Estala o verniz no CF Carregal do Sal. Comunicado da direção cessante

Clube de Futebol de Carregal do Sal

Comunicado da Direcção cessante

Em face do ruído que surgiu subitamente quanto à não continuidade da actual Direcção cessante do Clube de Futebol de Carregal do Sal, faz a mesma saber o seguinte:

1. Após o anterior Presidente da Direcção do Clube, Gonçalo Abrantes, há 4 anos atrás, ter manifestado a intenção de sair da Direcção do Clube, os restantes membros da Direcção manifestaram também vontade de sair, o que acabou por não acontecer porque, entretanto, aquele convidou o actual Presidente, Paulo Catalino, para assumir a Direcção, tendo a equipa então formada assumido o compromisso com o Clube por mais 2 anos.

2. Foram prioridades e objectivos assumidos pela Direcção em Junho de 2017:

– Encontrar melhores condições de habitabilidade e alimentação dos atletas, custeando grande parte das respectivas despesas, tais como rendas e alimentos;

– Realizar obras de remodelação nas infra-estruturas de apoio à actividade desportiva, por forma a converter as duas salas anteriormente utilizadas como dormitórios numa sala de reuniões e numa sala para uso das camadas de formação; remodelar o espaço que era apelidado de “cozinha” e dotá-lo das condições de higiene e salubridade necessárias; remodelar o bar do clube, dotando-o também das condições de conforto, higiene, segurança necessárias, e que não existiam; remodelar a lavandaria e a zona técnica para arrumação do material das camadas jovens, cujos espaços se encontravam degradados e eram exíguos; remodelar as casas de banho, que se encontravam em condições deploráveis, não reunindo as mínimas condições de higiene, sendo impensável que as mesmas fossem utilizadas por quem que seja;

– Aquisição de diverso mobiliário de escritório, sobretudo para a criação da sala da formação das camadas jovens e sala de reuniões, que não existiam até então, dotando-as de secretárias, mesas, estantes, cadeiras, impressora e computador;

– Aquisição de novos equipamentos para a sala de tratamentos, utilizados na reabilitação física de forma a permitir uma melhor performance dos atletas, evitando assim custos acrescidos e a contratação de serviços externos;

– Aquisição de diversa maquinaria nova necessária para tratar dos equipamentos desportivos utilizados pelos atletas, como máquinas de lavar e secar roupa, o que até então era assegurado por máquinas velhas e obsoletas, que necessitavam de reparações constantes, com custos para o Clube e que perturbaram o normal funcionamento da estrutura;

– Aquisição dos electrodomésticos necessários para equipar a cozinha, nomeadamente frigorífico, micro-ondas, fogão, exaustor, esquentador, móveis, banca e TV, evitando-se assim os custos das reparações constantes e do normal funcionamento do Clube.

3. Tudo isto com vista a melhoria das condições das infra-estruturas e assim dignificar e potenciar a prática desportiva dos nossos cerca de 150 jovens atletas. O que foi conseguido!

4. Foi também objectivo da Direção investir na aquisição de LEDs para os holofotes do estádio, o que se conseguiu a expensas próprias e com o apoio do IPDJ, permitindo diminuir em cerca de 50% o consumo energético e o valor das contas, situação que aproveitou não apenas a Direcção cessante, mas também as vindouras, e que constituiu um passo importante na protecção do nosso meio ambiente.

5. Todas estas medidas, trabalhos e aquisições, absolutamente essenciais e indispensáveis a qualquer associação com a dimensão do Clube de Futebol de Carregal do Sal, e em pleno século 21, comportaram, naturalmente, gastos na ordem dos 50 mil euros.

6. O que foi possível graças aos apoios prestados pelo IPDJ (que custearam uma parte dos investimentos realizados), bem como a patrocínios de entidades privadas, tudo perfazendo cerca de 30 mil euros, tendo o Presidente do Clube emprestado o valor residual de 18.800 mil euros (estando actualmente em dívida 15.000,00 €), o que o clube muito agradece, já que o fez de forma gratuita (sem juros) e sem prazo convencionado.

7. Pois, não é normal alguém emprestar dinheiro, neste caso a um Clube, para que o mesmo possa honrar os seus compromissos, e que em vez de ser agraciado com esse gesto nobre, só ao alcance de muitos poucos, seja, pelo contrário, apontado como um agiota malfeitor, que apenas pretende protagonismo e destruir o clube.

8. Em fevereiro 2019, o Sr. Rogério Abrantes, na qualidade de Presidente da Câmara Municipal de Carregal do Sal, sabendo de antemão que a Direcção não tinha intenção de continuar em funções, deslocou-se às instalações do Clube e solicitou um esforço extra à equipa de então para cumprir mais um mandato de 2 anos, de forma a colaborar e acompanhar as obras da nova bancada e balneários do clube.

9. Curiosamente, nessa altura, com as obras realizadas e equipamentos já adquiridos, não foram lançadas à Direcção quaisquer acusações de má gestão, antes pelo contrário, houve sim reconhecimento pelo trabalho realizado, tendo inclusive o Sr. Rogério Abrantes sugerido à Direcção que dirigisse à autarquia um pedido de apoio financeiro, através da medida 6 do regulamento das associações, para ajudar na comparticipação do investimento feito até então. O que a Direcção fez, mas não teve qualquer tipo de acolhimento pela autarquia.

10. Estranha-se que 2 anos volvidos desde então, e depois de se ter melhorado substancialmente o activo do Clube e bem assim as condições para a prática desportiva dos atletas, se venha atirar areia para os olhos dos sócios, desconhecendo-se as reais e verdadeiras intenções de tal comportamento, e percebendo-se que o que está em causa não é o futuro do Clube.

11. O Clube de Futebol de Carregal do Sal sempre teve, ao longo dos anos, passivo, e assim aconteceu também no tempo das Direcções anteriores, apenas com os custos inerentes às equipas seniores e sem qualquer obra visível.

12. Ademais, cumpre esclarecer que o Clube de Futebol de Carregal do Sal não apresenta actualmente qualquer dívida a fornecedores, treinadores, atletas, Finanças, Segurança Social, Associação de Futebol de Viseu, GNR ou a qualquer outra entidade com quem se relaciona.

13. O Clube de Futebol de Carregal do Sal tem obra realizada e visível nas suas instalações, que em muito valorizam e dignificam o Clube, os sócios, os atletas e toda a comunidade de Carregal do Sal. Obra essa que, infelizmente e dada a simplicidade da contabilidade do Clube, não se encontra reflectida nas contas, como incremento patrimonial de grande valor.

14. A autarquia, em face do investimento que foi feito no Clube, poderia e deveria ajudar a financiar as obras e os melhoramentos que aqui foram realizados, tanto mais que ainda está em vigor um contrato de comodato celebrado entre o Clube e o Município de Carregal do Sal, no qual se encontra prevista a obrigação da autarquia proceder a todos os trabalhos de reparação e manutenção do estádio, sendo certo que este Clube nunca recusou a cedência das suas instalações a outras colectividades do concelho.

15. A autarquia podia e deveria ter apoiado as obras imprescindíveis do Clube, como fez transparecer que iria fazer no dia em que solicitou que esta Direcção continuasse à frente dos seus destinos. Podia e deveria ter atribuído ao Clube a verba relativa ao subsídio da época 2020/2021 na sua totalidade, como fez com outras associações do concelho relativamente ao ano de 2020, mesmo não tendo realizado a totalidade das suas actividades nesta época pandémica, como, aliás, o fez com as restantes associações, exceptuando o Clube de Futebol de Carregal do Sal.

16. Podia ter feito a aquisição de um terreno propriedade do Clube, que ficou descontinuado com a abertura do novo arruamento, que a autarquia referiu ter interesse para um futuro espaço de lazer, em complemento de uma futura urbanização da área envolvente. Apesar da insistência informal e formal no mesmo, e sem prejuízo da decisão dos sócios, que ainda seria necessário obter em Assembleia Geral, fomos recentemente informados pela autarquia que o negócio carecerá da realização de uma avaliação a efectuar ao terreno, e ficará para momento oportuno.

17. A Direcção cessante tinha previsto sair em 2019, ficou mais um mandato a pedido do Sr. Presidente de Câmara.

18. A Direcção cessante informou em devido tempo que não se recandidataria e, por isso, não entende porque é que apenas o Presidente da Direcção tinha de fazer pontes para encontrar nova direcção, esquecendo o Sr. Presidente da Mesa da Assembleia, Vasco Jorge, que o esforço deve ser colectivo, inclusive da sua pessoa, dado ser essa uma das suas atribuições e à semelhança do que já fez no passado, nessa mesma qualidade.

19. Esta Direcção, sabendo que a maioria dos elementos não iria continuar para além do ano de 2021, desde o início do seu mandato começou por fazer/estabelecer pontes, atribuindo as funções que tipicamente estavam confiadas ao núcleo duro da Direcção a outras pessoas do staff do Clube e de Direcções anteriores, mas que neste momento também não se encontram disponíveis para continuar.

20. A Direcção lamenta que pessoas com grandes responsabilidades com o Clube, ao invés de estarem gratos e incentivar a participação dos sócios na gestão do clube, sejam aqueles que, infelizmente, agora mais têm contribuído para o vazio directivo de uma colectividade importante e imprescindível para o nosso Concelho.

21. Lamenta ainda esta Direcção o comunicado que o Sr. Presidente da Mesa da Assembleia fez publicar nos meios de comunicação social do Município de Carregal do Sal, sem antes dar conhecimento do mesmo à Direcção cessante e ao Conselho Fiscal, como também não deu conhecimento aos restantes elementos da Mesa com quem foi eleito, actuando de forma singular, e sem cuidar de utilizar os meios do próprio Clube para divulgar aquele comunicado.

Carregal do Sal, 16 de Junho de 2021.

A Direcção Cessante