Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 apreensiva com obras no IP3

Imagem de Arquivo do iP3

Após o início da requalificação do IP3 entre o Nó de Penacova e o Nó da Lagoa Azul em julho de 2019, A Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3, continua sem conhecer em pormenor o projeto de requalificação deste troço.

A AUS IP3, está apreensiva sobre a forma desordenada como estão a decorrer os trabalhos da primeira fase de requalificação.

A AUS IP3, da mesma forma que está a ser questionada pelas populações, continua apreensiva sobre a forma como vão ser requalificados os nós de acesso às povoações, a necessidade de caminhos paralelos para que as populações se possam deslocar em segurança, nomeadamente na realização das tarefas agrícolas.

Na forma como será efetuada a travessia, pelas populações, pelas alfaias agrícolas e pelos animais para a pastorícia, das duas pontes existentes no troço incluído na fase em curso da obra de requalificação do IP3.

A AUS IP3, continua apreensiva sobre a forma como vão ser tratadas as águas pluviais provenientes das escorrências das faixas de rodagem.

A AUS IP3, continua apreensiva sobre a forma como se vai efetuar a circulação das casas, no lugar da raiva, que têm acesso direto ao IP3.

A AUS IP3, irá solicitar à IP que seja de imediato colocado no distrito de Viseu o separador central, nas zonas de maior índice e acidentes, onde todos os meses continuam a existir acidentes com vítimas mortais.

A AUS IP3, irá solicitar informação detalhada sobre o projeto e os tempos de execução da segunda fase de requalificação do IP3.

A AUS IP3, espera que por respeito às mais de 200 vítimas mortais, aos milhares de feridos e às famílias estropiadas resultantes dos inúmeros acidentes, os sucessivos atrasos se transformem na antecipação dos prazos da execução da obra de requalificação do IP3.

Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies