Dia Mundial de Criança. Um olhar sobre as Africanas

As maiores taxas de mortalidade infantil continuam a verificar-se em ÁFRICA.

O Uganda é apontado como um dos exemplos de sucesso no combate à mortalidade infantil. O facto de cada vez mais mulheres realizarem o parto em  hospitais foi um importante contributo para a redução de mortes imediatamente após o nascimento.

Mas a maioria dos países do continente não conseguiram reduzir a mortalidade e os números continuam assustadoramente altos. A Organização Mundial de Saúde estima que na África sub-sariana morrem oito crianças com menos de cinco anos a cada minuto, com países a apresentar taxas de 100 e 200 óbitos por cada mil nascimentos.

Neste Dia Mundial da Criança,o nosso jornal presta uma grande homenagem a todas as crianças do mundo, que são o garante do seu futuro, e quem mais deve ser protegido. No nosso país há um grande desafio de aumentar a natalidade. Muitas políticas falta para que este desiderato seja alcançado.
José Miguel Silva
DIRETOR