Ministério da Administração Interna diz que alugou 50 aeronaves para combate a incêndios

Imagem de Arquivo
Na sequência da notícia publicada hoje pelo Expresso “Ajustes diretos de helis ficaram 47% mais caros”, o Ministério da Administração Interna esclarece: A notícia não corresponde à verdade.
Vamos ter mais mais meios aéreos, com mais disponibilidade ao longo do ano e a menor custo. Considerando o maior número de meios e maior expansão de período de funcionamento dos mesmos (50 aeronaves alugadas em 2018 face a 41 no período 2013/2017), podemos concluir que os encargos com o dispositivo aéreo são inferiores em 2018 comparando com o período 2013/2017. O custo do dia operacional dos meios aéreos locados em 2018 é de 3.717 euros, enquanto no período anterior era de 4.563. Ou seja, uma redução de 18,5% do custo dos meios.
Esclarece-se ainda que, pela primeira vez, 14 dos 50 meios alugados ficam operacionais durante todo o ano, respondendo assim à imprevisibilidade das condições atmosféricas fruto das alterações climáticas.
Para que se perceba a diferença, o dispositivo tem nesta data 34 meios alugados enquanto que no período 2013/2017, na sequência do concurso de 2012, tinha apenas 5.
Não é admissível comparar os valores de concursos para aluguer de helicópteros ligeiros por dois anos com ajustes directos para um único ano e com aeronaves diferentes. 8 helicópteros ligeiros foram substituídos por 8 médios que transportam mais 47% de água e mais 60% de operacionais face aos ligeiros.
Importa ainda deixar bem claro que mesmo com recurso ao ajuste direto e com meios de maior capacidade, foram conseguidos preços inferiores em 9,3% (menos 1,2 milhões de euros) face às propostas mais baixas do concurso público e inferiores em 21,3% face às mais altas (menos 3,1 milhões de euros) no que diz respeito ao aluguer dos helicópteros.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies