“Lapa do Lobo: Aldeia Cultural”: Arte da Tecelagem, Fabulosa Máquina e Passeio de Pasteleiras

Mimi Fontes, estreante na arte da tecelagem disse que a dificuldade está “no remate”, mas não vai desistir de aplicar o que aprendeu na oficina para continuar “a fazer uma passadeira à medida” para casa. “Na oficina fiz uma amostra, mas depois continuo o processo em casa porque me apaixonei pela arte da tecelagem”, confessou. A Oficina de Tecelagem, na Rua dos Castanheiros, traduziu-se numa aproximação à arte e engenho do tear onde participantes experimentaram as bases de uma tecelagem, entre teia e trama. Enquanto decorria a oficina, uma das atividades do 1º encontro artístico, Lia Alvadia, formadora desta arte tão tradicional, confessou as reações que recebeu: “Está a correr lindamente, os participantes dizem que é uma arte tranquilizante e quase todos conseguiram terminar um trabalho e levar como recordação para casa”.

A “Fabulosa Máquina” andou pelas ruas da Aldeia Cultural

A “Fabulosa Máquina” andou por aí, entre cantos e recantos da aldeia Lapa do Lobo, a “fazer parar o tempo” neste 1º encontro artístico. O projeto “Walking Camara Project”, de João Paulo Barrinha, faz acreditar que “a memória não se perde, transforma-se”, através de retratos com recurso a processos fotográficos artesanais. Sabem o que era digno de ser fotografado pela “fabulosa máquina”? A surpresa, espanto e admiração constatada na cara dos visitantes da Lapa do Lobo Aldeia Cultural que desconheciam a técnica e ficaram sem palavras: “nunca tinha visto esta técnica, a não ser na internet ou em filmes e estou maravilhada. É uma técnica que está a desaparecer e não devia porque é mágico, para além da fotografia estar pronta na hora”, confessou Micaela Correia, que decidiu conhecer o “Fotógrafo à la Minute”. 
Mas a surpresa não foi só dos participantes. “Fiquei surpreendido com a receção do público, em termos de interesse das pessoas no meu trabalho, proximidade e resultado”. Foram 3 dias de intenso trabalho para João Paulo Barrinha mas o balanço positivo era digno de fotografia.

Passeio de Pasteleiras

A organização foi da ADCL e cerca de uma centena de ciclistas juntaram-se para cumprir a tradição.As buzinas fizeram-se ouvir pela Aldeia Cultural, em mais um passeio de pasteleiras.

Fonte : “Lapa do Lobo : Aldeia Cultural”

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies