Slackline em Nelas marca arranque da Rede Cultural do Alto Mondego

– “Andorinhas” estreia sábado em Nelas e conta com 22 elementos da comunidade

É a contagem decrescente para o pontapé de saída da 2ª edição da Rede Cultural do Alto Mondego. O primeiro espetáculo é já no sábado, 3 de julho, em Nelas e os grandes protagonistas são as associações culturais e a comunidade. No total, sobem ao palco 22 nelenses e mangualdenses. “Andorinhas” é o nome desta criação artística que teve como ponto de partida a realidade do território. Os espectadores podem contar com uma performance completamente fora de caixa e muito inovadora. Será “um teatro em cima de fitas” em que os participantes terão muitas histórias para contar, numa homenagem ao Mondego e num apelo às memórias.  O espetáculo, marcado para as 21h30, é ao ar livre, junto à Praça do Município, assegurando-se todas as medidas de segurança indicadas pelas DGS. Este é o primeiro de 7 espetáculos de slackline previstos, nos concelhos de Nelas, Mangualde, Fornos de Algodres e Gouveia.

Fica a promessa: Nunca viu nada assim. O palco são as fitas e é aí que serão revelados todos os segredos do Mondego: o maior dos rios portugueses. O ponto de partida para esta construção artística resulta da realidade do território das Beiras, fortemente marcado pela migração. Muitos partiram à procura de melhores condições de vida, mas, tal como as andorinhas, regressam todos os verões. “Andorinhas” fala assim de despedidas e de reencontros, das festas e das romarias, mas também dos costumes e das vivências, das lendas e dos mitos, do real e do imaginário. “O espetáculo remete para a memória e cada espectador será convidado a criar a sua própria história”, explica Rui Mimoso, capacitador de slackline.
O espetáculo original resulta das aulas de capacitação de slackline. Previsto estão, nesta primeira fase, sessões de capacitação em todos os municípios da rede que irão originar novos espetáculos. Em Nelas e Mangualde as sessões já estão a decorrer. No início do próximo mês arrancam também em Fornos de Algodres e Gouveia. Depois, o objetivo é promover a itinerância dos espetáculos por esta rede cultural. No total serão realizados 7 espetáculos, o próximo é já no dia 3 de julho em Nelas.

Participantes das capacitações deram um grande pulo
Das sessões de capacitação, que juntam associações culturais do território e elemento da comunidade, Rui Mimoso faz um balanço muito positivo. Caso para dizer que os participantes deram um grande pulo. “Estão a evoluir muito rápido e a consolidar o que aprenderam”. Das capacitações que já arrancaram o mais novo tem 7 anos e o mais velho 49, mas a grande maioria são jovens. “Para além dos benefícios que esta prática desportiva pode trazer para todos eles, o envolvimento neste espetáculo tem contribuído para estimular o sentimento de pertença. Percebem o que é que a sua terra tem de diferente e todo o potencial que tem. Aprendem a valorizar o seu território”, sublinha.
Recorde-se que as sessões de slackline estão a ser orientadas pelo profissional Rui Mimoso, campeão nacional de slackline. O slackline é um desporto que consiste prática de equilíbrio sobre uma linha dinâmica, esticada entre dois pontos fixos. O praticante pode caminhar sobre ela ou fazer manobras e truques, dinâmicos ou estáticos. O principal objetivo desta capacitação é dar conhecimentos técnicos para a prática da modalidade como ferramenta artística. Capacitar os participantes com um know-how que lhes permita montar, usar e praticar slackline com todos os equipamentos de forma segura e variada.

Dança, música, arte urbana há muitas capacitações previstas

Envolver as associações culturais e a comunidade é uma das máximas desta rede cultural. Neste sentido estão previstas capacitações nas áreas da dança, música e arte urbana.
Na arte urbana, já em agosto, as associações e a comunidade vão juntar-se ao artista plástico Desy para criar 4 murais, representativos desta rede cultural e que representarão a identidade destes 4 territórios.
Para 2022 os desafios são nas áreas da música e da dança. Pretende-se envolver as associações culturais e criar, em cada área, um espetáculo original que partirá em itinerância pelos 4 municípios num total de 8 espetáculos cada.  O primeiro será dirigido por Bitocas e Artur Fernandes e o segundo por Marta Silva.

Acompanhe em primeira mão todas as novidades na página do facebook da Rede Cultural do Alto Mondego.

O projeto “Alto Mondego Rede Cultural” junta os municípios de Nelas, Mangualde, Fornos de Algodres e Gouveia e é cofinanciado pelo Centro 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.