Borges da Silva elenca investimentos em cemitérios e atira : “O candidato do PSD perdeu uma oportunidade para estar calado”

Foram os seguintes os investimentos em cemitérios por ordem de prioridade em face da necessidade encontrada:

VILAR SECO: i) situação encontrada em 2013 : 0 ( zero) campas novas ou terreno disponível; ii) investimento feito depois de 2013: compra de 3 terrenos com a área total de 5000m2 pelo preço / contrapartidas de valor médio de 10€/m; elaboração de projeto e pedido parecer á CCDRC; construção de 1 talhão com  3 dezenas de campas novas; início de construção de muros e parque de estacionamento; obras em curso ( investimento total previsto de 150.000€)

NELAS – Cemitério Novo: i) situação encontrada em 2013 : 20campas novas e terreno disponível ; ii) investimento feito depois de 2013: preparação de 5 novos talhões com mais de 250 novas campas ( investimento de mais de 50.000€);obras em curso.

SENHORIM : i) situação encontrada em 2013 : cerca de 30  campas novas disponíveis e nenhum terreno disponível junto ao cemitério da Vila existente( existência de terreno adquirido anteriormente no alto das Carvalhas para construção de novo cemitério)ii) investimento feito depois de 2013: aquisição de terreno e casa confinantes ao existente com mais de 4.000m2  por 105.000€ ; elaboração de projeto para ampliação com mais de 250 novas campas e parque de estacionamento e pedido de parecer á CCDRC; início de construção de muros e parque de estacionamento;obras em curso, com negociação com dono de terreno confinante para alinhamento e acerto de estremas a nascente. ( investimento total previsto de 250.000€)

CANAS DE SENHORIM : i) situação encontrada em 2013 : cerca de 80 campas novas disponíveis em  ampliação recente e nenhum terreno disponível junto ao cemitério; ii) investimento feito depois de 2013: aquisição de terreno com mais de 40.000m2  por 45.000€ ; elaboração de projeto para construção de um cemitério novo no final da requalificada Av da Estação com a construção inicial de talhão com mais de 200 novas campas e parque de estacionamento e parque Urbano do Cônsul e pedido de parecer á CCDRC; início de construção de muros e parque de estacionamento;obras em curso; (investimento total previsto de 500.000€).

FOLHADAL: i) situação encontrada em 2013 : cerca de 20  campas novas disponíveis e nenhum terreno disponível junto ao cemitério;ii) investimento feito depois de 2013: preparação de mais 20 campas e aquisição de terreno confinante com mais de 1.000m2  por 1500€; elaboração de projeto para ampliação com mais de 100 novas campas e parque de estacionamento e pedido de parecer á CCDRC; início  de procedimento para a construção de muros que iniciar em Setembro e parque de estacionamento;obras em curso. ( investimento total previsto de 50.000€)

NOTAS: 1) Nos termos da lei a construção, manutenção e gestão dos cemitérios são responsabilidade das Juntas de Freguesia, exceto os da freguesia sede de concelho que são responsabilidade da Câmara ; 2) Não obstante, os investimentos acima enunciados, já realizados em parte e projetados nos cemitérios de Vilar Seco, Senhorim e Canas de Senhorim ( e pinturas em quase todos os outros, bem como a construção de Casas de Banho e balneários no cemitério de Santar num investimento de mais de 30.000€) foram e serão todos suportados pela Câmara Municipal ( atenta a necessidade básica e falta de meios das Freguesias) conforme acordo estabelecido com os executivos das Juntas e a sua transferência será protocolada depois da conclusão da construção, sendo a receita da venda das campas e terrenos para jazigos das Freguesias.3) Os investimentos em cemitérios e em outras necessidades básicas, foram sendo realizados com os escassos meios libertos depois da obrigação de liquidar juros e amortizações de montante de quase 2 milhões de euros por ano em termos médios,  para pagar a dívida bancária de mais de 15 milhões de euros encontrada em 2013.

Assim: a) O autarca eleito pela Coligação PSD/CDS em 2013 em Senhorim e agora candidato pelo PSD á mesma Freguesia, com um problema que seria da  responsabilidade do seu executivo (a que pertence há muitos anos e não resolveu), é injusto e ingrato para com a Câmara e seu Presidente; b) por respeito até à Candidata do PSD e ao candidato do CDS à Câmara, que a levaram a uma “situação de ruptura e desequilíbrio financeiro estrutural” em 8 anos e não curaram de assegurar nem a capacidades de cemitérios, o autarca e candidato em causa perdeu uma oportunidade de estar calado.