“É dramático o concelho de Oliveira do Hospital ter perdido dois mil habitantes em 10 anos”

Acaba de ser apresentada a coligação PSD/CDS em Oliveira do Hospital, para as próximas autárquicas, que deverão realizar-se em setembro ou outubro de 2021.

“Uma equipa jovem, renovada, competente, que não faz da política uma carreira e assim ganharmos a Câmara Municipal”, é este o mote dos dois partidos para a próxima eleição autárquica, em que se pretende “mudar os protagonistas”.

Os líderes de ambas as estruturas, antes da apresentação formal dos candidatos, irão “respeitar as regras internas de cada partido”. Estará para “breve” o seu anúncio e não será “só dos cabeças de lista”, garantem, pois toda a equipa é importante.

João Brito, líder do PSD, criticou duramente o atual Executivo PS, por “muita propaganda e pouca obra”. “É muita parra e pouca uva – vejam-se os atrasos na expansão da Zona Industrial”, atirou. E sustentou com números “depois de ser considerado, há 30 anos, o 3º concelho mais desenvolvido do distrito, estamos agora em 13º lugar”. A desertificação tem sido notória, em dados como “médicos e enfermeiros por habitante, índice de envelhecimento e outros”, frisou, apontando o dedo ao atual Executivo PS, que não soube “olhar para o futuro” e nos deixou “cair nesta posição”.

“É dramático o concelho de Oliveira do Hospital ter perdido dois mil habitantes em 10 anos, ou seja, cerca de 10% da sua população”, referiu o líder do CDS, João Duarte, assumindo como um dos grandes desígnios “atrair e fixar jovens, elevar os salários médios no concelho (300€ abaixo da média nacional), através da atração de novos investimentos, com aposta nas novas tecnologias”. Outro aspeto é a “coesão territorial”, que se pode e deve incrementar, até “pelos fundos disponíveis para o efeito”. O Centrista clarificou que “o concelho sempre foi de centro direita e vamos fazer regressar esse tempo”.

Sobre uma eventual candidatura do CHEGA, não mostraram especial preocupação: “Estamos centrados na força desta candidatura para sairmos vitoriosos e mudarmos de ciclo no concelho”.