Sessão de sensibilização de alerta para roubos, burlas e riscos em Carregal do Sal

Meia centena de destinatários participaram na nova sessão de alerta para roubos, burlas e riscos no espaço da residência que a Rede Social do Concelho de Carregal do Sal levou a efeito na passada quarta-feira, 6 de Dezembro, no salão do Centro Cultural, dinamizada pela GNR e pelos Bombeiros Voluntários de Carregal do Sal.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ana Cristina Borges, vereadora da Ação Social da Câmara Municipal, depois de agradecer as presenças e a parceria da GNR e dos Bombeiros, lembrou a altura do trágico incêndio de Outubro e o aparecimento de mais burlas ao fundamentar a oportunidade e a importância de acções de sensibilização como esta.
Os alertas de sensibilização foram transmitidos pelo cabo Ricardo Sousa, da Secção de Programas Especiais do Destacamento Territorial de Santa Comba Dão, acompanhado pelo cabo José Cruz, e por Filipe Lopes, comandante interino dos Bombeiros Voluntários de Carregal do Sal.
Ricardo Sousa mostrou imagens de situações facilitadoras da actuação de assaltantes e burlões, como esconder as chaves da porta em canteiros de jardim ou em buracos de tijolo; trazer a carteira de braço ou de mão do lado da estrada, o que facilita o roubo por esticão; dar conversa a pessoas desconhecidas bem-falantes e cheias de boas intenções, o que proporciona o roubo de objectos pessoais de valor; acreditar num desconhecido que se apresente como parente, um truque para ganhar a confiança da pessoa abordada e assim consumar a burla ou o roubo; deixar-se tentar por algum vendedor de roupa à porta de casa; acreditar em quem se apresente como “filho do capador”, situação várias vezes verificada actualmente; negociar com compradores desconhecidos de ferro velho; aceder ao pedido de estranhos para ira à casa de banho; acreditar num portador de encomendas desconhecidas; negociar com vendedores de máquinas fotográficas, computadores, telemóveis, etc., que geralmente são de duvidosa qualidade e sem valor; trocar notas, sendo que ninguém é mandado por qualquer serviço oficial a casa das pessoas para isso; ou permitir o assédio adulador de desconhecidos, cuja intenção é o roubo de fios de ouro ao pescoço ou relógios de pulso.
O agente avisou que algumas daquelas situações foram detectadas no próprio concelho e recomendou que, em caso de dúvida ou desconfiança, as pessoas abordadas comuniquem isso de imediato à GNR, tendo o cuidado de descrever o maior número de características possível de identificação, como idade, altura, cor dos olhos, sexo, cabelos, roupas, barba, tatuagens, sinais, piercings, deficiências, pronúncia, matrícula de carro, marca, modelo, cor e sentido da fuga.
Por sua vez, Filipe Lopes enumerou alguns riscos de quedas em casa (pavimento escorregadio ou irregular, ladrilhos mal fixos, portas de pequenas dimensões, puxadores difíceis de segurar, ausência de corrimão, tapetes soltos, móveis que prejudicam a mobilidade, mobiliário excessivo, interruptores muito altos ou muito baixos, fraca iluminação, ausência de protecção na banheira, camas muito altas ou muito baixas, cortinas demasiado compridas, cabos eléctricos e objectos no chão, entre outros) e sugeriu formas de os evitar. Descreveu depois algumas medidas preventivas de incêndio em casa, aconselhando que, em primeiro lugar, é necessário manter a calma e tentar observar o foco do incêndio e se há forma de o apagar, por exemplo, com um extintor. Recomendou que se deve apagar lareiras, fósforos e cigarros correctamente, não fumar na cama, não atirar beatas para caixotes do lixo, evitar sobrecargas na instalação eléctrica e ligações eléctricas caseiras, limpar chaminés, rever instalações de gás e caldeiras, não abandonar utensílios de cozinha ao lume, verificar os bicos de gás ao sair de casa, não colocar tecidos perto do fogão, não lançar água numa frigideira incendiada, não acender a luz quando haja cheiro a gás, não dormir com cobertor eléctríco ligado, ter cuidado com as velas de cera, evitar secar roupa em lareias ou aquecedores a gás, e não acender a lareira com combustíveis líquidos.
Particularmente, no caso de uma frigideira, o comandante aconselhou o uso de uma tampa quando está a cozinhar, podendo a mesma também ser usada se a frigideira se incendiar. No cheiro a gás, advertiu que não se accione o interruptor da luz, se desligue imediatamente o contador e se abra portas e janelas, para evitar uma explosão. Por fim, esclareceu como deve ser pedido um socorro, que passa, principalmente, por descrever o que se vê, informar a morada e se há pessoas em risco.
No final, foram distribuídas fitas de uso com chaveiros, onde consta a identificação do Município, os números do Posto da GNR de Carregal do Sal e das duas corporações de bombeiros do concelho e a frase «Com o Município a colaborar, as chaves vou guardar e as autoridades contactar».