Autárquicas.PS Oliveira do Hospital anuncia candidatos à revelia dos Estatutos

“A proposta de Francisco Rolo (CM) e José Carlos Alexandrino (AM), é do Secretariado (aprovada por unanimidade), e segue agora para aprovação e ratificação da Comissão Política Concelhia do PS (CPC)”. Foi assim que Carlos Maia, presidente da estrutura anunciou ontem, 9 de fevereiro, os candidatos à Câmara e Assembleia Municipal. Ou seja, colocou “o carro à frente dos bois”, fazendo este anúncio sem o colocar à apreciação e votação da CPC, em reunião plenária.

Maia justificou a decisão com a situação  “pandémica que coloca dificuldade em reunir todos os membros”, voltando a frisar que serão “ratificados e aprovados”. Isto porque, diz, os contactou a todos, individualmente, e “ninguém manifestou oposição”, ou seja, espera “unanimidade”.

“Demos conhecimento a todos os membros da CPC dos nomes e de como as coisas se iriam passar”, rematou, sinalizando não existirem outras opções, e o tal “autoritarismo” de que falou ontem o CDS. E porque não uma reunião via vídeoconferência? Ainda no passado dia 18 de dezembro, a título de exemplo, a concelhia de Coimbra, reuniu, por este meio, 75 membros da CPC. Aliás, ao longo das sucessivas eleições autárquicas, nas últimas décadas, e falámos com um militante com 33 anos de filiação, dirigente da CPC de Coimbra, nunca os cabeças de lista neste concelho foram anunciados, sem antes serem aprovados por este órgão alargado. Esta será sem dúvida uma situação que se não é “inédita”, deve estar “próximo disso”, diz-nos.

A forma como foi conduzido o processo só vem reafirmar o que temos vindo a avançar : o PS Oliveira do Hospital, estará de facto em convulsão interna, embora o seu presidente tenha ontem desmentido esta situação: “As notícias que circulam sobre divisões internas, são mentiras, especulações, apenas com o intuito de nos desestabilizar”. Curioso foi que, após terem surgido, e de forma totalmente abrupta, o partido convocou alguma comunicação social (é sempre escolhida a dedo, talvez por critérios que aqui não interessa agora expor), para fazer esta revelação, totalmente à revelia dos Estatutos, como ontem mesmo o CDS veio referir.

De facto, o artigo 67 dos Estatutos do PS define que “a designação e ratificação de cargos políticos concelhios, cabe à Comissão Política Concelhia, que depois são ratificados pela Federação distrital”, ou seja, dois níveis de apreciação e decisão. Lembramos ainda que o princípio base do partido, ao nível nacional, é a recondução de atuais autarcas.

Resta-nos aguardar que seja revelado o resultado da votação na CPC de Oliveira do Hospital, de toda esta rocambolesca situação.

Foto: Rádio Boa Nova