AHRESP denuncia: “Empresas criadas em 2020 continuam a não ser abrangidas por apoios”

A AHRESP defende que todas as empresas do setor da restauração, similares e alojamento turístico sejam incluídas no novo reforço do programa APOIAR, sem critérios de acesso discriminatórios, uma vez que estão a sofrer um impacto muito superior ao dos restantes setores de atividade. Conforme anunciado na passada sexta-feira pelo Ministro da Economia, este novo reforço não contempla quaisquer alterações ao método de cálculo da quebra de faturação de 2020, de forma a incluir as empresas mais recentes. As empresas criadas em 2020, embora tenham sido seriamente afetadas pela obrigação de encerramento, voltam a não ser abrangidas por este relevante mecanismo de apoio. Da mesma forma, o método de cálculo utilizado para determinar quebra de faturação das empresas criadas em 2019 é altamente penalizador, uma vez que considera para a faturação de 2019 os meses com faturação zero que medeiam entre a data de início da atividade e a data de início de faturação.