Manuel Marques responde à mensagem de Ano Novo de Borges da Silva

DIREITO de RESPOSTA ao abrigo da Lei de Imprensa :

“Como sou um homem de palavra e, o prometido é devido, deixei passar estas épocas festivas e cá estou a responder ao presidente da nossa autarquia.

Na sua mensagem de natal, o autarca de alguns, não se coibiu, mesmo nesta época natalícia de atacar, quem de uma forma séria e por amor à camisola, trabalhou em prol do nosso concelho.

Fala na sua mensagem dos contratos aprovados e assinados pelo anterior Vice-Presidente da Câmara de empréstimos de mais de 11 milhões de euros contraídos em final de 2012 para evitar a falência da Câmara obrigam até 2032, não só a manter o IMI no máximo, como proíbem a contratação de qualquer empréstimo, para qualquer efeito que seja.

De facto, no mandato em que fui vice-presidente da câmara, com o meu voto e dos demais, aprovamos os empréstimos para a nossa autarquia.

Só que, os empréstimos foram para fazer obras em todas as freguesias do nosso concelho, em comunhão com os Senhores Presidentes da Junta de então.

Ao contrário deste presidente, que se usarmos uma lupa, não vislumbramos obras, dado que, apenas apresentou aos municipes: os rallies, os ciclismos, as tendas, as lonas e os pendões,  que em tudo isto em três anos já lá vão mais de 3.000.000,00€ (três milhões de euros).

Em obras, apenas vai fazendo uns remendos, destruindo aquilo que os outros no passado construiram, apagando a sua memória, e umas avenças externas que em três anos já lá vais mais de um milhão de euros.

Em suma: tão só e apenas nos brindou com festarolas e propaganda à sua imagem.

As obras feitas  no meu mandato de vereador, foram essencialmente executadas por empreiteiros do nosso concelho e funcionários da autarquia, que muito os engrandece e honra, deixarão para sempre, um marco bem vincado no nosso concelho, que também é o deles.

Para tanto, basta recordarmos que foi gasto nestes últimos três anos, com fornecedores fora do concelho o valor de 7.652.064,49€ e fornecedores do concelho o valor de 702.882.18€, dados que poderão ser consultados em www.base.gov.pt.

Quanto falsa é a sua teoria de desenvolvimento económico do nosso concelho, quando existe esta dualidade, todos nós bem sabendo que dos sete milhões a fornecedores fora do concelho, poderiam aqueles os serviços ser executados quase todos por empresários da nossa Terra.

Mas, não é esta a política do presidente da Câmara! Saiba-se lá bem porquê !

Acrescentando a tudo isto, o não pagamento aos empreiteiros que de uma forma séria trabalharam para o Muinicipio no mandato anterior!

O atual Presidente da Câmara, pode usar todas as diatribes contra a minha pessoa. Mas, nunca me acusará que usei o lugar de autarca para pedir avenças para o meu escritório, nunca comprei terrenos de manhã e os vendi à tarde, com lucros fabulosos! nunca usei o lugar de vereador, assinando ou escondendo documentos em proveito próprio, nunca apelidei os funcionários da autarquia de ladrões ou de alcoólicos.

Como sempre os meus atos enquanto autarca, já foram sindicados mais de uma dúzia de vezes pela Policia Judiciária, pelo Ministério Publico e num passado recente, em julgamento por três juizes, em que a minha absolvição, motivou a amargura, a derrota pessoal e politica do atual presidente.

Servi o meu concelho e não me servi do meu concelho.”

Manuel Marques – Vereador do CDS/PP