Viseu. Vereadores do PS questionam Executivo sobre a “incógnita constituição da empresa intermunicipal Águas de Viseu”

Na reunião pública de câmara realizada ontem, 23 de agosto, os vereadores do Partido Socialista (PS) na Câmara Municipal de Viseu (CMV), tiveram intervenções em vários assuntos relevantes para o território e os viseenses.

Para os vereadores do PS é por demais evidente a relevância atribuída à comunicação e imagem na estratégia política do Executivo Municipal, derivando, demasiadas vezes, para a propaganda política. Na sequência de mais um reforço nesta área, incluindo a contratação de novos colaboradores, os vereadores do PS questionaram o Executivo sobre o organigrama da área da comunicação e marketing da CMV e sobre a eventual contratação de uma empresa de Lisboa para assessoria do Executivo na área da comunicação institucional.

O Sr. Vice-Presidente da Câmara, que hoje presidiu à reunião, não esclareceu os vereadores e os viseenses sobre o organigrama da CMV na área da comunicação, referindo ainda não ter sido contratada qualquer agência de comunicação “como fazem muitas outras autarquias”.

Muitos viseenses e agentes locais têm feito chegar aos vereadores do PS a sua crítica e preocupação sobre a morosidade ou ausência de respostas a questões e problemas remetidos ao Município, através de vários canais de comunicação.

Para os vereadores do PS este é mais um exemplo da inaptidão do atual Executivo Municipal para as políticas de proximidade e falta de diligência para com os munícipes viseenses e “pequenos agentes locais”. Em grande parte para colmatar este problema, em devido tempo, o PS propôs já o “Portal Municipal das Ocorrências”. Proposta rejeitada pela maioria do PSD, como tem acontecido com outras do PS.

Os vereadores do PS levaram hoje a reunião pública de câmara a, há muito previsível, incógnita sobre a constituição da empresa intermunicipal ‘Águas de Viseu’, após a recusa de adesão de Penalva do Castelo, e, como se advinha, de outros municípios.

Na verdade, aquando da votação da constituição da empresa intermunicipal Águas de Viseu em reunião de câmara e na sessão da Assembleia Municipal de Viseu, o Partido Socialista alertou para aquela que já era uma evidência: “a crónica de uma morte anunciada!”; por inabilidade do Executivo Municipal de Viseu na condução de todo o processo.

Os vereadores do PS questionaram o Executivo sobre a existência de um eventual “plano B” e se, finalmente, os viseenses e a região envolvente podem contar com uma atitude proativa, articulada e equilibrada para se apurar a melhor solução intermunicipal para resolver os problemas infraestruturais de abastecimento e saneamento de água de Viseu e região.

Porventura não considerando outros “chumbos” que já se perfilam, o Sr. Vice-Presidente da Câmara considerou não estar em causa a viabilidade da constituição da empresa intermunicipal; “certamente será encontrada a solução. Claro que vai dar mais trabalho, vão ter de ser feitas novas atualizações dos estudos, mas dada a dimensão do concelho de Penalva não deverá haver grandes alterações”.

Para os vereadores do PS é certo, terá de haver uma reconfiguração da constituição das ‘Aguas de Viseu’, face à “solução” votada absolutamente a destempo.

Para os vereadores do PS, nos últimos anos, qual estratégia de fazer política, qual estratégia de comunicação e propaganda, o Município de Viseu embrulha cada ano sobre a aura de uma parangona. Em 2017 foi o Visit Viseu; em 2018 o Viseu Folk – EUROPEAD; em 2019 já está a ser fortemente propalado o Viseu Air Race!

Pese estes “anglicismos” anuais com que Viseu é brindada, para o PS na verdadeira orgânica do Concelho, nas infraestruturas, nos equipamentos, na economia, no social, etc. há, de facto, muitos assuntos a tratar, muitos com a máxima prioridade.

Os vereadores do PS aproveitaram a reunião para denunciar mais um atentado ambiental no Concelho de Viseu com origem numa estrutura da CMV: “a descarga descontrolada de lixiviados – com grande potencial poluidor, p.e. ao nível de metais pesados – para o solo e meio hídrico envolvente, a jusante da Lixeira Selada, já muito próximo de Mundão.”

O Sr. Vice-Presidente da Câmara garantiu que “tem havido reuniões regularmente entre a Câmara e o Planalto Beirão”, estando o caso do Mundão a ser “devidamente acompanhado e monitorizado”. Ora, para os vereadores do PS, como constataram na visita ontem realizada ao local, o descontrolo e os impactes ambientais potenciais são bem patentes.

Para os vereadores do PS o seu papel político é alertar, propor e exigir ao Executivo, para além de questionar assuntos aos quais não têm acesso direto. Nesse sentido, os vereadores do PS, sem obterem uma resposta, questionaram mais uma vez o Executivo sobre a efetiva concretização de inúmeros projetos empresariais a instalar ou expandir em Viseu, focando-se nesta ocasião no Parque Empresarial do Mundão, tendo já decorrido muito tempo sobre os habituais anúncios propagandeados pelo Executivo.

A propósito de exemplos dados sobre a implantação e desenvolvimento de parques empresariais de cariz científico-tecnológico em diversas cidades da escala de Viseu nos últimos anos, a maioria das vezes com forte interação com as instituições de ensino superior, os vereadores do PS interpelaram o Executivo Municipal sobre o processo de criação do Parque de Lordosa, lançando ainda a hipótese de criação de um parque científico-tecnológico no campus do Instituto Politécnico de Viseu, com excelentes condições de base para o efeito.

Os vereadores do PS elogiaram a realização em Viseu de novas edições do Torneio Internacional de Viseu (andebol) e do Torneio de Futsal Cidade de Viseu, sob organização do Académico de Viseu e do Viseu 2001, respetivamente, contando com o apoio decisivo da Associação de Andebol de Viseu e da CMV.

Os vereadores salientaram que, desde que tomaram posse, aprovaram sempre estes apoios aos clubes e associações do Concelho.

Apesar de todas os comentários, críticas e sugestões que os vereadores do PS têm deixado nas reuniões de câmara sobre O VISEU INVESTE, mais uma vez votaram favoravelmente um apoio levado a reunião, como sempre fizeram em todo o mandato.

Os vereadores do PS voltaram a enaltecer a política do exercício do direito de preferência na transação de imóveis na Área de Reabilitação Urbana de Viseu. Conquanto, o Executivo tenha sido alertado para o atraso significativo na concretização dos projetos de reabilitação e das intenções de ocupação-uso para os quais foram adquiridos diversos imóveis neste âmbito.

A propósito das taxas de majoração e minoração no Imposto Municipal sobre Imóveis no centro histórico de Viseu, os vereadores do PS lamentaram a inexistência de uma política mais proativa de incentivo fiscal e de licenciamento similar ou de outro âmbito permitido por lei nas freguesias rurais, sobretudo nas aldeias de menor densidade, contribuindo para contrariar alguma depressão demográfica e socioeconómica de que padecem.

Viseu, 23 de agosto de 2018

————————————————– ————————————————– ————————————————–
(Lúcia Araújo Silva) (Pedro Baila Antunes) (José Pedro Gomes)

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies