Como deve ser feito o desconfinamento?Escolas devem reabrir em março?

O desconfinamento deverá ser feito com base científica, ouvindo virologistas e epidemiologistas, resiliência hospitalar, indicadores económicos e sensibilidade para percecionar o equilíbrio psíquico e capacidade de resistência da população.

Diferente disto, seguimos caminhos perigosos que, entre outros, nos fizeram chegar ao indesejado pódio do primeiro lugar do mundo, nos rácios COVID-19.

Remeto a decisão para os nossos governantes, com toda a vontade de acreditar que tenham aprendido a lição do Natal. Compor números de défice e outros indicadores em fim de ano e, não gastando o que não tinham no apoio à economia decorrente da obrigatoriedade de confinamento, sem estar precavido nas capacidades prometidas para poder encerrar escolas, resultou naquilo que sabemos, como mínimo, 2 meses de confinamento no ano da esperança, 2021. A perda do controlo de quem brinca com o fogo, a confiança de um povo desconfinado quando o resto da Europa se fechava, em tempos de família que há meses não se abraçava, algum dinheiro que o comércio proporcionou num ano de retrocesso, fez o resto.

Para o mais comum dos que emitem opinião temos factos. Vacinas, a nossa maior segurança malgrado todas as dúvidas sobre as mesmas, poucas, muito poucas. Indicadores de infetados, internados, cuidados intensivos e mortandade ainda estão altos, se comparados com o primeiro confinamento, abril 2020. É seguro desconfinar já? Não, não sinto segurança. Era preciso desconfinar já? Sim, mas por quanto tempo atendendo à realidade dos factos?

Verdade ou consequência, os números nesta dita 3ª vaga baixaram quando as escolas encerraram. Facto é que o foco não está nas escolas propriamente ditas ou, pelo menos, não só. Há mais gente em transportes coletivos, alunos, professores e auxiliares. Há pais que continuam nos seus empregos e se deslocam a transportar filhos à escola, havendo assim, mais gente a circular o que poderá dar a sensação ou mesmo, inadvertidamente, proporcionar a confusão oportuna para haver saídas injustificadas para quem deverá estar em casa. Em suma, as escolas encerradas ajudam a um melhor controlo da pandemia? Arriscaria a dizer que sim.

Porém, é preciso não esquecer que com o encerramento das escolas houve o encerramento das fronteiras e, sabemos agora, antes de março, há um ano, com o primeiro caso oficial, já haveria o vírus a circular, chegado de vários países.

Em suma, desconfinamento como deve ser feito? As escolas deverão reabrir já em março? Não sei. Há muitas variáveis e a situação é delicada por demais para “treinadores de bancada”. O que posso dizer é que nos cabe a todos nós, cidadão comum, o cumprimento das regras da etiqueta respiratória, a desinfeção das mãos, o uso da máscara, o distanciamento social, continuar a trabalhar, sem medos porque precisamos mas, nas condições de segurança aplicáveis. Cabe ao governo utilizar, seguir e respeitar os especialistas, ser responsável tendo o foco na população e não a gestão partidária e a defesa do poder. Planear e agir com o horizonte suficiente que nos permita sair desta crise com capacidade rápida de recuperação.

Nelas, 28 de fevereiro 2021

Maria João Ribeiro