“Palco para Dois ou Menos” com início marcado para 1 de Outubro

Organizado anualmente pelo NACO, o festival promete um mês de Teatro e de celebrações em diversos espaços da região. Dando continuidade à aposta na descentralização do festival, a organização aposta num cartaz que percorre salas em Oliveirinha, Carregal do Sal, Canas de Senhorim e Tábua.
E ao completar 10 anos, Palco Para Dois ou Menos integra mais uma estreia do grupo da casa – Bitoques e Campos de Bola, a 23 de outubro, na mítica sala de teatro da coletividade.

“Em dez anos de Palco para Dois ou Menos, dos festivais mais sui generis de Portugal, passaram pela NACO 49 intérpretes nacionais e 11 estrangeiros. Aconteceram 13 estreias e 6 co-produções e parcerias institucionais com companhias profissionais. Passaram pela mítica sala de teatro dos mais prestigiados criadores (encenadores, coreógrafos, performers) locais, nacionais e internacionais, sempre numa lógica de troca de conhecimentos e abertura ao Mundo sem esquecer as raízes de onde viemos. Foram apresentados 60 espectáculos num total de 4800 espectadores, que foram enchendo salas ano após ano.
Começamos pelos números porque vivemos numa sociedade obcecada por eles. Mais importante que os números, são constatações. Após 10 anos criou-se um espírito crítico, criou-se público entusiasta e curioso. Fieis cúmplices para que chegássemos tão longe. O mais engraçado é que o público jovem mantem-se em constante renovação. Crianças pequenas de há 10 anos, hoje continuam a ir ao Festival e já estão quase na Universidade. Algumas já pertencem aos elencos das peças do NACO. É engraçado isto da idade.
Este ano o tema é a Celebração! Não só do Festival mas também de celebrarmos com quem nos tem ajudado a chegar até aqui. Noite de Reis de John Mowat com a bravíssima Leonor Keil também faz 10 anos. Aliás a Leonor Keil abriu o primeiro festival, esteve na festa dos 5 anos e claro, não podíamos deixar de a convidar este ano. Também teremos outros amigos que nos têm acompanhado nesta aventura: A Companhia Paulo Ribeiro com um espectáculo realizado em parceria com o Cine Clube de Viseu. Ceci N’est Pas un filme é um espectáculo que cruza o movimento e o cinema, a dança e o virtuosismo dos intérpretes numa obra com assinatura de Paulo Ribeiro.
Logo de seguida O Actor que Pensava que o Teatro era a Vida, uma brilhante peça sobre o trabalho e o que é ser-se actor, escrita e encenada por Tiago Mateus e interpretada por David Pereira Bastos. Como sempre o NACO estreia também no festival, desta feita com Bitoques e Campos de Bola, escrito por R.M. Ribeiro, e será um espectáculo/jantar surpreendente que nos toca a todos. Teremos ainda mais uns companheiros de aventura. A Circolando vem trazer a Sopa de Jerimú para partilhar com famílias a beleza do teatro físico de Graça Ochoa à volta das abóboras. Para finalizar em grande, fechamos com das instituições que mais apoio têm dado ao NACO. Falamos da ACERT que vem trazer um espectáculo bastante actual e não perder, numa encenação e interpretação de Pompeu José que são um verdadeiro murro no estômago. Em Memória ou a Vida Inteira dentro de Mim a partir de Até ao Fim de Virgílio Ferreira. Não precisamos de dizer mais nada.
Só bons motivos para ir a todos os espectáculos desta comemoração de uma data redonda que nos enche de orgulho. Nada disto seria possível sem a ajuda das entidades que nos apoia, do público que enche as nossas salas e das pessoas que todos os dias vão trabalhando para que a Naco siga o seu caminho de sucesso. Passo a passo. Ano após Ano. Estes sapatos foram feitos para andar, como diria a canção da Nancy Sinatra.
Cristóvão Cunha| Direcção Artística”

Info/ reservas: 965067176 | 966414213