Viseu.Bloco de Esquerda promove vigília em memória de Marielle Franco e promete “transformar o luto em luta”

Numa nota enviada ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), o Bloco de Esquerda (BE) sublinha que “transformaremos o luto em luta”. O Parlamento português votou por unanimidade um voto de pesar pela morte da vereadora e de Anderson Pedro Gomes. Amanhã,19 de Março, pelas 18h o BE agendou para o Rossio em Viseu uma vigília.

Numa nota de pesar enviada pelo Secretariado Nacional e pelo Departamento Internacional do Bloco de Esquerda ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), os bloquistas expressam “o seu profundo pesar pelo assassinato de Marielle Franco, vereadora eleita pelo PSOL no Rio de Janeiro, lutadora, feminista, militante dos direitos humanos e contra a ocupação de vastas áreas urbanas pela intervenção federal militar do governo federal no Rio de Janeiro”.

“O empenho de Marielle Franco na luta pelos direitos humanos, especialmente em defesa dos direitos das mulheres negras e dos moradores de favelas e periferias, e na denúncia da violência policial inspirará ativistas em todo o mundo”, escreve o Bloco.

O partido afirma-se “solidário com a comunidade brasileira em Portugal” e garante que “trabalhará com todos os movimentos de esquerda, feministas e afrodescendentes que se estão a mobilizar para denunciar a morte de Marielle como uma execução”.

“Transformaremos o luto em luta”, remata o Bloco.

Parlamento votou por unanimidade voto de pesar por Marielle Franco

O Parlamento português fez esta sexta-feira um minuto de silêncio depois de votar por unanimidade o voto de pesar pela morte de Marielle Franco e Anderson Pedro Gomes.

No documento, são lembradas as últimas palavras proferidas de Marielle Franco, a vereadora do Partido Socialismo e Liberdade na cidade brasileira do Rio de Janeiro, “mulher, negra, lésbica, ativista, defensora intransigente dos Direitos Humanos e auto-intitulada ‘cria da favela da Maré’ que foi brutalmente assassinada a tiro na passada quarta-feira, dia 14 de março”:

O mandato de uma mulher negra, favelada, periférica, precisa estar pautado junto aos movimentos sociais, junto à sociedade civil organizada.

Com a aprovação deste voto, a Assembleia da República “manifesta o seu pesar pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Pedro Gomes e transmite as suas condolências aos seus familiares, ao PSOL e ao povo brasileiro, e exprime a mais veemente condenação pela violência e pelos crimes políticos e de ódio que aumentam de dia para dia no Brasil”.

Estão a ser convocadas iniciativas em memória de Marielle Franco em Portugal. Veja aqui a lista das concentrações:
Convocadas várias concentrações em homenagem a Marielle Franco

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies