Arranque das obras de requalificação do IP3 : Uma miragem …

O presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, pediu uma audiência, “com caráter urgente”, ao ministro das Infraestruturas, para que esclareça quando é que o projeto do Itinerário Principal 3 (IP3) se vai concretizar.

O arranque do primeiro troço a ser intervencionado, com 16 quilómetros, era para se ter realizado hoje, 1 de julho, mas, como o vídeo captado já durante a tarde demonstra, não se concretizou.Este vídeo permite também visualizar o total abandono e a perigosidade desta estrada da morte.

Rogério Abrantes explicou à agência Lusa que este pedido de audiência surge depois de uma reunião com as Infraestruturas de Portugal, na qual o vice-presidente comunicou a alguns autarcas da CIM que a conclusão do projeto do IP3 “se vai realizar só no terceiro trimestre de 2021”.

O IP3 está cada vez pior, cada vez está mais intransitável e, portanto, esperávamos que as coisas fossem de outra maneira. Pensávamos que iria ser um projeto com caráter de urgência”, disse Rogério Abrantes, lembrando que esta informação “contraria aquilo que o anterior ministro das Infraestruturas [Pedro Marques] tinha dito numa reunião na CIM”.

“Isso deixou-nos um bocado a olhar para a questão, porque se o projeto só vai estar pronto no terceiro trimestre de 2021, quer dizer que as obras nunca se iniciarão antes de 2023, no mínimo, o que quer dizer que só iremos ter obra para 2024, 2025 e 2026 possivelmente”, declarou Rogério Abrantes, também presidente da Câmara Municipal de Carregal do Sal.

Integram a Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões Aguiar da Beira, Carregal do Sal, Castro Daire, Mangualde, Nelas, Oliveira de Frades, Penalva do Castelo, São Pedro do Sul, Santa Comba Dão, Sátão, Tondela, Vila Nova de Paiva, Viseu e Vouzela.

Embora a empreitada já tenha começado no passado mês de maio, adianta a empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP), seria agora que as obras de reabilitação do troço do IP3, com cerca de 16 quilómetros – entre o Nó de Penacova e o Nó do Lagoa Azul, junto à ponte da Foz do Dão – iriam arrancar, só que ainda são uma miragem.
A dimensão dos trabalhos, que têm uma duração de 10 meses, vai obrigar a condicionamentos de tráfego.Vamos ver quando !

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies