Robot na vinha e um vinho dos mares …

O viticultor moderno vai ter uma nova e sofisticada ferramenta para o ajudar a gerir a sua vinha. Trata-se de um aparelho chamado de VineRobot e deverá estar pronto para trabalhar em meados do próximo ano, a nível laboratorial mas não se sabe ainda quando estará disponível para venda nem qual será o preço.

O que se sabe neste momento é que o aparelho é autónomo, funcionando a baterias e energia solar. Tem quatro rodas e foi concebido para circular pelo meio das vinhas, recorrendo a tecnologias de inteligência artificial e GPS para se guiar. Explicado de uma forma muito simples, o VineRobot possui vários sensores que vão determinando parâmetros como nível de produção, crescimento vegetativo, nível de água nas plantas e composição dos cachos. Os dados e as imagens recolhidas são enviados em tempo real para o viticultor, que as pode receber no seu telefone, tablet ou computador. Depois é só tomar decisões com base nos dados recebidos.

Futuramente, o VineRobot poderá ter mais sensores para medir outros parâmetros, como as antocianas e, quem sabe, o nível de determinada doença na vinha (por exemplo, míldio, oídio ou podridão).

O projecto conta já com alguns anos de desenvolvimento e foi criado por um consórcio de três universidades e cinco empresas, oriundas de países como Espanha, França, Itália e Alemanha. O consórcio conseguiu fundos da Comunidade Europeia e a informação disponível está no sitehttp://www.vinerobot.eu/

Poseidon é o Rei dos Mares e dos Vinhos

Herda o nome do Deus dos Mares, porque foi a travessia oceânica que lhe determinou a essência. Poseidon é o mais recente projecto do produtor do Douro Lua Cheia em Vinhas Velhas, numa parceria com o Clube de Oficiais da Marinha Mercante. A 7 de Junho deste ano, três mil garrafas da colheita de 2014 partiram a bordo do navio bacalhoeiro Coimbra, rumo aos Grandes Bancos da Terra Nova. Navegaram 81 dias, ao longo de 10.291 milhas náuticas no porão do navio, estagiando em alto mar.

Segundo Manuel Dias, administrador da empresa, “a técnica é inspirada na tradição do ‘vinho da volta’, praticada em tempos pelo Vinho da Madeira. O balanço e as condições da travessia oceânica permitem um envelhecimento precoce do vinho e concedem-lhe características únicas”. Este vinho é uma “homenagem à memória marítima de Portugal e aos pescadores portugueses que ao longo de séculos dedicaram as suas vidas à pesca longínqua”.

Este portal utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização Saiba mais sobre privacidade e cookies