredes para aumentar a rugosidade e garantir boa aderência da massa/argamassa de cal, o revestimento das fachadas da Igreja, Casa dos Romeiros e Portaria, o tratamento de limpeza dos elementos pétreos em paredes, pavimentos, escadas e guarnições, o tratamento de conservação dos azulejos, e a requalificação paisagística da Alameda, com divisão de espaços, horta, espécies arbustivas e árvores e caminhos em chulipas de madeira.

Nota de Imprensa da Riportico

Mangualde: Desemprego cai 10%

Mangualde continua a registar uma evolução muito positiva em termos de redução de número de desempregados.

Em março de 2021, relatámos uma redução de 1%, tendência que se mantém em abril, com uma queda mais acentuada. O concelho tinha em abril de 2020, em pleno auge da pandemia, 720 desempregados, e regista agora, em abril de 2021, 645 ativos sem emprego. É um recuo de 10%.