EDITORIAL: Infetados vão ao supermercado e Portugal é o pior do mundo

De milagre a caos e total descontrolo da transmissão comunitária de Covid-19. Portugal torna-se um mau exemplo e atingiu, no passado dia 15 de janeiro, o topo mundial no ranking dos casos de infeção,  por 100 mil habitantes.
Uma tragédia anunciada,sem que o Governo tivesse agido para minimizar danos e mortes. Sim,o Estado é responsável por não articular com os privados a disponibilização de cuidados de saúde para os mais necessitados, num tempo excecional. Onde está afinal o Sistema Nacional de Saúde? Sim, o famigerado sistema, onde público e privado se unem para combater flagelos sanitários.O que vemos é muitos hospitais privados,com serviços de urgência com muito pouca utilização, e serviços de medicina intensiva com muita capacidade disponível. Assustadores são também os números da mortalidade não Covid-19, que nunca foram tão altos, com comprovados adiamentos de cirurgias urgentes,sem que,também nestes casos, se solicite o uso da capacidade privada.E assim, doentes vão morrendo em ambulâncias (também comprovado).
Se somarmos a isto,um apenas “meio” confinamento (e tardio), temos um resultado desastroso: Portugal,no dia 15 de janeiro,foi o país no mundo com mais novos casos por milhão de habitantes, e na média da última semana (dados de hoje,17 de janeiro, do jornal Expresso), foi o segundo pior (somente atrás de Israel).
Infetados circulam em supermercados
Entretanto, relatos na rede social Facebook (carecem de confirmação oficial,mas tudo indica serem verídicos), dão conta que infetados com o novo coronavírus circulam em locais públicos, como supermercados. É um caso de uma grande superfície na cidade de Oliveira do Hospital, onde, há dias,uma mulher estava na caixa, a pagar, e olhando para o lado vê uma outro mulher na fila, que sabia estar infetada. Denunciou a situação aos funcionários,tendo militares  da GNR ido ao local e identificado a cidadã. Outra fonte por nós contactada, adianta mesmo,que nessa situação foram identicados,no mesmo local,outros infetados. Está poderá ser uma situação comum no país,o que ajudará a explicar a explosão da Pandemia. E afinal, onde está o rastreamento e vigilância dos infetados?