Crise Ferroviária : CP impõe lei da rolha aos trabalhadores que queiram denunciar anomalias

A CP – Comboios de Portugal impôs aos seus trabalhadores um código de ética que os impede de denunciar problemas nas infra-estruturas utilizadas pela empresa. Foi distribuÍdo pelos funcionários um código de ética que exige que ninguém ponha “em risco a imagem da empresa”.

Segundo o documento distribuido pelos trabalhadores, a que o Jornal de Notícias teve acesso, os colaboradores da CP devem “agir nas relações interpessoais e com a empresa de modo a não pôr em risco a reputação e a imagem da mesma”.

A “lei de rolha” foi imposta no mesmo dia em que foi exonerado um diretor de material circulante que criticou o adiamento das revisões regulares de vários comboios, alegando que isso poderia colocar em risco a segurança dos passageiros. No entanto, a empresa garantiu que o despedimento não esteve relacionado com as críticas. À SÁBADO, a empresa portuguesa de transporte ferroviário indica que o despedimento de José Pontes Correia justifica-se com a “não verificação de condições objectivas para o exercício da função”.

Foram denunciados diversos problemas com os serviços da empresa pública no último ano. Atrasos sucessivos, avarias das locomotivas e carruagens, frotas desactualizadas e paradas à espera de peças para remendo, foram algumas das denúncias, quer por parte dos trabalhadores da empresa, como por parte dos utentes.

A CP – Comboios de Portugal exonerou, no dia 6 de Dezembro, o director de material circulante que se mostrou contra um acto de gestão da empresa. José Pontes Correia é contra a decisão de atrasar a manutenção dos rodados das Unidades Triplas Eléctricas (UTE), ao aumentar em 300 mil quilómetros o anterior limite de 1,7 milhões. Considera que a segurança dos passageiros é posta em causa.

Segundo o jornal Público, os rodados são levados a vistoria e é decidida a sua substituição ou alteração. Contudo, a manutenção faria com que as carruagens automotoras estivessem paradas durante o Inverno, numa altura em que a CP tem pouco material circulante. Ao prolongar a distância, a vistoria passa para 2020.

Fonte : https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/cp-proibe-funcionarios-de-denunciar-problemas?fbclid=IwAR3YmJos7F2UZdyVCFMS2jWNrQ_S4sStV_KkfPT4yhKqp2AxkK2fu0FaETI

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies