Portugal atinge recorde de produção de azeite

O país deverá superar as 120 mil toneladas e fixar um marco histórico, equiparável ao de 1953, mas não é esperada uma descida acentuada no preço.

A produção nacional de azeite deverá ultrapassar este ano as 120 mil toneladas e tornar-se numa campanha histórica, muito idêntica à ocorrida há 64 anos, quando se apuraram 121,8 mil toneladas, o maior valor desde que há registos, iniciados na década de 40. É assim atingida com três anos de antecedência a meta das 120 mil toneladas que a Casa do Azeite tinha estabelecido para 2020. A partir desse ano, a organização do setor estima que as produções médias nacionais possam chegar às 130/140 mil toneladas por ano. Não é apenas uma questão de peso. O Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) considera a campanha que está agora a terminar como “excecional” também pelo rendimento em gordura da azeitona, isto é, com a mesma quantidade de azeitonas obteve-se maior quantidade de azeite do que o normal, especifica a Casa do Azeite. Como resultado, a produção tem menos acidez e é quase toda classificada como “virgem extra”, completa o SIMA. Para o recorde de produção terão contribuído as condições climatéricas da primavera, que originaram elevada floração e garantiram o vingamento dos frutos, bem como o tempo seco e quente no final do ciclo, que travou a propagação de doenças. Mariana Matos, secretária-geral da Casa do Azeite, acrescenta o facto de a produção ser marcada por anos de safra, como foi o de 2017, com anos contrassafra, como a anterior. O aumento de área de olival foi outro motivo incontornável, em especial no Alentejo, que é, pelo menos, desde 2007, a maior região produtora de azeite do país, muito por força do Alqueva. Numa década (2006-2016), a produção alentejana triplicou, continuando Trás-os-Montes com a segunda posição. Efeitos no preço? Apesar da excecionalidade, Portugal deverá ser o nono maior produtor mundial de azeite, com 2,7% da produção, segundo o Conselho Oleícola Internacional (COI). Em 2015, por exemplo, estava melhor contado, na oitava posição, embora com igual percentagem no contributo produtivo. Um dos impactos da boa campanha já se terá traduzido no aumento do rendimento dos produtores, tendo em conta a subida do preço pago pelo azeite virgem extra, no ano passado, num valor médio de 3,81€ por quilo, mais 15% face a 2015, por exemplo.

No mercado, o SIMA observou que, nas transações a granel, no início de março, o azeite virgem extra vendido em garrafões de cinco litros chegou aos 5,10€ por litro, em Trás-os-Montes. Já o azeite biológico do Alentejo estava nos 10€ por litro. Quanto ao impacto no preço ao consumidor final, a Casa do Azeite admite que “poderá haver alguma correção, mas enquanto os stocks mundiais se encontrarem nos níveis baixos atuais, não é expectável uma descida acentuada dos preços”. Pouco no prato Só que o frenesim da produção ainda não contagiou os hábitos os portugueses. O consumo de azeite em Portugal tem-se mantido estável, nos 7,1 quilos por habitante e por ano, segundo o Instituto Nacional de Estatística, e só surge em décimo lugar do consumo mundial, com uma fatia de 2,4%. Os produtores viram-se, portanto, para a exportação. Mais do que um aumento nas quantidades exportadas, o que tem sido significativo são os valores alcançados nas vendas ao exterior, que têm vindo a crescer de forma consistente, pelo menos, desde 2006, apenas com dois anos de quebra nesse intervalo, para chegar a 2017 com o valor mais alto desse período, de 510,4 milhões de euros, estima do Eurostat. No ano passado, chegou mesmo a acontecer exportarmos menos para Espanha e Itália, mas a ganharmos mais dinheiro, com uma subida de 41,6% nas vendas para Espanha e mais 19% para Itália, sendo o país vizinho o nosso principal destino, seguido do Brasil, Itália, Angola, Polónia e França, um ranking diferente do de dois anos antes, quando Angola ocupava o primeiro lugar e Espanha o terceiro.

De acordo com o COI, Portugal terá chegado a 2017 como quinto maior exportador mundial, no comércio extracomunitário, com 4,4% do mercado. Em 2015, ocupava o quarto lugar. Para satisfazer o crescimento das exportações, o país também tem recorrido à importação. Com oscilações, em 10 anos, estas passaram de 70 mil toneladas, por 228 milhões de euros, para 101 mil toneladas, em 2017, por 359 milhões. Boa produtividade No maior produtor nacional de azeite, o Grupo Sovena, detentor da maior área produtiva no Alqueva e de um dos maiores lagares de azeite do mundo, a produção em Portugal, através da sua participada Elaia, atingiu 120 mil toneladas de azeitona (a quantidade de azeite não foi revelada). “Foi um ano de muito boa produtividade, graças à disponibilidade de água e às boas práticas que são também responsáveis pela boa qualidade do produto final”, comentou Luís Folque, administrador da empresa. “O crescimento da produção própria da Sovena é algo que deve continuar pois ainda há áreas novas a entrar em produção”. Reconhece que Portugal foi, em 2017, um dos países com melhor produtividade a nível mundial, a par da Itália, Tunísia e Turquia. “O melhor azeite do mundo” tem a maior produção de sempre A maior cooperativa de produção de azeite em Portugal, a de Moura e Barrancos, no Alentejo, reflete bem o salto produtivo alcançado a nível nacional. Ela própria atingiu um recorde, quase duplicando a produção face ao ano anterior. Até 12 de março, o último dia da campanha 2017/18, entraram 45 milhões de quilos de azeitonas (+95% face ao ano anterior) e, deles, a cooperativa estima obter cerca de nove milhões de litros de azeite.

Para o “recorde de todos os tempos”, como sublinha Luís Saraiva Crisóstomo, assessor do conselho de administração, contribuíram apenas os associados da cooperativa, num total de 4000. Apesar de apenas 1200 serem olivicultores, a produção de azeite representa 90% do “core business” do organismo. Antecipando a pergunta, remata: “Não entra nada de fora dos nossos associados, nem compramos azeite de fora”. E o que contribuiu para a abundância inesperada? “Esta é uma zona de excelência para o olival, devido às condições edafoclimáticas e à tradição da atividade na região”, explica Luís Crisóstomo. Inclusive, recorda que o azeite de Moura foi o primeiro a ver reconhecida a Denominação de Origem Protegida, além de continuar a ser a maior DOP de azeite em Portugal. O predomínio de olival tradicional, isto é, extensivo e de sequeiro, tem proporcionado ciclos de grande produção que alternam com outros de baixa produção. O que acaba de ocorrer é um ciclo generoso. Para evitar a oscilação produtiva, a cooperativa aguarda pelo alargamento do perímetro de rega do Alqueva, onde o regadio poderá ajudar a estabilizar a produção. “Esta quantidade foi uma boa surpresa e a qualidade é excecional”, uma vez que as elevadas temperaturas acabaram por afastar as pragas, com a feliz coincidência de a oliveira ser uma planta de sequeiro, bem adaptada à escassez de água. A entrada em produção de olivais mais recentes foi outra chave para o êxito da atual campanha, admite Luís Crisóstomo. O foco vai ficar agora colocado na comercialização do azeite. O mercado nacional absorve a totalidade da produção da cooperativa, mas, de ano para ano, a exportação tem vindo a conquistar o seu lugar. Luís Crisóstomo explica: “A ideia é vender em mercados onde há valor acrescentado, onde valorizem a nossa qualidade. Não é por acaso que o nosso azeite tem arrebatado tantas distinções, em concursos nacionais e internacionais. Afinal, somos o melhor azeite do mundo!”, um título, aliás, exibido por outros produtores nacionais, como os azeites transmontanos Romeu, CARM e Casa de Santo Amaro ou Gallo. O olival é a maior área cultivada no Alqueva O olival é a principal cultura do Alqueva, com 41, 2 mil hectares, em 2017, segundo a EDIA, e deverá aumentar. Representa mais de metade do perímetro de rega do empreendimento e quase um quarto da área oleícola do Alentejo. A maior parte dos cerca de 97 espanhóis que investem no Alqueva detêm 35% do olival. São os maiores investidores estrangeiros. O que produzem conta como produção nacional e se o vendem a Espanha entra nas nossas exportações.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies