MAAVIM sinalizou mais de três mil famílias vítimas dos incêndios de Outubro e faz balanço dos apoios

Após 10 meses dos grandes incêndios de 15 de outubro, o Movimento Associativo de Apoio às Vítimas dos Incêndios de Midões (MAAVIM), constituído a 19 de outubro de 2017 e com o intuito de ajudar população local e regional, continua a lutar pelos apoios prometidos pelo Estado.

Em comunicado que fez chegar à nossa redação, a Associação sublinha que, desde a sua constituição, já foram distribuídas mais de 75 toneladas de alimentos, seis mil produtos de higiene, mais de 25 000 peças de roupa, diversos brinquedos, 25 000 quilos de ração, 20 000 árvores, 600 toneladas de material de construção, centenas de eletrodomésticos e mobiliário para equipar as casas ardidas e dezenas de alfaias e pequenas máquinas agrícolas, que se adquiriram com os donativos para os casos mais urgentes.

De acordo com o MAAVIM, foram sinalizadas mais de três mil famílias, que foram ajudadas com diversos bens nos concelhos de Tábua, Oliveira Do Hospital, Arganil, Góis, Seia, Gouveia, Nelas, Carregal do Sal, Tondela, Santa Comba Dão, Mangualde, Penacova, Vila Nova de Poiares, Lousã, Vouzela e Oliveira de Frades.

“Efetuámos mais de uma centena de candidaturas aos projetos simples de restituição produtiva, num valor superior a 500 000€ e elaborámos 12 candidaturas ao PDR2020, sem qualquer custo, num valor de mais de 3 milhões de euros”, avançou a MAAVIM.

“Passados dez meses, aguardamos para que tenhamos as mesmas medidas de apoio que Pedrogão. Para que as populações do Algarve, de Mação e de outros concelhos afetados tenham todas as mesmas medidas e apoios. Esperemos que não continuem a ignorar a tragédia do dia 15 de outubro”, refere o comunicado.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies