Problemas da habitação social em Mangualde começam a ser resolvidos

Após um trabalho consistente junto das famílias que foram contempladas pelo concurso de Habitação de Arrendamento Acessível em Mangualde, o Mangual em Movimento, em articulação com a Comissão Coordenadora Distrital de Viseu do Bloco de Esquerda, soube que a própria Diretora de Gestão do Norte do IHRU, Ana Cruz, com o Vogal do Conselho Diretivo do IHRU, Luís Gonçalves, se dirigiram ao complexo habitacional para atestar, in loco, a veracidade das queixas e das reclamações dos moradores/moradoras, para além dos comunicados do Bloco de Esquerda e das intervenções parlamentares a que estas queixas e reclamações deram origem, nomeadamente pela deputada Maria Manuel Rola.

É de destacar que esta visita institucional do topo hierárquico do IHRU é precedida da saída de duas famílias que habitavam os apartamentos. Uma das casas entregues continua sem condições de habitabilidade, com infiltrações de água que inviabilizam divisões inteiras devido à acumulação de humidade. Apesar das várias intervenções, ainda há problemas estruturais por resolver, como é o caso da eficiência energética da falta de soluções de climatização e do sistema de aquecimento de água pensado para o uso de painéis solares, sem que estes existam, tendo como consequência o consumo excessivo de eletricidade.

A visita teve ainda como consequência a disponibilidade – da parte do instituto – para a mudança de apartamento, de um primeiro andar para um rés-do-chão, de uma moradora com mobilidade reduzida. Cá estaremos para verificar se a promessa é cumprida.

Esta visita constitui a prova de que é possível, trabalhando-se em conjunto e em proximidade, tendo em vista a resolução dos problemas concretos dos e das mangualdenses – principalmente dos que aparentemente “não têm voz” e/ou poder -, obterem-se resultados que mudem realmente o estado de coisas em prol da(s) comunidade(s) e das suas necessidades sociais.

A visita da Diretora de Gestão do Norte do IHRU é resultado do trabalho do Mangual em Movimento em conjunto com o Bloco de Esquerda, mas não deixa de ser, também, o prenúncio de uma nova fase que esperamos ver agora começar. E que agora se possam começar a resolver, paulatinamente mas sem adiamentos incompreensíveis, os problemas estruturais associados aos prédios em causa, bem como os problemas organizacionais e institucionais que produziram uma sensação de distanciamento, e, mesmo, de alienamento, entre os moradores e a tutela do IHRU – o que, por sua vez, criou sérios obstáculos à boa e necessária comunicação entre uns e outros com vista à resolução dos problemas emergentes das famílias.

Da parte do Mangual em Movimento, e da distrital de Viseu do Bloco de Esquerda, mantém-se o compromisso de acompanhar a execução de programas de habitação pública como o que ocorre em Mangualde, desejando a rápida resolução dos problemas em falta para que a totalidade das habitações possa ser ocupada, assim como o avanço da requalificação dos blocos devolutos anexos Sendo a habitação social, nomeadamente pública, um dos eixos da nossa intervenção política, podem sempre contar connosco como uma força social e política com vista à efetivação de um direito constitucionalizado.

Mangualde, 6 de maio de 2021

A Comissão Coordenadora Distrital de Viseu