Histórias de Vida. Marta Mendes : Bombeira e Modelo fotográfica nas horas livres

Está quase a completar 40 anos e tem dois filhos : o Gonçalo de 14 e a Eva de oito. Marta Mendes é uma das 29 Bombeiras, num total de 100 operacionais, da corporação de Carregal do Sal, já reconhecida como a melhor do país em termos de boas práticas (http://www.centronoticias.pt/2015/11/29/bombeiros-de-carregal-obtem-brilhante/).

Fomos ao encontro de Marta no seu quartel. Fardada, conta-nos que corria o ano de 2008 quando teve o impulso e a oportunidade de ingressar nos Bombeiros da sua terra natal como voluntária e ali efetuar, posteriormente, um estágio profissional. “Entrei nos Bombeiros de Carregal em 2008, como voluntária, efetuei depois um estágio profissional (em 2015,com a duração de nove meses) e entrei para o quadro em 2016”. A vontade de contribuir para a proteção e socorro a bens e principalmente pessoas, já lhe corria nas veias desde cedo.”Consegui concretizar um sonho e fazer o que mais gosto – ser bombeira”, confessa-nos. Mas compatibilizar o papel de mãe, com horários por turnos, torna-se especialmente difícil. O apoio da família mais próxima é por isso fundamental : “Tenho os meus pais, principalmente a minha mãe, como suporte”, pois se vivesse sozinha com os filhos, reconhece que não seria possível ser Bombeira, profissão que considera não ser só para homens. “Sou muito feminina e gosto muito de trabalhar com todos os meus colegas homens, com quem tenho uma boa relação”, revela-nos. O bom ambiente de trabalho, numa corporação considerada modelo a nível nacional, em termos de boas práticas, é realçado por Marta Mendes. “Brincamos e rimos todos juntos, mas quando é hora de trabalhar, somos profissionais e sabemos trabalhar em equipa”, diz-nos. E uns “piropos” de vez em quando ? “Sim, são uma constante, mas sempre com respeito”, refere, sorrindo.

Instada a recordar o momento mais marcante neste seu percurso, não hesitou : “O 15 de Outubro de 2017 ficará para sempre na memória de todos e ainda nem consigo falar muito sobre o assunto”. A bombeira, que também é massagista no CF Carregal do Sal,encontrava-se, na fatídica tarde,num jogo do clube, tendo assistido um jogador depois de um lance perigoso. O atleta teve que ser transportado para o Hospital da Universidade de Coimbra e Marta foi acompanhá-lo. “No regresso, as estradas já estavam cortadas, as notícias que iam saindo relatavam uma tragédia sem precedentes, e eu impotente”. “Só queria ir para junto dos meus pais e filhos e não consegui”, acrescenta. O fogo cercou a casa dos pais e os filhos tiveram que fugir sozinhos, e esta foi “uma situação de grande desespero e sem dúvida a pior que vivi, até porque nada podia fazer, ou seja, sendo Bombeira naquele momento não podia ajudar os que mais precisam de mim e de quem mais gosto, o que ainda hoje me dói”.

Marta é apaixonada pela sua atividade. A paixão que coloca no exercício da profissão é eloquente nesta frase : “Seja dia ou noite, esteja sol ou chuva, a nossa missão é socorrer e faço-o com grande prazer”.

Nos tempos livres, ajudar uma amiga (Salão Carla Hair) a promover uma coleção de roupas, servindo de modelo, onde impera a elegância, é outras das atividades onde coloca a sua paixão. Paixão pela vida, pela família, pela profissão,com desejos, anseios e sonhos que passam principalmente pela felicidade dos dois filhos e por muita paz na humanidade.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies