Carregal do Sal.Condutas de fibrocimento e ruturas no abastecimento de água em debate

A situação ocorre com alguma frequência em Carregal do Sal e ontem, 19 de fevereiro, na sessão da Assembleia Municipal, a questão foi mais uma vez levantada pela Deputada Municipal do PSD, Sandra Cortez.

Em causa as condutas de fibrocimento ainda existentes no Concelho, nomeadamente em Sobral. A social democrata revelou ter imagens que comprovam a sua existência, contrariando assim o que um técnico disse ao Edil, Rogério Abrantes: “Não é verdade que existam condutas em fibrocimento em Sobral”. Sandra Cortez relembrou também os problemas sanitários que daí poderão advir, e ainda as recorrentes ruturas no abastecimento.

A situação no concelho ganha contornos ainda mais importantes, dado que estamos a falar da quarta água mais cara do país, conforme estudo dos jornais JN e Expresso, que veiculámos em 20.11.2020:

Carregal do Sal: 4ª água mais cara de Portugal

A privatização da rede de abastecimento de água e esgotos para a empresa Águas do Planalto Beirão, está na raíz do problema.

Além dos Carregalenses pagarem uma conta de água mais cara que Cascais, por exemplo (concelho com maior rendimento per capita do país), a empresa não cuida da manutenção e modernização da rede.

Contactada, via e mail, ainda não recebemos resposta da empresa.

Recordamos que em 2017, o compromisso da empresa era uma “redução de pelo menos 25% no preço da água”:

http://https://www.centronoticias.pt/2017/06/26/municipios-do-planalto-beirao-carregal-do-sal-incluido-vao-ter-reducao-de-pelo-menos-25-no-preco-da-agua/

Contactado pelo nosso jornal, o Autarca Rogério Abrantes, revela que “já existiu uma redução no preço e em breve vamos ter mais novidades a este nível”.

Também falámos com um especialista na área, com 25 anos de experiência num serviço municipalizado.  A sua posição é clara: “São negócios em que saem prejudicados munícipes e Câmaras é só há um beneficiado : as empresas privadas, onde é só ganhar, ganhar, ganhar, sobrepondo-se ao interesse público”.