MESCLA conquista espaço próprio na promoção cultural de Viseu

Festival alcançou sucesso nos objetivos e nos públicos. Centro Histórico recebeu pelo menos 100 mil pessoas

Este slideshow necessita de JavaScript.

Município de Viseu, VISEU MARCA e VISEU NOVO SRU fazem um balanço largamente positivo da primeira edição do novo festival cultural multidisciplinar de Viseu – o MESCLA.

O festival que elege a cultura e as artes “made in Viseu” como seu território específico conquistou comunidade e visitantes, envolvendo mais de 100 mil pessoas.

“Tal como esperávamos, o MESCLA adquiriu uma identidade diferenciadora de programação e intervenção no Centro Histórico e conseguiu um forte e inédito envolvimento de artistas e companhias locais”, sublinhou o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques.

No que toca à intensa agenda de programação, que marcou o ritmo de Viseu ao longo de sete dias, contaram-se propostas em muitas disciplinas artísticas, com um elevado padrão de qualidade. Da escultura urbana à música, do teatro ao novo circo, das artes plásticas à literatura, todas as expressões tiveram o seu palco no Centro Histórico da cidade-jardim.

Para o Vereador da Cultura e Turismo, Jorge Sobrado, “o MESCLA transformou-se num grande ecrã de afirmação da cultura de Viseu, conquistando um espaço próprio”.

Diversos artistas de Viseu como Inês Flor, Graeme Pullyen, Sónia Barbosa, Guilherme Gomes, Ana Bento, Bruno Pinto, Moullinex, a Gira Big Band, “Sr. Jorge”, o coletivo ZunZum e Ricardo Augusto, Luís Belo, John Gallo e a companhia de artes circenses TRIBAL criaram e dirigiram vários momentos de programação do MESCLA. Juntaram-se-lhes a cooperativa CARMO 81 (na programação) e nomes emergentes da música como Dr. Molotov e Color Ivy, entre outros.

As atividades para crianças e famílias, entre oficinas e espetáculos, registaram quase sempre lotação completa: a peça “Panela de Ferro” e o “Teatro Mais Pequeno do Mundo” esgotaram frequentemente os lugares disponíveis, nos vários dias em que se realizaram.

Destaque, ainda, para as peças teatrais “Dimas e Gestas – Um Musical para Crucificados”, “Dmitri ou o Pecado”, “O Bode do Restelo” e para o espetáculo de circo “78 Tours”, que conquistaram o público do MESCLA.

O evento também soube “mesclar” a programação com nomes inéditos em Viseu. Manuel Alão e Sérgio Ferreira conquistaram a cidade de Viriato com as suas esculturas de luz “site specific”, que serviram para reinterpretar e voltar a olhar o património e a cenografia do Centro Histórico.

As instalações de som também se revelaram uma das grandes marcas do evento, com destaque para o GAMELÃO, nos Claustros da Sé. Uma instalação inspirada no milenar gamelão japonês, constituído por centenas de peças de porcelana, faiança, grés, vidro e cristal, assente numa estrutura de aprendizagem e experimentação inclusivas.

Na música, Noiserv, Marta Ren & The Groovelvets, Surma, Fogo Fogo, Holy Nothing e Gira Big Band com Elisa Rodrigues proporcionaram grandes espetáculos para o público do evento, nas noites de verão da semana. Na noite de encerramento, domingo, o espetáculo de Sr. Jorge encheu o anfiteatro natural da Fonte das 3 Bicas.

Quanto ao público, o Festival foi crescendo ao longo da semana, atingindo um pico de procura nos dias de sexta-feira e sábado. No total, pelo menos 100 mil pessoas que participaram no MESCLA, de 1 a 7 de julho.

O MESCLA regressará no futuro com a vocação de espaço privilegiado de apresentação e afirmação da cultura de Viseu e de projetos e dinâmicas apoiadas pelo programa municipal VISEU CULTURA.

O Festival MESCLA contou com o patrocínio da SuperBock, EDP Distribuição, Publiferrão, Paiva Tendas, Criaverde, TakeMedia e Castros Iluminação, com a parceria de media do PÚBLICO.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies