O Envelhecimento. Opinião por Ana Gomes

Inicio a minha colaboração neste jornal abordando temas sobre Envelhecimento.

Envelhecimento

Nas sociedades atuais, o aumento do número de idosos é uma realidade inevitável e tendencialmente crescente, consequência de uma maior longevidade humana e das alterações demográficas das sociedades desenvolvidas.

O envelhecimento tornou-se assim, num problema social e tem despoletado desafios a vários níveis, entre os quais o aparecimento e crescimento de respostas sociais.

Face a esta realidade, a sociedade viu-se obrigada a criar políticas de apoio social para os idosos, tendo-se verificado o aparecimento de respostas sociais e o crescimento do número de equipamentos sociais e, consequentemente, o alargamento do espaço de intervenção social.

Atendendo ao fenómeno da transição demográfica nas sociedades desenvolvidas, a velhice passou a ser um problema social, principalmente para os idosos sem retaguarda familiar ou em situação de especial vulnerabilidade.

Algumas das consequências do envelhecimento da população, são o aumento das despesas com a saúde; a diminuição da produtividade, reduzido número de população ativa; o aumento das despesas com a Segurança Social; o elevado valor para pagamento de reformas entre muitas outras.

Para as famílias também o desgaste físico e emocional começa a ser muito maior quando existe um familiar envelhecido e doente.

A família pode ser compreendida de diferentes perspetivas, não existindo uma definição única e qualquer tentativa de descrição dependerá do olhar, do objetivo, do tempo histórico e da cultura de quem a faz.

Toda a família tem um papel fundamental e, dessa forma, deverá estar diretamente envolvida no processo de envelhecimento que também pode ser vivenciado satisfatoriamente por todo o núcleo familiar. Conseguir este feito tem relação natural com a forma como a família se constituiu até então e como valoriza e respeita a sabedoria daquele que envelhece.

Uma família cuidadora de um idoso apresenta particularidades que devem ser consideradas partindo desde logo do significado para essa família do que representa “cuidar”. Deve significar atenção, precaução, cautela, dedicação, carinho, encargo e responsabilidade. Dessa forma, o ato de cuidar implica na maioria das vezes oferecer ao outro o resultado do seu amor, e escolhas. Esse cuidado deve ir além dos cuidados com o corpo físico, pois além do sofrimento físico decorrente de uma doença ou limitação, devem ser consideradas as questões emocionais e a história de vida da pessoa a ser cuidada.

Podemos dizer que as famílias são neste momento o grande suporte dos nossos idosos, e que existem ainda poucas respostas sociais adequadas.

Todos desejamos que o envelhecimento da população possa também constituir, em simultâneo, um desafio e uma oportunidade, se as vidas mais longas e saudáveis coincidirem com o prolongamento da vida ativa. Deveremos ter como objetivo aumentar a expetativa de uma vida saudável e a qualidade de vida para todas as pessoas que estão a envelhecer.

Ana Gomes

anagomesteresa@gmail.com

(Licenciada em Animação Sociocultural

Pós Graduada em Gestão em Organizações de Economia Social

Pós Graduada em Intervenção Psicossocial)

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies