PSD Nelas aprova contas do 1º Semestre mas deixa críticas ao Executivo PS

Em Nota informativa que fez chegar à nossa redação, a Comissão Política do PSD Nelas repudia a publicação na página da Câmara Municipal de Nelas, referente à aprovação por unanimidade das contas das autarquia do primeiro semestre de 2016, considerando-a um “abuso na utilização dessa ferramenta de comunicação”, constituindo mais um ato revelador de “quero, posso e mando”. O PSD Nelas justifica a aprovação das contas com “regras de boa ética política”, mas deixa um alerta “se existir algum desvio ou devaneio a nível dos gastos, assumiremos outra posição”. Já relativamente à postura politica, a estrutura social democrata de Nelas deixa críticas, designadamente  “que a concretização dos investimentos solicitados pelas diversas Juntas de Freguesia e constantes do Plano de Atividades para 2016, está praticamente a zero”.

NOTA INFORMATIVA :

Caros Companheiros e Munícipes

Enquanto Presidente da CP PSD Nelas e tomando conhecimento do conteúdo da publicação de 30 de setembro na página da Camara Municipal de Nelas, referente á aprovação das contas do 1.o semestre pela Assembleia Municipal, cabe-me deixar-vos as seguintes notas:

1. O conteúdo meramente politico/partidário do referido texto, é mais uma vez um abuso na utilização de uma ferramenta pertença da Camara Municipal, que devia estar unicamente ao serviço do cidadão e não da demagogia politica. Esta situação já recorrente no Sr. Presidente, mereceu já uma repreensão por parte dos órgãos que constituem esta Camara, assim como da Assembleia Municipal. Relembro que face ao cariz politico/partidário, com que o Sr. Presidente enche os Boletins Informativos, foi votado e aprovado pela Assembleia que deveria existir também nesse mesmo Boletim um espaço para os restantes partidos. Relembro igualmente que em reunião de Câmara foi aprovado por maioria a apresentação de um desmentido á Comunicação à População, sobre a reposição das competências do Presidente para órgão Câmara Municipal. Mas apesar de tudo isto, qual é o comportamento? Infelizmente o habitual, desdém pelas deliberações dos órgãos democráticos, o “posso quero e mando” do costume e a manutenção das más práticas.
2. A votação a favor das contas pelos deputados do PSD na Assembleia Municipal, é apenas o exercício das regras da boa ética politica com que nos regemos. A nossa votação não poderia ser outra, a não ser que entrássemos por uma vertente de politica demagógica do mal dizer, contrariando-nos a nós próprios em cada 15 dias que passam. Ora se constatamos que foi dado seguimento ao cumprimento do controlo das contas iniciado ainda pela gestão do elenco camarário anterior. O que é facilmente visível, quando comparamos os valores de Despesas Correntes do ano de 2012 (7.554.734,00€) e as do ultimo ano de 2015 (7.564.413,00). E uma vez que os valores apresentados no 1.o semestre de 2016, dão indicação da manutenção dessa mesma regra, não podíamos deixar de manter a coerência. Mas também em nome desta mesma coerência, poderão estar certos de que caso exista já no segundo semestre deste ano, uma indicação de devaneio ao nível dos gastos, que possam por em causa a política de controlo financeiro seguida até agora, seremos certamente um obstáculo a que tal aconteça.
3. Relativamente à redução do número de trabalhadores da estrutura da câmara, verifica-se que esta foi feita á mesma proporção dos gastos com fornecimento de serviços externos. Assim sendo, é unicamente uma opção política, sem impacto direto nas Despesas Correntes, conforme demonstram os números. Existem mesmo alguns serviços externos que já deram mostra, de terem baixado drasticamente de qualidade, quando confrontados com os anteriormente executados pelos serviços internos da Autarquia.
4.  No que se refere ao número de Vereadores com pelouros atribuídos, também esta é uma opção politica do Presidente. Estou certo que pela forma como exerce o poder no seu mandato, certamente o numero ideal de autarcas seria o de um. Desta forma poderia executar de forma mais exacerbada uma política totalitarista. A nossa visão é diferente, é democrática, assenta na distribuição de competências e respetivas responsabilidades, na auscultação e respeito pelos órgãos políticos, instituições da sociedade e de cada um de nós enquanto indivíduos.
5.  Mas se o Presidente tem o “nosso apoio”, até à data, no que se refere ao controlo financeiro, não o tem no que se refere ás suas opções de investimento e à sua postura politica. Verifique-se que a concretização dos investimentos solicitados pelas diversas Juntas de Freguesia e constantes do Plano de Atividades para 2016, estão praticamente a zero. Numa postura de altruísmo para com os Presidentes das Juntas de Freguesias, faz desdém das suas obras de proximidade, as quais por norma têm grande impacto na vida quotidiana da população. Também não podemos compactuar com uma postura politica de propaganda continua, onde pessoas e instituições são colocadas em posições de subserviência.
Da parte do PSD existe uma vontade de mudança da forma como está a ser exercido o poder, não só pelo conteúdo, mas muito mais pela forma.
Saudações Social Democratas
O Presidente da CP de Nelas
Daniel Marialva