Economia Circular e os territórios do interior. Opinião por Rui Tavares

Os territórios do interior, como resultado dos usos do solo, das práticas de ordenamento, das atividades económicas dominantes, e da evolução demográfica, asseguraram uma maior preservação dos ecossistemas naturais e são hoje particularmente ricos em biodiversidade. A valorização destes recursos é um requisito indispensável à elaboração de uma agenda para o desenvolvimento do interior, e este entendimento é hoje consensual.

Uma economia circular é, por princípio, regenerativa, tendo como objetivo manter produtos, componentes e materiais no seu mais alto nível de utilidade e valor o tempo todo. O modelo defende que os resíduos devem ser transformados, através da inovação, em potenciais subprodutos ou outros materiais, que promovam a reutilização, recuperação e reciclagem.

Conceito que assenta na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. Os resíduos devem ser transformados, através da inovação, em potenciais subprodutos ou outros materiais, que promovam a reutilização, recuperação e reciclagem.

A economia circular é uma emergente abordagem à produção e ao consumo que permite desenvolver inovação, novos produtos, serviços e novos modelos de negócio, que contribuem para um relacionamento mais equilibrado, e criativo, entre empresas, consumidores e os recursos naturais.

É cada vez menos uma questão de gestão do que de relações sociais, atitudes e desejos. A transição para a economia circular não se fará sem mudanças fundamentais de comportamento e de modos de pensar. Ser utilizador em vez de consumidor, partilhar em vez de acumular, estas novas formas de estar no mundo estão na base da construção de uma economia circular, e envolver a sociedade é essencial.

As inovações tecnológicas, a consciencialização social, as boas practicas fazem parte do contexto de economia circular. A cada vez maior necessidade para um crescimento sustentávil, livre de resíduos, indústrias, comerciais, florestais, e a sua aplicação numa economia sustentável é cada vez mais importante.

Essa economia, é a economia circular, importante para o crescimento do interior, na reserva de que possibilita um melhor gestão, crescimento e atractividade destas zonas, potencializar indústrias com a reutilização de resíduos, criação de novas empresas, produtos, potenciar os produtos endógenos, aproximar mercados.

Crescer o interior é desenvolver as características das regiões, atrair gentes, atrair capacidade produtiva, fixação de novos agregados populacionais, com o consequente desenvolvimento do interior, tornando-o mais capaz, mais atractivo, e fonte de ofertas para as comunidades locais.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies