Festival “Street Art” arranca hoje, 17 de Maio, em Viseu.Pintura em três dimensões e mural de azulejos marcam o evento

Uma pintura em três dimensões do artista argentino Eduardo Relero e um mural em azulejos da dupla portuense Draw e Contra são as inovações da edição deste ano do Festival de Street Art de Viseu, que foi hoje apresentado.

O festival, que se realiza no âmbito do Tons de Primavera, entre 17 e 20 de maio, contará com sete criadores e quatro coletivos de artistas.

“Não nos interessa a arte pela arte. Interessa-nos uma arte que valorize a identidade e o ecossistema criativo e cultural de Viseu”, afirmou o vereador da Cultura, Jorge Sobrado, acrescentando que, dos 16 artistas, seis são de Viseu.

No ano em que Viseu se assumiu como Cidade Europeia do Folclore, o município propôs aos artistas “investigarem, pesquisarem e reinterpretarem os traços da identidade, da cultura folclórica e popular” da região.

“Teremos pinturas, murais e instalações artísticas que partirão à redescoberta desse fundo cultural que é o folclore e a etnografia e atribuirão novas paisagens urbanas e rurais ao concelho”, sublinhou Jorge Sobrado.

No final, Viseu ficará com mais onze novas criações, a juntar aos 28 pontos já existentes do roteiro de Street Art de Viseu.

Em Viseu estará Eduardo Relero, que executará a primeira pintura 3D da cidade, numa das portas da Feira de S. Mateus, que é considerada “um ícone da cultura popular” da região.

O outro destaque vai, segundo Jorge Sobrado, para a intervenção no muro de suporte ao edifício da PSP, onde Draw e Contra farão “uma grande criação mural em azulejo”.

“Terá entre 1.110 e 1.600 azulejos e será feita numa parecia com Câmara Municipal de Ovar”, explicou o vereador.

Frederico Campos, conhecido por Draw, disse aos jornalistas que este trabalho será um desafio: “vamos pintar da forma mais clássica, obviamente com um ‘twist’ contemporâneo a nível de pintura, que é aquilo que nós queremos acrescentar ao que Viseu já tem de técnica de azulejo”.

Participarão também neste festival os artistas viseenses Ana Seia de Matos, Ergo Bandits, Juliana Ferreira e Carlos Sousa e outros vindos de vários pontos do país, como Godmess, Glam, Halfstudio, Nuno Pimenta, Samina e Nuno Palhas AKA Third.

Além da freguesia de Viseu, também as de Abraveses, Bodiosa, Santos Evos, Mundão e Calde vão receber novas intervenções, no âmbito de uma aposta na descentralização artística e cultural.

“Terão intervenções de arte pública, com uma linguagem contemporânea, mas que traz ao de cima muitos dos traços de identidade da cidade e do concelho”, explicou Jorge Sobrado.

Na sua opinião, o Festival de Street Art de Viseu “está a ganhar qualidade do ponto de vista da sua expressão artística, está a ganhar braços nas freguesias, mas está a ganhar também filhos no ecossistema cultural, criativo e económico”.

Lusa

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies