Envelhecimento ativo: adaptações na habitação. Opinião por Francisca Andrade

Elaborado por: Francisca Andrade, aluna do 32º curso de Enfermagem da Escola Superior de Saúde de Viseu, no âmbito do Ensino Clínico na UCC Aristides Sousa Mendes

A entrada na terceira idade traduz mudanças no organismo. As mesmas vão trazer dificuldades na realização de algumas atividades de vida diárias que, até então, eram realizadas facilmente e de maneira autónoma.

Por mais ativa que a pessoa seja e por mais saudável que seja, há sempre fatores inerentes à progressão da idade, tais como diminuição dos reflexos, da visão, audição ou equilíbrio, tornando o idoso mais propenso a quedas. Todos estes fatores estão aliados ao enfraquecimento natural dos ossos, aumentando assim o risco de fratura.

Segundo o ministério da saúde, 70% das quedas acontecem no interior da habitação, por esta não estar preparada para estas mudanças. É, por isso, importante que existam adaptações na casa para uma maior segurança do idoso.

Principais adaptações

O primeiro passo para garantir a segurança na habitação é planear quais as adaptações necessárias: observar o dia a dia da pessoa, verificando quais as divisões que esta mais usa, bem como as principais dificuldades com que se depara.

Todas estas mudanças vão retirar o idoso da sua zona de conforto, modificando o ambiente a que este já está acostumado, daí ser importante conversar com ele, bem como todas as pessoas com quem convive, explicando que todas estas alterações são focadas no seu bem-estar, qualidade de vida e segurança.

-Áreas de circulação

Para que o idoso possa andar sem correr o risco de cair ou escorregar (principalmente se usar auxílios de marcha, como bengalas, andarilhos, entre outros) as áreas de circulação devem ser espaçosas e livres. Tente, por isso, retirar equipamentos ou mobílias que não sejam extremamente necessárias.

-Piso

O mais recomendado é que o piso seja plano, regular, preferencialmente sem desníveis ou degraus. Se o piso for antiderrapante, melhor. Retire tapetes, carpetes que sejam desnecessários, como em corredores, salas ou cozinha. Nos que permanecerem, pode optar por colocar por baixo uma rede antiderrapante, ou colar com fita adesiva de dupla face. Objetos decorativos que possam interferir como vasos ou estátuas também poderão ser removidos. 

Tenha em atenção fios de eletrodomésticos que estejam soltos- estes podem ser fixados à parede ou mais aos cantos do chão com adesivo.

-Escadas

As escadas constituem um dos maiores perigos de queda para as pessoas de 3ª idade, sendo de extrema necessidade que se arranjem alternativas para prevenir ao máximo estes acidentes.

Coloque rampas em escadas com poucos degraus. Tente fazer rampas adaptadas, caso não queira ter grandes despesas. Em escadas com mais degraus, é importante que hajam corrimões para o idoso se poder agarrar. Pode optar por colocar nos degraus uma fita adesiva sinalizadora do inicio do degrau e, também, antiderrapante, criando atrito com o calçado.

-Quarto

A cama do idoso deve ter uma altura adequada, por forma a que o idoso se consiga sentar com os pés apoiados no chão, formando um angulo de 90º com os joelhos. Caso contrário, poderá colocar um calço de madeira, deixando a cama mais alta.

A escolha do colchão merece muita atenção. Existem vários tipos de colchões, consoante as condições músculo-esqueléticas da pessoa. No entanto, é preferível optar por um mais denso, sendo mais confortável.

-Casas de banho

Constitui uma das maiores preocupações, pelo seu piso escorregadio e possibilidade de queda. Idealmente, deve-se colocar um chão antiderrapante. Caso não consiga, o tapete que tiver na casa de banho deve ter uma rede antiderrapante por baixo. Deve ter barras de apoio junto da sanita e chuveiro, pois auxiliam bastante o idoso.

O chuveiro, idealmente, deve ter uma cadeira integrada dobrável, ou então um banquinho para que se possa sentar ou apoiar.

-Medicamentos

A polimedicação cada vez mais se tem tornado uma realidade no quotidiano da população da 3ª idade. Torna-se comum que, por essa razão, haja troca nos horários da sua toma, ou mesmo trocas entre medicações. Para diminuir estes erros, pode optar-se por arranjar uma caixa plástica com separadores para as diferentes refeições. Existem caixas para fazer esta divisão para uma semana. Caso a pessoa corra o risco de se confundir, um familiar próximo, cuidador, amigo/ vizinho ou profissional na área da saúde poderá fazer esta divisão dos medicamentos no inicio de cada semana.

 

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies