Manuel Marques defende como prioridade a regularização da situação precária dos funcionários da Câmara

Lembramos que o Mapa de Pessoal da Autarquia para 2017 não foi aprovado, tendo sido pedido parecer à DGAL.

“Aquando da discussão do Mapa de Pessoal, o presidente da Câmara coagiu e humilhou os funcionários a estarem presentes na reunião,o que foi e continuará a ser de todo lamentável”, acusa o Vereador do CDS/PP. Manuel Marques adianta que Borges da Silva informou os Vereadores, na última reunião de Câmara, que a DGAL já emitiu parecer favorável, mas esclarece que “só votarei favoravelmente o documento se ele contemplar a regularização de funcionários em situação precária e extremamente preocupante de quem todos os dias tem o seu “coração nas mãos”, por lhes acabar o contrato, atirando-os, no fim, para o desemprego”,  avisando que “não votarei lugares de chefias, de amiguismo ou clientelismo político, em detrimento daquelas pessoas, que foi aquilo que nos foi apresentado, assim como não votarei aumentos de ordenados de 800€ para 1.300€, ou de 1.000€ para 2.000€ ou 3.000€, enquanto não seja garantido a outros os 700€ que hoje eventualmente auferem”. Marques defende a não criação de lugares de Técnicos Superiores, Encarregados e Chefes de Divisão, dado que “o não aumento destes vencimentos garantirá o “ganha pão” daqueles que estão em situação precária”.