Do PS nem bons ventos, nem investimentos

Numa análise sumária à propaganda política que tem sido feita neste concelho pela Presidente da Câmara, relativamente a investimentos, obras, níveis de desemprego e mesmo controlo da dívida, dou por mim a verificar que todas estas têm por base, politicas do PSD.

Não se assustem os leitores de direita, pois o Sr. Presidente não mudou novamente da cor rosa, para laranja! Mal fosse….Também lhe ficaria mal, se mesmo há “meia dúzia de dias”, tão bem dizia das políticas do seu camarada António Costa.

Mas voltemos à linha de raciocínio.

Qual vai ser a grande obra, o “rolls royce”, como ele mesmo intitulou, deste seu mandado?! A grande ETAR de Nelas, com 85% de financiamento a fundo perdido. Mas quem é que promoveu junto das câmaras municipais estes projetos de requalificação? Foi o governo do Dr. Passos Coelho. Esta não foi uma oportunidade criada ou procurada pelo elenco camarário, foi uma oferta feita a sua porta, mal fosse se não a aceitassem. Mas uma coisa é da inteira responsabilidade deste elenco camarário, a escolha da solução implementada. E daqui vos deixo já um alerta, veremos quanto custará a manutenção deste rolls royce.

E de onde vem o numero de postos de trabalho criados neste concelho, como em muitos outros, nestes últimos três anos?  Não são fruto do acaso, são fruto do arranque do investimento privado, que tiveram como fundamento a credibilidade oferecida pelo então governo e da sua aposta na industria de produção de bens e serviços exportadores.

E contrapondo, o que pretende fazer a atual geringonça de esquerda? Uma aposta no Imobiliário. Sim é isso mesmo. O “ovo de colombo” para o crescimento da nossa economia é justamente aquilo que nos levou ao estado em que chegamos em 2010. E perguntarão, porquê? Pois certamente não é por esquecimento ou falta de visão, isso passou-se “ontem”. Pois não será. É simplesmente por opção, porque é mais fácil criar uma economia de massas, que funciona como uma bolha de ar, é rápida, é visível, cria impacto, mas…. Pois tem esse problema, quando vem á tona, rebenta e transforma-se em nada.

E quanto ao controlo da dívida da autarquia, terá existido mérito por parte do elenco camarário? Sim. Neste reconheço que houve. O Sr. Presidente dentro do investimento que fez, quer se concorde quer não se concorde, mas aí julgará o Povo, teve o mérito de dar seguimento ao plano de ajustamento financeiro (PAEL) iniciado pelo anterior executivo, mantendo a despesa corrente na ordem de valores de 2012. Mas não é demais relembrar, como já fiz em crónicas anteriores, que os Planos de Ajustamento só fizeram sentido com receitas extra, que permitissem às câmaras equilibrar as suas contas. E foi a escolha política assumida pelo PSD, em aumentar o IMI, que permitiu a esta câmara, como todas as outras, equilibrar-se financeiramente e baixar o seu nível de endividamento.

Mas o que mais me incomoda, não é o que o PS não fez, mas sim o que as politicas desta mistela de esquerda, está a desfazer. Verifico com angústia de quem vive no interior, que a visão de pós-modernidade do bloco de esquerda e o comunismo sindicalista do PCP, atrofiam o formato político de um PS, que o deixam preso a políticas centralistas, que prejudicam o desenvolvimento do país como um todo.

Se não vejamos. Para eles voltou a TAP, para nós foi-se embora uma autoestrada Viseu-Coimbra. Para eles voltaram as regalias dos sindicatos do Porto de Lisboa e dos transportes públicos de Lisboa/Porto, para nós foram-se as obras de ampliação das Urgências do Hospital Distrital ou a execução da Barragem de Girabolhos.

Por isso digo, que deste PS, o que sobra de políticas para o interior, faz lembrar um velho ditado, que adaptando ficará, do PS nem bons ventos, nem investimentos.

Daniel Marialva

Presidente da Comissão Política do PSD Nelas