Manuel Marques abandona reunião de Câmara e justifica-se

Nota enviada à nossa redação pelo Vereador do CDS :

O ABANDONO DA REUNIÃO DE 24.04.2019

Na qualidade de vereador, e para efeitos da gestão pública, tenho ao longo dos tempos requerido ao presidente da câmara  informação sobre a situação financeira e das empreitadas contratadas com uma única empresa.

Até á data de ontem nada me foi respondido, sendo obrigado durante a semana que vem apresentar o meu pedido junto do Tribunal Administrativo e Fiscal de Viseu.

O presidente da câmara, ao longo dos tempos sempre me foi dizendo que os meus pedidos estavam esclarecidos nas Contas de Gerência.

Ora, na reunião de ontem seriam discutidas e votadas as Contas, considerando que ao contrario daquilo que o presidente da câmara vem dizendo “que os meus pedios de informação estavam esclarecidos nas Contas de Gerência”, o que de todo não é verdade, no decurso da reunião, por não ver esclarecidas as minhas dúvidas, requeri-lhe que me informasse do seguinte: Conta corrente da AGR; Conta Corrente da VCA (Vitor Cândido Alves); Conta Corrente da Plataforma Jotta; Conta Corrente da Motriz, entre outras.

Foi requerido ainda a conta corrente da empresa Irmãos Almeida Cabral, Lda. e respetivos autos de medição e a explicação do aumento de 500.000,00€ de gastos com o pessoal.

 Não se venha dizer que foi pela regularização dos precários, porquanto, todos nós sabemos que os percários antes de passarem a ter vinculo já criavam despesas com o pessoal do Município.

Depois de interpelado por mim sobre o anterior descrito, atirou para o ar impropérios que em nada dignificam o poder autárquico.

Compreende-se o desespero do presidente da câmara, há empresas que já não fornecem material por falta de pagamento, já não paga a alguns fornecedores desde maio de 2018, a divida da câmara regressou a 2013, aprovou ontem as minutas para mais um empréstimo de 2,5 milhões, não deixa faturar a fornecedores para não aumentar a dívida, enxameou a câmara com avenças e pessoal politico, a divida da água a Mangualde continua a aumentar, tudo se tornou insuportável e insustentável.

Já não tenho paciência para aceitar a ditadura do atual presidente da câmara, nem para ouvir quem tanto me acusou em 2013, quando o mesmo acusador fez 30 vezes pior daquilo que eu fiz e sem qualquer obra à vista, levando a autarquia  a uma situação de pré-falência.

Por isso, como sinal de protesto, só me restou abandonar a reunião

Nelas, 25 de abril de 2019

O vereador do CDS/PP

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies