“Peixeirada” nas eleições da Banda de Santar

As eleições na Sociedade Musical 2 de Fevereiro, agendadas para o passado domingo, 28 de julho, acabaram por não ser eleições, de acordo com o canal informativo Nelas Obscura, que dá a conhecer um texto enviado por um sócio que esteve presente. “Gostaríamos de salientar que foi enviado um email para a Banda de Santar, mas até ao momento não obtivemos resposta. Das informações que conseguimos recolher, ficaram marcadas eleições para outubro. Hoje haverá (ou já aconteceu) uma reunião com os músicos e amanhã haverá uma reunião entre os membros da comissão de gestão (dois da lista do anterior presidente António Nogueira e três da outra lista)”, adianta o canal que reproduz o referido texto :

Depois do Nelas Obscura ter denunciado a irregularidade em que estavam os corpos sociais da banda, foram marcadas eleições, mas vamos aos factos:
A Assembleia foi marcada pelo presidente da direção que se encontrava em exercício e já não deveria estar, uma vez que a ultima eleição foi em 2015, deveria haver eleições em 2017 e em janeiro de 2019, mas foi este senhor que indicou o dia a hora o local e a ordem de trabalhos ao Senhor Presidente da Assembleia, este sim com plenos poderes.
Foi habilidosamente marcada para o dia do Aniversário do Sporting Clube de Santar, no dia do Passeio Anual do Grupo Cultural e recreativo de Santar, sabendo ele que estariam ausentes vários, direi mesmo, muitos Sócios e todos ou quase todos contra ele.
Mas vamos á assembleia. Foram apresentadas só as contas dos 7 meses de 2019, conforme se pode provar pelo documento apresentado ou melhor, lido aos sócios porque muito poucos tiveram acesso a esta folha datilografada, onde como disse estão as contas dos 7 meses de 2019.
Pergunta, onde estão as contas de 2016,2017,2018?
Sabe-se que dos 75 000,00 € pagos pela S. C. da Misericórdia de Santar, só estão nessa conta 70 000,00€, os outros 5 000,00€ foram retirados sem autorização da assembleia Geral. Uma vez que foi aprovado em assembleia Geral que os 75 000 € destinavam-se á construção de uma sede, mais qualquer vulgar cidadão sabe que uma assembleia Geral é um órgão deliberativo portanto delibera, e uma direção é um órgão executivo isto é executa o que for aprovado em assembleia, portanto é muito grave a direção ter mexido nesta conta sem deliberação da assembleia. Mais, as contas foram aprovadas, por sócios com quotas em dia, com sócios com quotas em atraso e imagine-se votaram pessoas que não são sócios, como se pode ver as pessoas votaram não as contas mas a pessoa uma vez que só os amigos dele, não os da banda, porque esses querem e continuam a querer contas transparentes.
Depois nas eleições detetou-se que a lista apresentada pelo Ex- presidente, não estava em condições uma vez que tinham candidatos que não eram sócios, mas mais uma vez se entrou na ilegalidade porque o Senhor Presidente da Assembleia, e perante os estatutos tinha que anular essa lista e ser votada a Lista B, mas ele habilidosamente, propôs uma Comissão de Gestão de cinco Sócios, para gerir, volto a dizer Gerir a Associação desde as 18 horas do dia 28 de Julho até às próximas eleições e só esta Comissão de Gestão pode gerir tudo mas mesmo tudo, se houver algum ato depois dessa hora pela EX-direção é um crime.
Esperamos que agora e depois do espetáculo que foi esta Assembleia, que todos os ex-membros dos corpos Sociais se apercebam que não são bem-vindos a esta e outras associações.
A banda sairá mais reforçada depois da passagem destes corpos Sociais, porque haverá desde músicos, maestros, e diretores antigos dispostos a lutar por esta associação centenária que tão mal gerida foi nestes últimos anos

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies