IPV participa da iniciativa “Transforma Portugal” para bolsas de solidariedade

Num dos momentos mais difíceis da nossa vida coletiva, iniciámos hoje, em pleno, um alinhamento com as Medidas de Confinamento mais restritivas que foram decididas para o País.
Todas as atividades letivas remanescentes passaram a distância, as avaliações presenciais foram adiadas e restringiram-se as atividades laborais ao mínimo essencial.
Mantêm-se em funcionamento os Serviços de Alimentação, as Consultas de Medicina Geral e Psicologia e a Rede de Bibliotecas.
Mantém-se ativos os Serviços de Ação Social e as iniciativas do Grupo de Missão para a Inclusão. Mantém-se ativa a Loja Solidária.
Mantém-se insubstituível a participação e entrega dos estudantes e das suas organizações associativas na deteção dos casos que necessitam da nossa solidariedade.
Está em curso a iniciativa Transforma Portugal, na qual a nossa instituição participa desde o primeiro momento e que permitirá a atribuição de bolsas de solidariedade para ajudar pessoas em dificuldades.
Este é um momento que apela para a nossa participação cívica. Para acudir a necessidades que julgaríamos obsoletas, e que voltam, fruto destas circunstâncias desconcertantes, a estar na ordem do dia.
Temos de antecipar os receios das incertezas que nos assolam. Temos de fazer frente às nossas angústias com a nossa vontade. A vontade para nos unirmos mais, para nos ajudarmos mais, para estimularmos mais as nossas affiliative mentalities. Para minimizar as ondas de choque desta crise na saúde, no emprego, na economia, na sociedade.
Para os mais jovens, que já passaram por outras crises, sempre no passado a história foi descontínua e sempre as gerações envolvidas responderam com o seu entusiasmo e otimismo para criar o futuro que foi ontem e que será amanhã.
Não nos esqueçamos de que é fundamental a continuação da proteção: nossa, dos nossos familiares, dos nossos concidadãos. Dos que estão mais desprotegidos. Não nos deixemos vencer pelo cansaço.
Quem não se cansa, e a quem gostaria de deixar um agradecimento, são os restantes membros da nossa comunidade, que nos permitem continuar a dispor de energia, alimentos, cuidados de saúde e um sem número de produtos e serviços que nos permitem continuar a viver.
Deixo ainda um tributo a todos aqueles que, particularmente nestas situações, nos inspiram a sermos melhores pessoas: aqueles que sempre fazem mais do que aquilo a que são obrigados. É com elas e com eles que o mundo pula e avança. Mesmo nos momentos mais tristes, nos momentos mais difíceis, seremos capazes, “(…) within it [to find] the power to author a new chapter, to offer hope and laughter to ourselves”.