“Continuam por pagar milhares de euros a honestos fornecedores da Câmara. Vai sendo tempo de se acabar com isso”

Luís Pinheiro, histórico do PSD, líder do Movimento pela Restauração do Concelho de Canas de Senhorim e membro do executivo da Junta de Freguesia, vai recandidatar-se, em 2017, a um novo mandato como presidente de Junta, assumindo ser esta a sua última candidatura.

Em entrevista, fala-nos da relação com o executivo liderada por Borges da Silva, elogiando o seu trabalho e a parceria estabelecida com a Junta Canense, não deixando contudo de relevar alguns pontos negativos.

Qual a sua motivação e objetivos a que se propõe com uma nova candidatura à Junta de Freguesia em 2017?

    A minha motivação é a mesma de sempre. Voltando o meu nome a ser, mais uma vez, proposto como cabeça de lista da candidatura autárquica do MRCCS, não podia deixar de responder afirmativamente ao repto que me foi lançado. Desta vez, contudo, para a minha aceitação estabeleci duas condições preliminares (entretanto, unanimemente aprovadas): ser esta a minha última candidatura e a manutenção da atual equipa na Junta de Freguesia, tanto no Executivo como na Assembleia, nomeadamente o Mário Pires (que tem revelado uma enorme capacidade de trabalho à frente da nossa autarquia).

    Quanto aos objetivos, manterei também o meu lema de sempre: se a luta pela restauração do Concelho de Canas de Senhorim não pode morrer, também o crescimento e desenvolvimento da nossa terra não pode parar! Aqui chegados, e não sendo fácil reunir, presentemente, os favores dos tempos legislativos e políticos, a única estratégica possível do MRCCS, para já, é fazer tudo o que tiver ao seu alcance para unir, sem exceção, todas as capacidades positivas dentro de Canas de Senhorim e, simultaneamente, procurar convergir com os poderes instituídos fora da nossa terra, no sentido de se encontrarem os caminhos e as medidas que mais advêm à melhoria das condições de vida dos Canenses.

Neste mandato está satisfeito com as obras e projetos que conseguiram concretizar e quais as principais que espera executar no próximo, se vier a vencer a eleição?

    Quem me conhece já sabe que, por muito que se faça, nunca me dou por satisfeito. Embora, em boa verdade, se reconheça o esforço financeiro da Câmara Municipal de Nelas que, entretanto, se veio a verificar, em Canas de Senhorim, nos últimos anos. Isto, tendo em conta todas as dificuldades financeiras que se conhecem.

    Seja como for, estamos a falar de cerca de 2 milhões de euros de investimento e de um enorme esforço de trabalho conjunto, estabelecido entre a nossa Junta de Freguesia e a CM de Nelas, os quais vieram a produzir um conjunto considerável de obras. Só para dar uma ideia, menciono apenas algumas das obras que me parecem mais emblemáticas:

Na Área do Emprego e da Economia – grande requalificação infraestrutural – (arruamentos/esgotos e  compra de novos terrenos para alargamento de espaços que, neste momento conta com mais de uma dúzia de lotes disponíveis) na Zona Industrial da Ribeirinha, para implementação de novas empresas. Algumas já a funcionar em força e outras prestes a abrir, como a Covercar, a qual dará emprego a uma centena de trabalhadores; manutenção do balcão do Banco Santander Totta, após difíceis negociações com a sua administração.

Na Área da Saúde – Requalificação do Centro de Saúde de Canas e a reposição em definitivo como Unidade de Saúde Familiar com três médicos a trabalhar em permanência e os respetivos Enfermeiros, Pessoal Administrativo e Auxiliar.

Na Área das Infraestruturas Básicas e Rede Viária – Rede de esgotos e nova Etar com coletor de esgoto, águas pluviais e água na Rua da Estação assim como taludes e requalificação da mesma ; a continuação do projeto da Rotunda do Bombeiro e envolventes; na Zona da Raposeira (Rua Dr. António Pega e Rua da Feira – alcatroamento e passeios); no quartel da GNR (nova intervenção); requalificação do Largo das Almas, (junto à Associação) na Póvoa de Stº António; algumas Ruas da Felgueira; na abertura de novos caminhos agrícolas e florestais; descentralização de verbas (transferência de competências) do orçamento municipal para limpeza urbana da Freguesia; contratualização de trabalhos de limpeza e jardinagem urbana, o qual engloba toda a Urgeirica, os Valinhos e, ainda, as Caldas da Felgueira.

Nas Áreas da Assistência Social, Cultura, Desporto e Lazer – Manutenção e/ou Aumento do apoio social prestado em toda a freguesia; Manutenção e/ou Aumento no apoio às Associações e nas iniciativas como o Carnaval, Canas em movimento e Feira Medieval; Protocolo com a EDM, com entrega do espaço da Casa do Pessoal da ENU à nova Direção e entrega à Junta de Freguesia a dinamização do espaço lúdico desportivo de Santa Bárbara; concretização do projeto de uma sala de convívio e animação para a terceira idade na Póvoa de Stº António com o nome de Ponto de Encontro a inaugurar o dia 20 de dezembro;

Na Área da Educação – Estabelecimento de novos protocolos – entre CM de Nelas/Agrupamento de Escolas; implementação de novos refeitórios nas escolas do 1º ciclo;

    Relativamente ao futuro, e seja aquilo que vier a ser determinado pelas próximas eleições autárquicas, pela nossa parte declaramo-nos, desde já, prontos para um novo ciclo de trabalho e de colaboração, no sentido de dar continuidade a alguns destes projetos, como por exemplo, atrair mais investidores para a nossa Zona industrial, nomeadamente através da recuperação dos terrenos dos antigos Fornos, CUF e Quimigal, os quais procuraremos candidatar em conjunto com a CM de Nelas, ao novo fundo comunitário europeu; dar também seguimento ao desenvolvimento do projeto com a EDM para a Urgeiriça; finalizar igualmente as requalificações, tanto nas 4 esquinas, como no espaço da Raposeira, na sede da Junta de Freguesia – nomeadamente do Espaço Cidadão (cujo concurso já está fechado e pronto a começar), e resolver, definitivamente, esse velho problema com as águas e os esgotos nas Lameiras assim como a Rua do Futuro e zona envolvente a ligar à nova/futura ETAR na Ribeirinha. Procuraremos lançar novos projetos em conjunto com a CMN como por exemplo, as imperiosas ligações viárias: Cemitério/ Quinta da Boiça; / Rua do Farol/Abílio Monteiro; Rua das Poças (alargamento e ligação à Urgeiriça), Rua do Paço/Agrupamento de Escola (pela Casa do Frazão); Casa da Cultura (com edifício já comprado). Parque Infantil de Canas (em frente à Junta); Parque Urbano do Consúl (Parque de lazer com WC, mesas e churrasqueira na entrada de Canas lado da Estação).

– Na Póvoa de Santo António – Ligação da Rua da Associação/Estrada das Laceiras; ligação da Rua Nova/Rua da Fonte; requalificação de todas as fossas.

– Em Vale Madeiros – Rua Fonte do Amieiro (ligação da Escola até ao Aviários) /Criação de passeios na zona da Escola/ alargamento do espaço da Associação SVB com criação de parque infantil e zona de lazer/requalificação das fossas e esgotos/ terminar o Parque dos Eucaliptos junto à Associação do Rancho desta localidade.

Além de que, também é nosso propósito, projetar e iniciar o alargamento do atual/ou novo Cemitério; recuperar/alargar a sede do Paço; requalificar a zona urbana do Rossio Baixo, rua do Fojo e Rua do Paço; instalação de uma nova Etar na Ribeirinha. Finalmente na área desportiva, para além da requalificação necessária dos balneários no Complexo Desportivo, será desta que os nossos jovens jogadores deixarão de jogar, de vez, em campos pelados, para passar a jogar em relva, nem que seja sintética e termos direito à construção de um Pavilhão Gimnodesportivo?

Que avaliação faz até ao momento do mandato do atual executivo liderado por Borges da Silva e da situação política no concelho?

No que nos diz respeito, dir-se-á que tendo a Junta de Freguesia de Canas de Senhorim procurado convergir com esse órgão autárquico, também o diálogo, a compreensão, o ultrapassar das dificuldades quer financeiras quer de outra ordem, o empenho e os esforços do senhor presidente da Câmara nunca deixaram de existir. Verdade seja dita que, com exceção de dois vereadores da atual maioria e de alguns excessos que não deveriam existir naquele Órgão, o mesmo se aplica a todos os elementos da Câmara, inclusive da Assembleia Municipal.

Quanto à situação política, apenas comentando o seu aspeto mais geral, mas também mais saliente, é a enorme confusão político-partidária que vai por aí. É reconhecida a desagregação da maioria camarária surgida entretanto. Bastas vezes e vezes demais, a Câmara serviu de palco para silenciosas ou ruidosas movimentações de bastidores, cuja génese só pode ser explicada à luz dos interesses pessoais de alguns intervenientes, não percebendo eles que, com isso, colocam em causa as justas aspirações das populações.

No entanto, como ponto mais negativo, não podemos, a título de exemplo, esquecer que continuam por pagar (desde há três anos) milhares de euros a honestos fornecedores da Câmara. Vai sendo tempo de se acabar com isso, não permitindo que empreiteiros, trabalhadores e suas famílias, continuem a arder com os erros e algumas más políticas camarárias. Também será hora de procurar-como anda o projeto da Casa da Cultura?        

Como vice presidente da concelhia do PSD que posição vai assumir na próxima eleição para a Câmara Municipal?

Se me recuso (como sempre recusei) em ser candidato à Câmara Municipal de Nelas, mesmo sendo vice-presidente da concelhia do PSD, então é porque, a minha decisão e posicionamento sobre o assunto, a alguma coisa se deve! Embora esta seja sobejamente conhecida desde sempre, inclusive pelos meus companheiros de partido, volto a dizer e a repetir: o meu compromisso político nesta matéria encontra-se, em primeiro lugar, ligado à minha terra! Isto é, à primordial e singular condição de qualquer Canense que se preze – a luta pela restauração do seu próprio Concelho. Utopia ou não, até morrer, daqui não saio e desta ninguém me tira! À semelhança do legado deixado pelos meus antepassados, é assim que me encaro, e é assim que tenho sido respeitado até aqui e que, de igual forma, quero continuar a merecer esse respeito até ao fim dos meus dias! Nesse contexto autárquico, cabe-me apenas e tão só responder em nome do MRCCS, não deixando de reconhecer, porém, que entre mim e a candidatura do PSD em causa, há ideais social-democratas que nos ligam, existindo contudo toda uma reivindicação que nos separa. Aliás, o mesmo acontece com as outras pessoas envolvidas na luta do MRCCS, mas que se mantêm de alguma maneira ligadas, enquanto militantes ou simples simpatizantes, aos mais variados partidos políticos.

O que significa que nada nos move contra os partidos políticos – antes pelo contrário – e, muito menos, contra os putativos candidatos à CM de Nelas, cujos nomes têm, entretanto, vindo a ser divulgados. Num partido ou noutro, e ao longo dos seus mandatos autárquicos, temos que admitir que todos eles são pessoas respeitáveis, tendo demonstrado uma grande capacidade de abertura, de trabalho e de diálogo com os eleitos do MRCCS, o que nos tem permitido resolver alguns dos problemas mais prementes na nossa freguesia nestes últimos 11 anos. E, se isto, não é aquilo que nós mais desejamos, não é por isso que o seu trabalho e empenho, enquanto responsáveis pela CM de Nelas, não possa – e deva – ser considerado sério, honesto e até bastante significativo. Ao dizer isto, não estou a prestar nenhum favor político seja a quem for, apenas me limito a reconhecer, com inteira justiça e transparência, a verdade dos factos.