Negócios com vida. Opinião por Raquel Torres 

No caso mediático da Madeleine McCain, os investigadores especularam sobre a hipótese  de tráfico humano e de que a menina havia sido raptada com esse propósito. Nunca pensei que  fosse uma suposição lógica, porque a última vez que ouvi falar desse tema foi em História. 

Apesar de estarmos na atualidade, há negócios que perduram no tempo. Negócios que são  atrocidades para os dias de hoje! Sim em pleno século XXI ainda existe tráfico humano, comércio de  pessoas que deveria ter ficado onde começou, no passado. 

Estaria relativamente descansada se isto não fosse o reflexo do país a que pertenço, contudo, Portugal apresenta-se em 2.o lugar nos países da União Europeia com mais vítimas de tráfico  humano… nunca estar no pódio foi tão mau. 

Quem me dera estar a mentir ou simplesmente a inventar, mas de acordo com o relatório  da Comissão Europeia, entre 2015 e 2016, foram registadas 339 vítimas, a maior parte para  exploração laboral. Não remunerar mão de obra e traficar pessoas são violações aos direitos fundamentais, expressos na carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. Porém, sou  demasiado crente para acreditar que as leis são para saírem do papel. No entanto, há boas notícias, porque a Coordenadora da Luta Anti Tráfico da UE referiu, perante o mesmo relatório, que o objetivo é erradicar este tipo de crime, só não sei de que é que ela está à espera… 

Raquel Torres 

Trabalho realizado no âmbito da unidade curricular de Técnicas de expressão em comunicação social, da responsabilidade da docente Maria João Macário.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies