Carregal do Sal.Exposições “E o Vento Ardeu” e de trabalhos em madeira patentes no Museu Municipal

Exposição de pintura e desenho de Patrícia Matos, patente na galeria de exposições do Museu Municipal Manuel Soares de Albergaria de 01 a 31 de dezembro de 2018.

E O VENTO ARDEU…

Um memorial catártico e reflexivo dos vorazes incêndios de 15 outubro 2017, que muitos de nós experienciámos na primeira pessoa.

A exposição integra um conjunto de pinturas e desenhos, estes últimos traçados com carvão que remanesceu das árvores queimadas. As peças apresentam-se numa sequência, estabelecendo um ciclo-círculo de morte e renascimento, de perda e recuperação, de alerta e alento…

– ESTARÁ ESTE CICLO CONDENADO A ITERAR ETERNAMENTE NAS FLORESTAS DE PORTUGAL…?

Nota Biográfica:

Patrícia Matos, artista plástica dedicada à pintura e à videoarte, natural de Tondela.

Já apresentou trabalhos em várias cidades do país: pintura desde 2015 e videoarte desde 2017, sendo premiada nesta última área.

Licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, conta ainda com um prévio percurso académico e profissional na Engenharia Biomédica, que optou por descontinuar em prol de uma aposta integral na área artística.

Exposição de trabalhos em madeira/talha de José Soares Batista, patente na galeria da Arcada do Museu Municipal Manuel Soares de Albergaria de 01 a 31 de dezembro de 2018.

José Soares Batista

Todo o ser humano nasce com vocação para fazer aquilo que Deus lhe destinou e atribuiu apetências para o seu desempenho.

No meu caso concreto, nasci com o dom de trabalhar a madeira, coisa que faço com o maior gosto e prazer.

Nasci na aldeia de Fiais da Telha, freguesia de Oliveira do Conde, concelho de Carregal do Sal, distrito de Viseu em 21 de agosto de 1945.

Muito me orgulho de pertencer a este concelho.

Estudei na Escola Primária de Fiais da Telha, concluí o exame de 2.º grau na Escola de Carregal do Sal em 21 de julho de 1956.

No ano de 1957 dei início à minha caminhada profissional na área de trabalhar a madeira no tecido empresarial, comecei na empresa Fábrica de Móveis Artur Monteiro em Oliveirinha, depois Fábrica de Móveis J. R. Silva em Oliveirinha, e Fábrica de Móveis Alta Beira em Fiais da Telha.

No ano de 1990 foi-me proporcionada a possibilidade de mudança para a formação profissional, projeto esse que abracei com todo o amor e carinho, proposta feita pelo Centro de Formação Profissional de Artesanato (CEARTE) sediado em Coimbra, onde desempenhei as funções de Formador nas áreas de: talha, embutidos em madeira, douragem, empalhamento e polimentos tradicionais. Alguns anos mais tarde foi-me dada a oportunidade de frequentar um estágio intensivo, na Fundação Ricardo do espírito Santo e Silva, em Lisboa, para aprofundar os meus conhecimentos, mais especificamente na área da conservação e restauro de Arte Sacra. Todas estas áreas foram por mim ministradas no referido Centro de Formação – CEARTE até à data que me aposentei no ano de 2006.

Agora em 2018, e com esta paixão de trabalhar a madeira e com o “bicho da madeira bem ativo dentro de mim”, aqui estou presente a mostrar aos meus munícipes e não só, como se pode transformar a madeira em belas peças de arte e contribuir para a nossa riqueza nacional.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies