Seca severa pode estar iminente. Autarca de Viseu já prepara plano de contingência

Tem de chover “com abundância” para salvar Portugal da seca severa, diz especialista.

“Estamos a ficar com o clima próximo de Marrocos, da Argélia ou da Tunísia e o Algarve está na linha da frente”, afirma Filipe Duarte Santos, presidente do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, ao “Público”.

ALMEIDA HENRIQUES, autarca de Viseu, disse entretanto à Rádio Renascença que a Câmara a que preside avança com um plano de combate à seca. “É bom que o Estado se prepare”, assevera.

Portugal tem visto a sua precipitação anual diminuir, em média, entre 30 e 40 milímetros de a cada 10 anos. A redução da chuva atmosférica, registada entre 1960 e 2010, poderá intensificar-se se “não chover com alguma abundância nos meses de abril e maio”.

A previsão é de Filipe Duarte Santos, presidente do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CNADS). “Estamos a ficar com o clima próximo de Marrocos, da Argélia ou da Tunísia e o Algarve está na linha da frente”, disse ao jornal “Público”. Este especialista em alterações climáticas refere que o clima está a mudar mais no sul.

No último mês do ano passado, 80% do país esteve em seca severa ou extrema, segundo a informação que consta do Relatório de Monitorização Agrometeorológica e Hidrológica. Depois, em janeiro, os bombeiros fizeram 179 operações de abastecimento de água às populações do país, sobretudo em Miranda do Douro (41), Mértola (35), Barcelos (15), Mirandela (12) e Miranda do Corvo (11).

Ao mesmo diário generalista, o professor e investigador Mário de Carvalho, da Universidade de Évora, critica a decisão de combater esta problemática “gastando verbas avultadas na construção de barragens”. “Temos de incluir as alterações climáticas na gestão do nosso território”, alerta.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies