PSD/CDS Nelas: Coligação aborta ou decide entre Joaquim Amaral e Manuel Marques?

Está ao rubro a luta pela escolha do candidato da putativa coligação PSD/CDS em Nelas, que apenas tem um pré acordo, dado que, e de acordo com dirigentes dos dois partidos, existe uma entropia que está a provocar “areia na engrenagem”.  As direções nacionais estarão a intervir para que seja uma realidade.

Dirigentes dos dois partidos confirmaram ao nosso jornal que existe um acordo para que seja Joaquim Amaral, atual Vereador do PSD, o candidato. Isto gorada a hipótese Sofia Relvas, que foi abordada (como noticiámos), mas acabou por não aceitar e seria uma opção consensual para a coligação, ao que apurámos.

Mas sendo o CDS a principal força política desta coligação, como consequência dos resultados de 2017, o candidato derrotado e atual Vereador, Manuel Marques, estará a “forçar” a sua candidatura à presidência da Câmara. E tudo isto por alegada “pressão” do atual Vice Presidente do Partido, Paulo Duarte (Viseu). O próprio Marques, avançou ao Jornal do Centro essa posição : “Tanto posso ser eu como o Joaquim Amaral, ou outro nome”. Mas outro nome já não está em cima da mesa. O peso político do atual Vereador ainda será grande e veio provocar a tal “areia na engrenagem”, o que deixa em suspenso a possibilidade de coligação. Isto porque, a atual Comissão Política Concelhia do PSD não aceitará o nome de Marques, assim como a Distrital. Dado que foi renhida a luta pela Concelhia do PSD, com um empate entre Artur Jorge Ferreira e Jorge Laima, na primeira volta, contactámos este último, para indagar da sua posição, que diga-se foi o único a enviar-nos posição oficial (Manuel Henriques – CDS e Artur Jorge Ferreira – PSD, não enviaram, até ao momento, posição oficial) :

“As eleições internas em Outubro legitimaram a Comissão Política do PSD para gerir os destinos do Partido, pelo  que aceitamos a decisão de quem lidera o partido, seja ela qual for. Depois de a conhecermos então informamos se apoiamos ou não a escolha feita, pelos dirigentes locais. As comissões políticas tem toda a legitimidade para decidirem pois são elas que gerem os destinos dos dois partidos”.