“Cruzeiro Seixas: 16 Cadáveres Squisitos + 1 – A propósito de Cruzeiro Seixas e do surrealismo português” no IPV

A Aula Magna e o Foyer do Instituto Politécnico acolheram ontem (dia 14) um evento que juntou em perfeita harmonia a pintura, a palavra, a poesia e o cinema. foi organizado em parceria pelo Instituto Politécnico de Viseu e pela Escola Secundária Viriato.

This slideshow requires JavaScript.

A sessão teve o seu início com a inauguração oficial da exposição de trabalhos plásticos de alunos da Escola Viriato, mostra que esteve na génese da iniciativa, e contou com a presença do presidente e vice-presidente do IPV, respetivamente, engenheiro Fernando Sebastião e professora Paula Carvalho, e o diretor da Escola Secundária Viriato, professor Carlos Alberto. Muitos alunos e professores do ensino secundário dos cursos de artes visuais e plásticas das escolas secundárias Viriato e Alves Martins, mas também do ensino superior, estudantes do curso de Artes Plásticas e Multimédia da Escola Superior de Educação de Viseu.

De seguida, os participantes entraram na Aula Magna do IPV para usufruírem um momento único de partilha e fruição de conhecimento sobre Cruzeiro Seixas, a importância da sua obra, e o surrealismo em geral, com particular enfoque nas artes visuais em Portugal. “A Propósito de Cruzeiro Seixas” contou com as intervenções sublimes das professoras Paula Soares (docente da Escola Secundária Viriato e coordenadora do projeto), Teresa Eça (docente da Escola Secundária Alves Martins e presidente da APECV – Associação de Professores de Expressão e Comunicação) e Paula Rodrigues (docente e coordenadora do curso de Artes Plásticas e Multimédia da Escola Superior de Educação do IPV). Uma autêntica sessão de conhecimento, em tom informal e descontraído.

Antes do aguardado visionamento do filme “Cruzeiro Seixas – As cartas do rei Artur”, de Cláudia Rita Oliveira, premiado recentemente no festival “Doclisboa”, foi lida a mensagem enviada pela realizadora.

Uma tarde para seguramente guardar na secção das memórias imperecíveis.

A exposição está patente ao público até ao dia 15 de janeiro, no Foyer da Aula Magna.

O surrealismo foi um movimento artístico e literário nascido em Paris na década de 1920, inserido no contexto das vanguardas que viriam a definir o modernismo no período entre as duas Grandes Guerras Mundiais. Reúne artistas anteriormente ligados ao dadaísmo ganhando dimensão mundial. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud, o surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na atividade criativa. André Breton, poeta e crítico, foi o principal líder e mentor deste movimento, que contou, entre outros nomes, no campo das artes plásticas, com Salvador Dali e René Magritte.

* Artigo redigido ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Viseu, 15 de dezembro de 2016

Joaquim Amaral

Comunicação e Relações Públicas | Instituto Politécnico de Viseu

[email protected]