Marisa Matias em Carregal do Sal : “A Clara nunca se calou”

Na apresentação da candidatura à Assembleia Municipal de Carregal do Sal, encabeçada por Diego Garcia e Liliana Andrade, os candidatos falaram primeiro sobre o exemplo e importância de Clara Alexandre para a região. Marisa Matias recordou os ativismos pelos quais a Clara lutou.
“A Clara nunca se calou e tenho a certeza de que as pessoas que aqui estão hoje são gente dessa fibra. Gente que nunca se vai calar”, disse Marisa Matias.

A sessão de lançamento da candidatura do Bloco de Esquerda à Assembleia Municipal de Carregal do Sal, encabeçada por Diego Garcia e Liliana Andrade, ficou marcada pela morte de Clara Alexandre esta sexta-feira. Ambos os candidatos, bem como Marisa Matias, prestaram-lhe homenagem.

Para Diego Garcia, a Clara “foi a primeira pessoa a dar apoio à candidatura do Carregal. Dava-nos conselhos, força, (…) e mesmo nos momentos mais difíceis como estes últimos tempos, a Clara fazia questão de estar presente nos nossos debates e iniciativas”.

Também Marisa Matias recordou os caminhos difíceis que percorreu com a Clara em diferentes ativismos. “A Clara era a personificação da Democracia em si mesmo. Com tudo o que tem de limitações e amplitude”, disse.

“Este município e este distrito são difíceis, devido a uma história difícil, a tradições difíceis de romper. E a Clara foi uma lutadora que quebrou essas tradições que nos fazem mal, que não nos dignificam, que não nos trazem qualidade de vida, mas que nos diminuem, que nos colocam ao serviço de quem nos representa em vez de ser quem nos representa estar ao serviço das pessoas. É este o sentido básico da democracia”, continuou.

“Percorri muitos caminhos desta terra com a Clara. Porque ela era uma das principais ativistas da Azul, e das lutas contra a radioatividade e poluição, bem como dos movimentos pela água. E isso é que se deve fazer. Quando toda a gente quer esconder, devemos denunciar. Quanto toda a gente quer fingir que não há um problema, não se resignar. É quanto toda a gente acha que ninguém vai dar pela coisa, dizer ‘sim vamos dar pela coisa, sim está a matar gente’. É uma questão de desenvolvimento e de futuro. E por muito que se pague alto, não nos podemos calar. A Clara nunca se calou e tenho a certeza de que as pessoas que aqui estão hoje são gente dessa fibra. Gente que nunca se vai calar”, concluiu.

O corpo da Clara Alexandre será transladado no domingo, 10 de setembro, de Coimbra para a morgue da Santa Casa da Misericórdia de Santa Comba Dão onde ficará em câmara ardente até segunda-feira, após o que será incinerado no cemitério de Santiago, em Viseu. Será feita uma última homenagem no Cemitório Novo, frente ao crematório, pelas 16h45.

“Que esperamos destas eleições autárquicas?”

Diego Garcia, primeiro candidato à Assembleia Municipal de Carregal do Sal.
Diego Garcia, primeiro candidato à Assembleia Municipal de Carregal do Sal. 

Foi com esta questão que Diego Garcia traçou o panorama político em Carregal do Sal. “Por um lado, o Partido Socialista está “esgotado e sem ideias, com um projeto igual ao de há 4 anos”. Por seu lado, o PSD “não apresenta nada de novo ao nosso concelho”, e o CDS “não se percebe o que quer” e a CDU está “invisível, como nos temos acostumado”.

Face a este panorama, diz, o Bloco apresenta “uma candidatura forte, energética, jovem mas com a experiência e a disciplina necessária para melhorar o nosso concelho”, disse. “Sabemos que a Assembleia Municipal não é um órgão executivo, mas consideramos que é o órgão indicado para começar a fazer a diferença, tal como temos feito até agora”.

Liliana Andrade, segunda candidata à Assembleia Municipal de Carregal do Sal.
Liliana Andrade (ao centro), segunda candidata à Assembleia Municipal de Carregal do Sal. 

“Levaremos para a Assembleia Municipal de Carregal do Sal propostas sobre diferentes temas”, continuou por dizer. Desde logo para garantir uma “gestão municipal da água” com o objetivo de descer a fatura da água em 20%. Defendeu também os direitos dos animais, com a construção de “um parque canino no concelho” bem como um “canil com condições dignas”.

Na área da educação, o Bloco pretende introduzir a “garantia de refeições aos alunos de famílias carenciadas nas épocas de férias”, e quer que “os parques infantis sejam acessíveis a crianças com deficiência”. Sobre acessibilidades e tranasportes, propõe a criação de uma “ciclovia urbana que ligue a Ecopista do Dão”, a criação de “uma paragem de autocarros digna para transportes nacionais e inter-regionais”, bem como uma “carrinha exclusiva e gratuita” para o transporte dos mais idosos entre as aldeias e as vilas.

No área do ambiente, para além da “luta pela proibição do glifosato”, o Bloco defende uma “requalificação urgente das ETARs, que poluem os rios e terras” da região.

Liliana Andrade, segunda candidata à Assembleia Municipal, começou por afirmar o caráter jovem da candidatura. “A nossa média de idades está nos 27 anos, sendo a lista mais jovem de Portugal”. Além disso, acrescentou, “somos uma lista paritária, com 11 elementos homens e 9 mulheres”.

A candidatura do Bloco é o produto de um longo trabalho de debates que começou “cerca de meio ano antes da data das eleições”. No “Movimento de Utentes das Águas do Planalto”, oBloco tentou “solucionar o negócio ruinoso que tão fortemente influencia as nossas faturas de água”.

Para Liliana, esta candidatura pretende “dar um novo ar à política do concelho”, diz. “Somos jovens, somos revolucionários, e somos Bloco de Esquerda, e acreditamos que existe espaço no nosso concelho para a voz do Carregal Positivo”.

 In : Esquerda.net

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies