Turismo Centro de Portugal evoca o Bicentenário da morte de Napoleão

A Agenda de Eventos – Invasões Napoleónicas em Portugal, lançada em maio, no quadro da efeméride do Bicentenário da morte de Napoleão Bonaparte, decorre até ao final do ano, em 18 municípios do país.

Numa iniciativa conjunta do Turismo de Portugal e das Entidades Regionais de Turismo do Porto e Norte de Portugal, Centro de Portugal, Região de Lisboa e Alentejo Ribatejo, em articulação com os respetivos municípios, a Agenda que está disponível online, reúne iniciativas que destacam o património histórico-militar, material e imaterial, associado às invasões napoleónicas em Portugal.

A valorização deste património é o mote para a realização de mais de 40 eventos, em versão online e presencial – concertos de música, recriações históricas, cinema, exposições, debates, publicações digitais – os quais contribuem para a dinamização turística dos territórios. O cumprimento das regras de segurança sanitária aplicáveis, nos eventos presenciais previstos, é da responsabilidade dos respetivos municípios.

De entre as entidades participantes, constam os promotores do projeto “Rede Temática das Invasões Francesas em Portugal” apoiado pelo Turismo de Portugal no âmbito da Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior.

Esta Agenda integra o calendário internacional de comemorações “Bicentenário 2021” promovido pelo Itinerário Cultural do Conselho da Europa Destination Napoleon.

Napoleão Bonaparte morreu a 5 de maio de 1821, na ilha de Santa Helena e, neste ano de 2021, por toda a Europa, a data é assinalada através da realização de diversos eventos que promovem o património cultural material e imaterial associado à história das invasões napoleónicas nos vários países europeus.

Consulte a Agenda aqui.

Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias.

Programa Operacional do Centro atribui 1 milhão de euros para Casa do Passal

São nove os projetos que foram aprovados no âmbito do Programa Operacional Regional do Centro para o distrito, de acordo com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional.

Carregal do Sal é um dos concelhos que maior subsídio irá receber: Mais de 1 milhão de euros para a musealização da Casa do Passal, em Cabanas de Viriato.

Em Nelas foram contempladas duas obras: A requalificação da escola da Feira, em Canas de Senhorim, terá um apoio superior a 37 mil euros, enquanto a obra na escola do Fojo receberá mais de 39 mil euros dos fundos comunitários.

O programa vai ainda atribuir 107 mil euros para obras no Centro Escolar e na Escola Ana de Castro Osório em Mangualde.

Ao todo, o Centro 2020 vai apoiar oito projetos de educação no distrito e um de cultura. O montante total destinado para a região de Viseu é de 5.684.179,03 euros.

Biblioteca itinerante percorre Aldeias de Xisto

Sessões de leitura nas escolas, ao ar livre, no centro das aldeias, no meio da rua, onde houver público e vontade de ouvir uma história. A iniciativa é do jornalista e escritor João Ferreira de Oliveira, que abraçou o desafio de percorrer o Interior, durante um mês, ao volante de uma biblioteca itinerante, semelhante àquelas que a Fundação Calouste Gulbenkian usou entre 1958 e 2002 para levar histórias, aventuras e sonhos a todos os pontos do país. As Aldeias do Xisto acolheram e apoiaram este projeto desde o início e serão o primeiro destino da viagem.

Se em maio andar pelo interior do país e se cruzar com uma carrinha branca, com desenhos coloridos e identificada com os dizeres Biblioteca Itinerante e “VIAGEM ao INTERIOR dos livros, das pessoas e do país”aproxime-se e aproveite para ouvir uma história e levar um livro para depois a partilhar. A iniciativa é do jornalista e escritor João Ferreira de Oliveira, que abraçou o desafio de percorrer o interior, durante um mês, ao volante de uma biblioteca itinerante, semelhante àquelas que a Fundação Calouste Gulbenkian usou entre 1958 e 2002 para levar histórias, aventuras e sonhos a todos os pontos do país.

As Aldeias do Xisto, que acolheram esta iniciativa desde o início, são o primeiro destino desta viagem, que parte de Lisboa a 6 de maio. Até dia 10, haverá sessões de leitura nas escolas, ao ar livre, no centro das aldeias, no meio da rua. Enfim, onde houver público e vontade de ouvir e contar histórias.

Em Figueira, no concelho de Proença-a-Nova, João Ferreira de Oliveira vai conversar com o bibliotecário Nuno Marçal, da Biblioteca Municipal, e ainda conhecer a estreita ligação que os habitantes da aldeia desenvolvem em torno do tradicional forno a lenha comunitário. Em Sarzedas, no concelho de Castelo Branco, está prevista a visita à Escola Primária, assim como em Janeiro de Cima, no concelho do Fundão, onde se vai ainda desfrutar da leitura a bordo da barca, no rio Zêzere. Na Cerdeira, no concelho da Lousã, relembra-se a história de Kerstin Thomas, a alemã que aprendeu a falar português com os livros. Os Contos de Fajão e o Dark Sky Aldeias do Xisto servem de mote para a visita a Fajão, no concelho da Pampilhosa da Serra.

PROGRAMA

7 de maio

  • Aldeia do Xisto da Figueira, Proença-a-Nova: Encontro com Nuno Marçal, bibliotecário de Proença-a-Nova e conversa com os habitantes da aldeia
  • Visita à Escola Primária da Aldeia do Xisto das Sarzedas

8 de maio

  • Aldeia do Xisto da Cerdeira, Lousã: Conversa com Kerstin Thomas
  • Aldeia do Xisto de Fajão, Pampilhosa da Serra: Sessão de leitura com os habitantes

9 de maio

  • Aldeia do Xisto de Fajão, Pampilhosa da Serra: Oferta de livros e sessão de contos no adro da igreja
  • Aldeia do Xisto de Janeiro de Cima, Fundão: Sessão de leitura na barca

10 de maio

  • Aldeia do Xisto de Janeiro de Cima, Fundão: visita e sessão de leitura na Escola Primária

Para Rui Simão, diretor executivo da ADXTUR, «esta iniciativa vai misturar as histórias dos livros com as histórias e os saberes das pessoas e dos lugares por onde passar. Este é um território ‘literário’ também por isso, pela inspiração que provoca a história de vida de cada pessoa e que se entretece com as memórias das paisagens onde habitam, sejam relacionadas com o céu, com os contos tradicionais ou com as artes e ofícios. Saber ler a paisagem e interpretar a cultura dos lugares é também uma importante competência de literacia que as Aldeias do Xisto querem promover.»

O foco é a literatura infantil, mas as portas e as estantes da carrinha estão abertas a toda a gente, incluindo os mais velhos. «O objetivo não passa por vender livros, mas sim oferecê-los. Regressar a casa com a carrinha vazia, mas cheia de histórias», acrescenta.

Os cerca de 500 títulos que enchem as estantes da carrinha foram doados por diversas editoras portuguesas e pela Citroën, que se associa a esta iniciativa assumindo o seu legado histórico: recorde-se que as antigas bibliotecas itinerantes tinham como imagem um ícone desta marca automóvel, o HY. Agora, João Ferreira Oliveira segue viagem ao volante de um Citroën Jumper.

Depois das Aldeias do Xisto, a viagem percorre a Rota da Terra Fria (Trás-os-Montes), o Alentejo Interior e o Algarve Interior. Toda a viagem, que pode acompanhar no Instagram, vai ser registada, dando origem a um conjunto de reportagens, a publicar no jornal Público, e uma série documental de quatro episódios, um por cada destino. E, como não podia deixar de ser, um livro.

 

Extensão CineEco acontece pela primeira vez online e envolve mais de 50 entidades

Organização do mais antigo festival de cinema ambiental do mundo volta a fazer serviço público em dezenas de escolas, universidades, associações artísticas e culturai

De 10 a 16 de maio, o município de Seia promove dezenas de sessões de cinema online, com os documentários e filmes sobre Ambiente e Ecologia que constam do programa oficial da 26ª edição do CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela. Esta é uma ação só possível levar a cabo com a vasta rede de parceiros composta de mais de 50 entidades de todo o país, que terão este ano a oportunidade de ir ao encontro dos seus públicos através de sessões online, disponíveis na plataforma CineEco.

De entre os parceiros que acolhem as extensões do CineEco (link) destacam-se universidades, escolas secundárias, cineclubes, cineteatros e municípios, e diversas associações, festivais e outras instituições de todo o país.

Durante a semana de 10 a 16 de maio, as sessões irão decorrer no mesmo horário, às 21:30 horas, via plataforma CineEco e de forma gratuita. Para tal, os interessados devem apenas enviar um email de confirmação para [email protected] . Posteriormente serão enviadas as instruções para o acesso direto.

programa oficial contempla a exibição de 23 longas e curtas metragens. Nos 10 e 11 de maio serão exibidas online as curtas metragens nacionais e internacionais, já os dias 12, 13, 14 e 15 de maio ficam reservados às longas metragens internacionais e nacionais, que serão antecedidas sempre de uma curta-metragem. O último dia, 16 maio, serão exibidas 4 curtas nacionais.

Esta é considerada uma “mega operação” daquele que é o único festival de cinema de ambiente em Portugal e um dos mais antigos no mundo, que na impossibilidade de realizar em sala a maior parte das suas extensões, procura desta forma, online, levar o cinema de temática socioambiental junto do público português.

O CineEco conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República, do Departamento de Ambiente das Nações Unidas, da Agência Portuguesa de Ambiente, do ICA, do Turismo de Portugal, CIMBSE, Lipor, Águas de Portugal, entre outras entidades.

Mais informações não hesite em contactar!

Extensões CineEco > http://www.cineeco.pt/extens%C3%B5es

Video > https://www.youtube.com/watch?v=y7O5GHEFj7A

O Baloiço “Maria Gomes” alusivo ao vinho

Em plena região vitivinícola da Bairrada, no alto de uma colina, foi projetado e executado, no final de 2020, um novo baloiço panorâmico. O “Maria Gomes” está encostado a um moinho, numa localização idílica, e tem com um banco em forma de barrica, em homenagem ao néctar dos Deuses. A paisagem altaneira,  sobre vinhas sumptuososas, tendo como pano de fundo a  Serra do Bussaco e Caramulo, é ímpar.

É em São Lourenço do Bairro, concelho de Anadia, que duas empreendedoras (Patrícia Oliveira e Margarete Varanda), levaram a cabo este esplendoroso Baloiço: Deus Sonha, o Homem quer, a Obra nasce.

Acrescentaram muita beleza, a uma região já privilegiada.

De um lado, as colinas de São Lourenço do Bairro e Paredes do Bairro com destaque para a Quinta do Encontro e Campo Largo; do outro, as vinhas de Óis do Bairro e Outeiro de Baixo com destaque para a Serra do Bussaco e Caramulo.

O nome, Maria Gomes, tem a ver com a região. É a denominação de uma das castas mais representativas do património genético da Bairrada.  Em bom rigor, a casta Maria Gomes não é mais nem menos que a Fernão Pires, uma das castas brancas mais populares em Portugal.

Imagens: Site NIT

Senado dos E.U.A. aprova resolução para homenagear Aristides de Sousa Mendes

Foi na sua página na rede social Facebook (https://www.facebook.com/PortugalintheUS/), que a embaixada portuguesa em Washington, D.C., revela a deliberação: 

Temos muito prazer em informar o Senado dos EUA aprovou por unanimidade uma resolução que honra Aristides de Sousa Mendes. Agradecemos aos Senadores Romney e Murphy por terem apresentado esta resolução.
O Senado saudou o trabalho humanitário e de princípios de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal, em Bordeaux, França, por agir com muita coragem e risco pessoal para emitir vistos de trânsito para judeus franceses e outras pessoas, poupando-os da ocupação nazista e da Holocausto, salvando assim milhares de vidas inocentes.
Aristides de Sousa Mendes foi reconhecido como um Justo Entre as Nações, em 1966, o primeiro diplomata a ser tão honrado.

Portugal tem um dos mais bem guardados segredos culinários

Ouvir a CNN dizer que Portugal é um dos mais bem guardados segredos culinários da Europa impressiona. Estamos a falar de um artigo onde são enumeradas as 20 razões objetivas que tornam Portugal numa das melhores cozinhas europeias, a par da francesa, da italiana ou da espanhola.

1. O peixe perfeito
Só há um país na Europa onde se come mais peixe do que em Portugal – e são logo os nossos amigos islandeses, que tantas memórias nos deixaram no Euro 2016. No entanto, existe uma diferença colossal que a estação de televisão destaca: o famosíssimo chef Ferran Adriá diz que o melhor peixe do mundo vem do mar português. E ele é espanhol, como lembra a CNN.
O canal americano fala dos fantásticos mercados, onde se compra todo o tipo de peixe, do magnífico robalo grelhado no churrasco e dos fabulosos restaurantes onde comer um peixinho único: «São Roque», em Lagos; «Restinga», no Alvor; «Furnas», na Ericeira; «Azenhas do Mar» ou «Restaurante da Adraga», em Sintra; «Ribamar», em Sesimbra; ou «Doca das Cavacas», na Madeira.
2. O maravilhoso azeite
É a base da cozinha portuguesa e, para a CNN, é também uma maravilha difícil de igualar – seja o azeite do Alentejo, da Beira Interior ou de Trás-os-Montes. Tanto fica ótimo por cima do bacalhau, de uma simples sopa ou de uma fatia de pão saloio acabado de sair do forno a lenha.
O canal de TV fala dos gigantes Gallo e Oliveira da Serra ou dos pequenos e artesanais produtores que estão a fazer um azeite imperdível – o destaque vai para o último prémio internacional ganho pelo azeite biológico Olmais.
3. O cozido à portuguesa
A cozinha portuguesa pode ser mais pesada no Norte e mediterrânica no Sul, mas uma coisa une todo o país: o cozido à portuguesa. A CNN fala inclusivamente dos vários tipos de cozido: o do Algarve, com grão e hortelã; o do Alentejo, com borrego; o da Madeira, com batata-doce; ou o das Furnas, cozido debaixo do chão, que é imbatível.
4. Os chefs gourmet de Lisboa
A CNN elogia o magnífico trabalho de José Avillez, no «Belcanto», de Henrique Sá Pessoa, no «Alma», ou de João Rodrigues, na «Feitoria» – e elogia muito bem e merecidamente – mas esquece-se do fabuloso trabalho que está a ser feito no Porto (Pedro Lemos, Rui Paula ou Vítor Matos são alguns exemplos) ou no Algarve.
Entre os pratos que encantaram a CNN, está o fantástico salmonete braseado com molho de fígados e xerém de amêijoas à Bulhão Pato, do «Belcanto».
5. O bacalhau
A CNN ficou encantada com os pastéis de bacalhau com feijão-frade, com o bacalhau à Brás, ou à lagareiro, ou com broa, ou à Zé-do-Pipo ou de qualquer maneira e feitio. Dizem que em Portugal há muito mais de 365 receitas de bacalhau, o que dá mais de um prato diferente por cada dia do ano.
Para a CNN, o melhor sítio para comer bacalhau é essa contradição de género que dá pelo nome de «Laurentina – O Rei do Bacalhau».
6. O queijo
É um assunto que merece ser esclarecido internacionalmente: porque é que os queijos portugueses não são mais conhecidos? Segundo a estação de televisão, é um mistério por esclarecer. Seja por causa do extraordinário Queijo da Serra, do Queijo Amarelo da Beira Baixa, do Queijo da Ilha de São Jorge, do Terrincho de Trás-os-Montes ou de tantos outros. Para acompanhar, os americanos recomendam Vinho do Porto, vinho tinto ou marmelada.
7. As tripas à moda do Porto
É inegável que se trata de um dos pratos mais procurados do Porto. A CNN fala ainda das francesinhas.
8. Os pratos de arroz
Mais uma injustiça identificada – e muito bem – pela CNN: se a paella e o risotto são famosos internacionalmente, por que raio é que o arroz de marisco não é conhecido em todo o mundo? De facto, ninguém consegue replicar aquele maravilhoso arroz malandrinho, nem o delicioso sabor a alho, tomate e coentros, muito menos os suculentos nacos de lavagante, santola, gambas ou amêijoas.
Segundo a CNN, também vale a pena provar o fantástico arroz de pato, o maravilhoso arroz de cabidela ou o divinal arroz doce.
9. O presunto
Mais uma injustiça desmascarada pela CNN: Portugal tem o mais saboroso e suculento porco da Europa. O presunto de porco preto alentejano é tão bom ou melhor do que o presunto espanhol ou italiano.
10. Os pratos típicos regionais
É verdade: cada região tem um prato típico que é único e delicioso. A CNN destaca a sopa de cação do «Porto Santana», em Alcácer do Sal; as lulas do «Correia», em Vila do Bispo; o ensopado de enguias, do «Telheiro», em Aveiro; ou a perdiz do «Solar Bragançano», em Bragança. Convenhamos que é de quem conhece, de facto, o país.
11. O vinho
Espantoso. É esse o adjetivo que a CNN usa para qualificar a variedade de vinhos que tem um país tão pequeno como Portugal. Desde o vinho verde até ao vinho de Carcavelos, a estação de televisão fala de tudo.
12. A abertura ao mundo
Desde o século XV que Portugal influenciou e foi influenciado pelas mais variadas cozinhas internacionais. Foram os portugueses que levaram a tempura para o Japão ou o caril vinda alo para Goa. Em troca recebemos o frango assado com piripiri, a feijoada ou as especialidades de Angola, Moçambique e Cabo Verde.
13. O leitão
Da Bairrada, claro. A CNN fala do «Pedro» e da «Meta dos Leitões», na Mealhada, ou da «Casa Vidal», em Aguada de Cima. O melhor leitão da Bairrada é claramente o da «Meta», onde tudo é bom: o leitão com a pele estaladiça, o molho picante, a salada de alface e cebola, as batatas fritas fininhas e o fantástico vinho frisante da Casa Sarmentinho.
14. A fruta
As bananas da Madeira, o ananás dos Açores, as cerejas da Serra da Gardunha, as laranjas e os figos do Algarve, os melões do Tejo, as ameixas de Elvas, as maçãs Bravo Esmolfe e as meloas da Ilha Graciosa nos Açores merecem tudo. De facto, não há fruta como a portuguesa.
15. As sardinhas
A CNN está deslumbrada com os Santos Populares e as magníficas sardinhas assadas na rua. Não há dúvida de que é um programa imperdível. Mas se experimentarem as sardinhas fora da época dos Santos, entre julho e agosto, então, sim, vão comer um peixe inesquecível, gordo, saboroso e cheio de ovas.
16. Os petiscos mais estranhos
Da fantástica lampreia aos imperdíveis percebes, passando pelas línguas de bacalhau ou pelo pudim Abade de Priscos, a CNN ficou impressionada pelos petiscos exóticos portugueses. E nem provaram os ovos mexidos com mioleira.
17. Os mercados
Especialmente os mercados de frescos, com o peixe acabado de pescar, as frutas e os legumes das quintas ou as flores apanhadas diariamente.
18. Os rivais dos pastéis de nata
Não é que os pastéis de nata não sejam bons, é que a CNN descobriu os outros deliciosos bolos portugueses, como o bolo de mel da Madeira, o bolo de figo, amêndoa e alfarroba do Algarve, os pastéis de Tentúgal, o toucinho-do-céu ou as barrigas de freira.
19. Os pregos e as bifanas
São boas escolhas, mas francamente não estão entre as 20 melhores especialidades da cozinha portuguesa. A CNN destaca os pregos do «Ramiro», em Lisboa.
20. O cabrito e outros animais
A CNN diz – e muito bem – que a carne em Portugal não se resume ao porco e ao leitão. O cabrito é elogiadíssimo, tal como a chanfana de Coimbra, a carne Barrosã ou a vaca maronesa. Também se fala do javali, do veado e da lebre.

Obra literária “Viver com Alegria” apresentada em Mangualde

Maria Fernanda Silva vai apresentar o seu livro “Viver com Alegria” em Mangualde. Esta apresentação tem lugar no dia 13 de maio, pelas 18h, na Biblioteca Municipal Dr. Alexandre Alves. A autora nasceu em Mangualde, mais concretamente em Quintela de Azurara, e é professora aposentada, licenciada no 1.º ciclo.

O evento decorrerá com as diretrizes da DGS, tendo assim uma lotação limitada de 70 lugares, pelo que os interessados devem reservar lugar através do telefone 232 619 889.

 SINOPSE DO LIVRO:

Este é um livro de testemunhos. Dizem que as palavras convencem, mas os testemunhos arrastam.

Tenho fé que estes testemunhos de vida arrastarão multidões para a verdadeira felicidade.

Concurso quer dar a conhecer jovens chefs de Coimbra

A versão da avó e uma inovação de um prato tradicional de Coimbra. É isto que é pedido no concurso que vai eleger um jovem chef para representar a região numa competição europeia.

A iniciativa é organizada pela Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra em parceria com a Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra. “Numa fase inicial vai ser escolhido o ‘Jovem Chefe’ que vai representar a Região de Coimbra na fase europeia do concurso European Young Chef Award 2021”, a decorrer na região do Minho, em Novembro, explicou em conferência de imprensa o secretário executivo da comunidade, Jorge Brito.

A temática do concurso assenta na “Tradição e Inovação” e os cozinheiros vão ter de confeccionar um prato tradicional (entrada, prato principal ou sobremesa), e um outro, que é a inovação desse mesmo prato.

“A tradição e a inovação têm sido trabalhadas na nossa escola, nos cursos da área de gastronomia e culinária, respeitando os produtos e a tradição, naquilo que é a gastronomia regional e nacional. Temos vindo a preparar profissionais, cozinheiros e chefs nessa perspectiva”, disse o director da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, José Luís Marques.

Jorge Brito sublinhou ainda que espera que o projecto contribua para a retoma do sector turístico, “em particular da restauração, mas também para salvaguardar aquilo que é o património colectivo, as tradições”. O vice-presidente da comunidade, Carlos Monteiro, considerou o concurso como uma iniciativa que “desperta jovens valores e, numa perspectiva local, tem a vantagem de promover os temas alimentares locais, obrigando a trazer inovação às estratégias direccionadas para os produtos locais e para a sustentabilidade”.

O concurso é aberto aos alunos dos cursos da área de cozinha ou pastelaria, com idade compreendida entre os 18 e os 26 anos, ou àqueles que, cumprindo o critério de idade, tenham terminado o percurso de formação em Cozinha/Pastelaria há menos de um ano (relativamente à data do concurso) e sejam oriundos de um dos 19 concelhos que integram a Região de Coimbra.

Os participantes serão avaliados por sete jurados. As inscrições são gratuitas e deverão ser efectuadas através da ficha de inscrição disponível no site do concurso, onde constam as normas de participação, a partir do dia 28 de Abril de 2021.

Este projecto é apoiado no âmbito do Programa Valorizar do Turismo de Portugal. A iniciativa está integrada na distinção “Região de Coimbra: Região Europeia de gastronomia 2021-2022”.

Lusa

Autarquia de Mangualde dinamiza várias atividades culturais

Atividades culturais decorrem entre os meses de maio e agosto, em diferentes locais da cidade e do concelho de Mangualde

É já nos próximos meses que a Câmara Municipal de Mangualde promove um conjunto de eventos culturais para todos os mangualdenses. As atividades são de diversas tipologias e decorrem durante os meses de maio, junho, julho e agosto em diferentes pontos da cidade e do concelho. Estes eventos decorrerão de acordo com todas as recomendações e regras da DGS, de forma a garantir a segurança de todos os envolvidos. Algumas destas atividades enquadram-se no Projeto intermunicipal “Cultura no Dão” financiado pelo Programa Operacional Regional do Centro 2020.

APRESENTAÇÃO DE LIVROS NOS DIAS 13 E 21 DE MAIO, NA BIBLIOTECA MUNICIPAL

No âmbito do Mês do Autor Português serão apresentados, na Biblioteca Municipal Dr. Alexandre Alves, os livros “Viver com alegria” de Maria Fernanda Silva, no dia 13 de maio e “A vida num roteiro” de Pedro Coelho, no dia 21 de maio. Ambas as apresentações têm início às 18h00.

CONCERTO DEDICADO À MÃE NO DIA 23 DE MAIO, NA IGREJA DO COMPLEXO PAROQUIAL

A orquestra POEMa protagonizará um concerto dedicado a todas as Mães, no dia 23 de maio, às 16h00, na Igreja do Complexo Paroquial de Mangualde. Esta iniciativa contará ainda com a participação do Coro Misto do Conservatório Regional de Música de Viseu.

DRIVE-IN NOS DIAS 25 E 26 DE JUNHO, NA SOPÉ DO MONTE DA SRA. DO CASTELO

A iniciativa desenvolve-se com a parceria da Associação Juvenil Jovens do Castelo que ajudará a garantir o cumprimento das regras recomendadas pela DGS. A atividade será gratuita, terá lugar no sopé do Monte da Sra. do Castelo e será realizada nos dias 25 e 26 de junho de 2021. Ambas as sessões terão início às 21h30.

“EM QUARTO CRESCENTE” ENTRE OS DIAS 14 A 17 DE JULHO, NO LARDO DR. COUTO

Evento cultural em formato de Café-Concerto com livros, leituras, cinema, teatro, música e dança que decorre entre 14 e 17 de julho, no Largo Dr. Couto, a partir das 21h30.

“ITINERÂNCIAS DA LUA” ENTRE OS DIAS 18 A 20 DE JULHO, EM CHÃS DE TAVARES

O mesmo formato do “Em Quarto crescente” nas noites de 18 a 20 de julho em Guimarães de Tavares, a partir das 21h30.

“VERÃO ESTRELAS” NOS DIAS 6, 7 E 8 DE AGOSTO, NA SERRA DAS POUSADAS

Os Mangualdenses têm a possibilidade de deslumbrar-se com as estrelas, nos dias 6, 7 e 8 de agosto, na Serra das Pousadas em Guimarães de Tavares, a partir das 21h30.

Póvoa Dão: Mato limpo, mas vazia

Um empreendimento icónico, na Beira Alta: A aldeia recuperada Póvoa Dão,no concelho de Viseu.

A lente do nosso colaborador, Pedro Mateus, na passada sexta feira, 23 de abril, captou várias imagens, que falam por si, apenas como uma legenda: “O mato estava limpo, mas não vi ninguém”.

This slideshow requires JavaScript.

 

 

Porbatata lança site dedicado à Miss Tata

No Dia da Produção Nacional, Associação da Batata de Portugal lança página para divulgar a marca que promove a batata portuguesa.

A Porbatata, Associação da Batata de Portugal, lança hoje, Dia da Produção Nacional, um novo site dedicado à Miss Tata, a marca coletiva que promove a batata portuguesa no mercado nacional e internacional.

Na nova plataforma, a Porbatata irá divulgar todas as novidades sobre a Miss Tata, incluindo as iniciativas que estão previstas no âmbito da estratégia de Promoção da Batata Portuguesa nos Mercados Externos, um projeto apoiado pelo Portugal 2020/Programa Operacional Competitividade e Internacionalização.

Novas receitas, da autoria do Chef Leandro Mesquita, prometem também aguçar o apetite e surpreender os consumidores, mostrando a versatilidade da Miss Tata.

O projeto de Promoção da Batata Portuguesa nos Mercados Externos abrange Espanha, Alemanha, Holanda, Cabo Verde, França, Bélgica e Luxemburgo. Além da participação em eventos internacionais e da realização de ações de promoção, prevê-se a realização de um Concurso Internacional da Batata Portuguesa em França.

“Este é mais um passo para aproximar a Miss Tata dos consumidores e promover o consumo da batata portuguesa. O site será um canal dinâmico, atualizado e intuitivo associado à marca coletiva da batata nacional”, diz Sérgio Ferreira, presidente da Porbatata.

www.porbatata.pt/misstata

Sobre a PORBATATA
Fundada a 28 de setembro de 2016, a PORBATATA – Associação da Batata de Portugal é uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo promover a batata portuguesa como um alimento saudável e diferenciado, destacando as suas características únicas. Com sede na zona Oeste, na Lourinhã, representa os interesses de toda a fileira em Portugal e é uma voz única e ativa do sector, unindo a batata semente, a produção, a comercialização e a indústria. Representa mais de metade dos produtores de batata em Portugal e conta com mais de meia centena de associados.

CIM Viseu Dão Lafões promoveu  “O Megalitismo como Alavanca do Turismo Cultural”

Esta segunda-feira (dia 26 de abril), pelas 10H30, teve lugar o webinar “O Megalitismo como Alavanca do Turismo Cultural”.

Promovido pela Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, desenvolvido numa parceria com o Turismo de Portugal, este seminário procurou debater o megalitismo numa lógica da sua preservação e promoção enquanto produto turístico de excelência.

Entre os oradores, este fórum contou com a participação do Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões, Nuno Martinho; de António Faustino Carvalho, arqueólogo e especialista em pré-história da Universidade do Algarve; e, ainda, de Pedro Sobral Carvalho, arqueólogo na EON – Indústrias Criativas.

Este seminário reuniu mais de 80 pessoas, onde se destaca, também, a presença de investigadores do país vizinho (Espanha).

Recorde-se que no âmbito do megalitismo, a CIM Viseu Dão Lafões, em associação com o Município de Sever do Vouga, dinamiza o projeto  “MEG Rota do Megalitismo da Região Viseu Dão Lafões e Sever do Vouga”, cujo objetivo passa por ativar uma oferta turística regional suportada em vinte e seis dos mais emblemáticos monumentos megalíticos do território.

De acordo com o Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões, Nuno Martinho, “O Megalitismo, se devidamente valorizado, agrega um elevado potencial de desenvolvimento e atratividade aos territórios. Tendo em conta que Viseu Dão Lafões concentra o maior conjunto de dólmens com pinturas e atendendo a que a CIM tem a ambição de desenvolver uma proposta turística de excelência no seu território, este seminário enquadra-se, também, numa estratégia de partilha de conhecimentos e capacitação de agentes para a valorização deste exclusivo produto endógeno, com um elevado potencial de crescimento se trabalhado numa lógica intermunicipal e articulado com outros recursos do Turismo Cultural”.

 

POCentro 2020 aprova apoios para projetos de âmbito cultural na Região

Região Centro conta com 18,4 milhões de euros para a programação cultural em rede.

Tradição da Serra ao Mar em Oliveira do Hospital, iniciativa que envolve um investimento (comparticipado) de 297 mil euros.

Alto Mondego’ Rede Cultural em Nelas, iniciativa que envolve um investimento (comparticipado) de 286 mil euros.

Cultura no Dão em Mangualde, iniciativa que envolve um investimento (comparticipado) de 290 mil euros.

O Programa Operacional Centro 2020 aprovou 65 candidaturas para a programação cultural em rede, que representam um investimento total de 19,2 milhões de euros e uma comparticipação de fundos europeus de 18,4 milhões de euros. O montante total já aprovado representa um reforço de 6,7 milhões de euros face à dotação inicial do aviso de concurso (11,7 milhões de euros).

Estes projetos são uma resposta para a retoma e manutenção das atividades culturais e artísticas, tendo em conta os prejuízos decorrentes da suspensão total ou parcial de atividade no contexto da pandemia COVID-19.

Para Isabel Damasceno, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), “este conjunto de aprovações representa um esforço significativo do Programa Regional do Centro, financiando a 100% a realização de eventos e iniciativas culturais. É mais um contributo para que os diversos agentes culturais da região possam ultrapassar os fortes constrangimentos decorrentes da pandemia”.

Os apoios concedidos destinam-se a investimentos que visem promover a dinamização, promoção e desenvolvimento do património cultural, enquanto instrumento de diferenciação e competitividade dos territórios, designadamente através da sua qualificação e valorização turística. O objetivo é aumentar a atratividade das regiões e a sua dinamização económica, mas também garantir o acesso à cultura para todos os cidadãos e criar novos públicos.

São beneficiários destes apoios os municípios (em rede ou parceria), as comunidades intermunicipais, entidades privadas sem fins lucrativos e agentes culturais.

Nota de Imprensa da CCDRC

Livros de sonho no Dia Mundial do Livro, por Vítor Santos

A 23 de abril celebra-se o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, dia ideal para ler e/ou partilhar um livro com outras pessoas e para conhecer novos livros pelos quais se pode apaixonar.
A UNESCO instituiu em 1995 este dia e a data foi escolhida por ser um dia importante para a literatura mundial – foi a 23 de abril de 1616 que faleceu Miguel de Cervantes e a 23 de abril de 1899 que nasceu Vladimir Nabokov. O dia 23 de abril é também recordado como o dia em que nasceu e morreu o famoso escritor inglês William Shakespeare.
O Direito de Autor é um direito de cultura, e do seu respeito depende a sobrevivência desta. É um dos Direitos do Homem, como tal proclamado na respetiva Declaração Universal dos Direitos Humanos, é fundamental para estimular e favorecer a atividade criadora dos homens, permitir a difusão de ideias e facilitar o acesso do público em geral às obras intelectuais.
Encontrar o livro certo, no momento certo, para a pessoa certa, é um momento para toda a vida e inesquecível. É o mais importante da leitura. Mesmo no mundo de hoje, informatizado, invadido por imagens, a leitura é insubstituível e os outros suportes apenas a podem completar.
O prazer de ler um livro que nos motiva, que nos «agarra», perdurará no tempo e ficará sempre como um dos livros da nossa vida. São poucos os objetos que transportamos ao longo da vida. Os livros acompanhar-nos-ão sempre.
Portugal é um país onde se lê pouco e em que o hábito de ler deve ser estimulado na infância, para que se aprenda desde pequeno que ler é algo importante e prazeroso, assim ele será um adulto culto, dinâmico e perspicaz. Não se pode deixar de dar razão a António Lobo Antunes que referiu em 2003: “A cultura assusta muito. Um povo que lê nunca será um povo de escravos.”
A leitura é algo crucial para a aprendizagem do ser humano, pois é através dela que podemos obter conhecimento, dinamizar o raciocínio, enriquecer nosso vocabulário, e a interpretação. Não ter paciência para ler um livro, isso acontece por falta de hábito, pois se a leitura fosse um hábito as pessoas saberiam apreciar um bom livro, uma boa história.
Em nossa sociedade, ler, tem uma função primordial de despertar e proporcionar conhecimentos básicos que venham contribuir para construção integral da vida em sociedade e para o exercício da cidadania.
Milan Kundera em «A insustentável leveza do ser» escreveu: “gostava de passear na rua com livros debaixo do braço. Eram para ela o que a elegante bengala era para um dândi do século passado. Eles a distinguiam das outras”.
Ao longo da história da humanidade, o hábito de ler representa um sinal distintivo, de dignidade e saber.
Hoje (23 de abril) é oportuno perguntar: Que livros leram?! Que livros vão ler?!
A leitura, para a minha geração, começou na banda desenhada (para termos acesso a uma maior quantidade de livros e como não tínhamos dinheiro para os comprar, íamos trocá-los a quiosques), e pelos clássicos infanto-juvenis como “As aventuras dos sete”, “O principezinho”, “O meu pé de laranja lima”, “1001 léguas submarinas” e diversas coletâneas de histórias.
É na adolescência – uma extraordinária etapa na vida de todas as pessoas, que a pessoa descobre a sua identidade e define a sua personalidade e onde os livros que lemos são um importante meio de transmissão de cultura e informação, e elemento fundamental nesse processo. Recordo, entre muitos, a leitura de “Os filhos da droga” Christiane F, “Capitães de Areia” de Jorge Amado, “1984” de George Orwell, “O nome da Rosa” de Umberto Eco, “O Diário de Anne Frank” de Anne Frank, “A insustentável leveza do ser” de Milan Jundera.
São várias as coleções que estimo e autores como Fernando Pessoa, Aquilino Ribeiro, Alberto Moravia, Miguel Esteves Cardoso, Vergílio Ferreira são obrigatórios na «minha» biblioteca.
O livro “Quem alinha? Desporto com valores” (edição da Afrontamento em parceria com o PNED/IPDJ) é um livro que vos recomendo. Ilustrado por Dina Sachse e textos de António Mota, José Jorge Letria, José Fanha, Sandra Torres entre outros. O “Ronaldo da natação” ou a “Bola adormecida” são contos que se encontram neste livro e que são deliciosos.
Um livro de contos sobre a importância dos valores no desporto, como a cooperação, amizade, respeito, verdade, perseverança, entre outros. Não podia ser melhor para a época que vivemos.
“Educar o sonho: ética e envolvimento parental na prática desportiva” é o título do livro de Vítor Santos. Com prefácios de José Lima (Coordenador do Plano Nacional de Ética Desportiva) e de João Luís Esteves (Doutorado em desporto e ex-jogador profissional de futebol) o livro tem ainda a proémios de Júlio Garganta (Centro de Investigação, Formação, Inovação e Intervenção em Desporto da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto), de Duarte Gomes (ex-árbitro internacional e atual comentador de arbitragem) e de Rui Miguel Tovar (jornalista e comentador do programa Grandiosa Enciclopédia do Ludopédio da RTP) o livro tem a chancela da Chiado Editora.
Trata-se de uma seleção de artigos publicados em vários Órgãos de Comunicação Social, entre os quais o nosso jornal, e revistos para esta edição. O tema da ética e do envolvimento parental na prática desportiva dos filhos são a base deste livro que aborda ainda temas do impacto do despovoamento do interior no desporto, arbitragem, homenagem a João Manuel, profissional de futebol já falecido, entre outros. O livro contém ainda um caderno pedagógico sobre a participação dos pais na prática desportiva.
Vítor Santos, nasceu em Viseu em 1967, foi praticante desportivo em várias modalidades e treinador de futebol de formação, concilia assim a prática desportiva com a escrita e propõe-nos neste livro várias reflexões desde comportamentos e valores do desporto até à importância do desporto na sociedade. Atualmente tem realizado comunicações no âmbito da ética desportiva no país e estrangeiro.
Nos prefácios, José Lima escreve “Preocupado com a situação atual do desporto de formação e crítico com o futebol profissional, Vítor Santos leva-nos para uma reflexão provocadora do triângulo do desporto de formação: o atleta, os pais e o clube/treinador” e que “O autor, por outro lado, deixa um manifesto, de certa forma político, ao abordar a desertificação do interior e a falta de recursos como aspetos limitativos do desenvolvimento desportivo no interior”.
Para Duarte Gomes “O Vítor Santos escreveu uma obra deliciosa sobre o papel dos pais no envolvimento desportivo dos seus filhos. Trata-se de um livro especial, escrito por quem se dedicou, de corpo e alma, a um tema tão importante quanto sensível. De leitura obrigatória para todos os que, como nós, privilegiam os valores e a ética no desporto.”
Por sua vez João Luís Esteves refere “Importa referir que o livro não se limita a tocar em aspetos menos positivos do comportamento de Pais e Treinadores, ele promove, concomitantemente, a profilaxia destes comportamentos acendendo luzes orientadoras para este difícil processo de formação através do Desporto”, rematando com “Estamos, assim, perante uma obra de leitura obrigatória para todos os que intervêm, direta ou indiretamente, no processo de formação de futuros Homens através do Desporto”. Júlio Garganta no seu proémio afirma “Crianças e jovens, quando chegam para que os ajudemos a ser melhores, trazem consigo sonhos. Esses sonhos correm o risco de se transformarem em deceções e frustrações, quando não são devidamente enquadrados ou, como diz o Vítor Santos neste livro, educados”.
Vítor Santos
Embaixador do PNED

Oliveira do Hospital comemora 47.º aniversário do 25 de abril

O Município de Oliveira do Hospital assinala, durante os próximos dias, o 47.º aniversário do 25 de Abril de 1974 com a dinamização de várias iniciativas cujo ponto alto acontece com a sessão solene evocativa, no domingo a partir das 10H30 nos Paços do Município, antecedida pelo hastear da bandeira com interpretação do Hino Nacional com guarda de honra.

A sessão contará com as intervenções do presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, da presidente da Assembleia Municipal, Dulce Pássaro, e dos representantes dos partidos com representação na Assembleia Municipal. Durante a mesma, que decorrerá de forma presencial com o cumprimento das regras da DGS e será transmitida nos canais de comunicação da autarquia, terão lugar alguns apontamentos musicais com os jovens Rafael Abrantes e Ângelo Miguel.

Durante o dia, no Largo Ribeiro do Amaral e no Jardim Oliveira Mano, os munícipes podem visitar a exposição temática infantil “25 de Abril, 32 Anos, 32 Perguntas” e do livro “O Tesouro”; bem como os trabalhos dos artistas residentes que estão, durante o fim de semana, a participar no Montanhas d’Artes – Festival de Artes de Oliveira do Hospital.

Do programa comemorativo faz parte também um concerto da Orquestra Sem Fronteiras no dia 24 de abril, às 21H00, na Igreja Matriz de Oliveira do Hospital (e que terá transmissão ao vivo na página de facebook da autarquia). Este concerto de primavera assinala a estreia nacional e europeia da obra Letters to Friends, de Giya Kancheli, interpretada pelo solista André Gaio Pereira. Do programa faz parte também a Serenata para Cordas de Tchaikovsky, sendo que a entrada para este concerto é livre, mas sujeita ao levantamento prévio de bilhete na receção da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital.

A Orquestra Sem Fronteiras, que tem direção de Martim Sousa Tavares, foi fundada em Idanha-a-Nova em 2019 e tem como missão a promoção do talento jovem nacional, agrupando músicos naturais e residentes no interior do nosso país, ao mesmo tempo que investe na descentralização da programação cultural.

Até ao final do mês estão patentes diversas exposições temáticas nas escolas do concelho bem como no Museu Municipal Dr. António Simões Saraiva, na Bobadela, que este ano assinala 16 anos de atividade.

Também as Bibliotecas Públicas Municipais se encontram a dinamizar diversas iniciativas relacionadas com a Revolução dos Cravos dirigidas aos públicos de todas as idades. Destaque para os vídeos das leituras diárias “30 leituras, 3 gerações” (que podem ser acompanhadas na página de facebook Rede de Bibliotecas de Oliveira do Hospital); as “Leituras da Liberdade” na Rádio Boa Nova ou as Leituras encenadas com a professora Ana Reis no âmbito do projeto Biblioteca no Lar.

De referir ainda que entre os dias 23 e 25 de abril se realiza a 1.ª edição do Montanhas d’Artes – Festival de Artes de Oliveira do Hospital, promovido pela Liga de Iniciativa e Melhoramentos de Travanca de Lagos em parceria com o Município de Oliveira do Hospital, a Associação de Arte e Imagem de Seia, a Cooperativa Cultural Artistas de Gaia, com o apoio da Direção-Geral das Artes. O Festival surge no seguimento da Exposição Coletiva de Artes Plásticas, promovida pela autarquia desde 2014, e durante o fim de semana celebrará as artes plásticas com uma vasta programação que inclui uma exposição coletiva, performances e residências artísticas.

Programa completo em:

https://issuu.com/municipiodeoliveiradohospital/docs/programa_25_abril_2021

Município de Oliveira do Hospital, 22 de abril de 2021