Região do Dão : Colheita de 2017 deverá representar um aumento de produção de 20%

Previsões para a campanha 2017/2018 apontam para crescimentos em quase todas as regiões vitivinícolas, com o Douro e Terras do Dão a liderar o aumento, com previsão de incremento de 20%

A produção de vinho em Portugal deverá crescer cerca de 10% este ano atingindo os 6,6 milhões de hectolitros. O acréscimo global de produção é sustentado pela maioria das regiões vitivinícolas. Alentejo e Açores não preveem qualquer variação face à campanha anterior. A previsão de colheitas foi avançada pelo Instituto da Vinha e do Vinho que, em comunicado, destaca, ainda, que é nas regiões do Douro e Porto e Terras do Dão que são esperados os maiores crescimentos de produção: mais 20%. Na análise por regiões, saiba que, no Minho, os vinhos Verdes esperam um aumento de produção de 15%, em resultado das condições climáticas favoráveis no período da floração. “Não há registo de ataques graves ou de doenças ou de pragas, pelo que se espera uma boa qualidade das uvas. O ciclo da videira está avançado cerca de 10 a 15 dias relativamente a um ano normal”, pode ler-se no comunicado. Também em Trás-os-Montes é estimado um acréscimo da produção na ordem dos 15%. “A reduzida precipitação verificada, sobretudo na sub-região do Planalto Mirandês, está a afetar algumas vinhas, que começam a evidenciar sintomas de stress hídrico. Em relação à qualidade das uvas, perspetiva-se um ano de vinho de boa qualidade”. Já na Região Demarcada do Douro, onde são produzidos os vinhos do Douro e do Porto, o aumento da produção esperado é de 20%. Isto, apesar, da queda, pontual, nas zonas altas de geadas no final de abril e de granizo. “As uvas apresentam-se em bom estado fitossanitário sem problemas de míldio nem de oídio. A próxima vindima, pode ser antecipada duas a três semanas”. Na Beira Atlântico, que inclui a denominação de origem Bairrada, a produção deverá crescer em torno dos 17%, embora “a escassez de água já evidente em algumas parcelas possa trazer algumas limitações”, enquanto nas Terras do Dão as previsões são de um acréscimo na ordem dos 20%. “Até ao momento não se detetam problemas sanitários, estando as uvas sãs, pelo que se prevê uma boa qualidade das mesmas”, diz o comunicado.