Médica do Centro de Saúde de Nelas de baixa há nove meses. Utentes queixam-se de “abandono”

Relatos de diversos utentes sobre os pacientes da médica e coordenadora da unidade de Nelas, Irene Ligeiro, dão conta da situação de vazio em que se caiu, desde que, há cerca de nove meses, está de baixa médica.
Se a constituição da república portuguesa refere no direito à saúde : “O direito à protecção da saúde é realizado através de um Serviço Nacional de Saúde (SNS) universal e geral e, tendo em conta as condições económicas e sociais dos cidadãos, tendencialmente gratuito”, podemos dizer que este caso mais recente em Nelas, faz com que o mesmo seja uma miragem, ou apenas uma recordação do passado. Diversos pacientes de Irene Ligeiro, queixam-se de estarem “votados ao abandono”, dado que, desde que a médica entrou de baixa, não conseguem nenhuma consulta, pois não foram encaminhados para os outros três médicos de família que exercem atividade no centro de saúde. “Estamos a falar de uma boa parte de utentes envelhecidos, com diversos problemas crónicos, como diabetes ou cardíacos, que necessitam de exames e consultas frequentes”, explicam.  Resta como alternativas “deslocações às urgências do hospital distrital de Viseu (que de qualquer forma para passar credenciais para exames é muito difícil ou mesmo quase impossível), ou pagar consultas e exames no privado”. “Era suposto os doentes desta médica serem divididos pelos três médicos que restam no centro de saúde, nas até ao momento nada foi feito. Eu tenho a minha mãe nessa situação”, diz-nos a filha de uma utente.
O nosso jornal já contactou, via e mail, o secretariado da ACES Dão Lafões, para esclarecer a situação.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies