Oliveira do Hospital. Festa das Sopas e Seminário sobre “Hiperatividade e Deficit de Atenção”

As tradicionais e saborosas sopas são o centro das atenções da 7.ª edição do Festival de Sopas de Santa Ovaia, concelho de Oliveira do Hospital, que terá lugar no próximo sábado, dia 17 de setembro. Uma organização da União de Freguesias de Santa Ovaia e Vila Pouca da Beira em parceria com o Município de Oliveira do Hospital e a ADI – Agência para o Desenvolvimento de Tábua e Oliveira do Hospital.

Consolidado na região, o evento recebe anualmente centenas de visitantes que buscam a riqueza de sabores e a diversidade das sopas apresentadas pelos restaurantes participantes, do concelho de Oliveira do Hospital mas também dos concelhos de Tábua e Seia, e de outras instituições/associações.

O evento decorre no Parque da Sociedade Recreativa de Santa Ovaia, a partir das 15H00, e além das incontornáveis provas de sopa, o público encontrará outros atrativos no recinto, como os expositores de artesanato e produtos locais de qualidade, a par do vasto programa cultural e musical e rastreios de saúde. O Grupo de Concertinas Sons da Serra fará a arruada de abertura e animará o recinto com a atuação durante a tarde, sendo que o programa cultural é ainda enriquecido pelos momentos de magia de Bruno Oliveira, jovem mágico português, e culminará com as atuações do cantor Pedro Vieira e do conhecido artista nacional, Nel Monteiro.

A gastronomia típica é outra das ofertas que os visitantes vão encontrar no Festival de Sopas de Santa Ovaia em que ocupam lugar central os sabores tradicionais das sopas portuguesas mas também outras mais inovadoras.

São perto de 25 sopas, de diferentes sabores e texturas, que vão estar disponíveis, para prova a todos aqueles que, equipados com o kit do Festival – composto por tigela e colher personalizadas, e pão – acedam ao recinto. Participam mais de duas dezenas de restaurantes, localizados no concelho de Oliveira do Hospital, mas também dos concelhos vizinhos de Tábua e Seia bem como instituições e associações do concelho.

Antes da prova aberta ao público (20H30) haverá a realização do concurso das sopas participantes, cuja avaliação será feita por um júri que integra vários elementos, entre eles, prestigiados chefs como António Loureiro, vencedor do “Chefe Cozinheiro do Ano 2014” e Manuel Fernandes, vencedor do “Masterchef 2015”; do mini chef João Mata, 2.º classificado no “Masterchef Júnior”. Estes últimos farão dois show-cookings, agendados para as 18h00 e 20H30. A nutricionista Marisa Ventura, a enfermeira Alexandra Garcia, coordenadora da Unidade de Cuidados na Comunidade e representantes de outras entidades locais completam o painel de jurados.

Serão atribuídos prémios à 1.ª e 2.ª Melhor Sopa, nas categorias de “Profissionais da Restauração: concelho de OHP e dos concelhos vizinhos”. A organização do Festival desafiou também instituições e associações a participar bem como os particulares, de forma a trazerem a sua melhor sopa, enriquecendo ainda mais a 7.ª edição do Festival de Sopas de Santa Ovaia. O anúncio dos premiados está agendado para as 22H30.

Com o objetivo de promover as sopas de qualidade e incentivar o seu consumo; mostrar as potencialidades gastronómicas do concelho e região, e as iguarias servidas no comércio local, o Festival de Sopas de Santa Ovaia visa fomentar a utilização de produtos genuínos do concelho e também a promoção de hábitos de alimentação saudáveis.

Seminário “Hiperatividade e deficit de atenção: dos mitos ao conhecimento científico trouxe especialistas a Oliveira do Hospital

Vários especialistas estiveram em Oliveira do Hospital, no passado dia 9, onde participaram no seminário “Hiperatividade e deficit de atenção: dos mitos ao conhecimento científico”. O encontro assinalou o primeiro ano de atividade da Equipa de Saúde Mental Comunitária do Pinhal Interior Norte, numa organização desta entidade em parceria com o Município de Oliveira do Hospital, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Oliveira do Hospital e a Unidade de Cuidados na Comunidade Pinheiro dos Abraços.

Além da reflexão sobre o trabalho desenvolvido e os desafios que se colocam, na realidade em que se insere, a esta equipa coordenada pela psiquiatra Célia Franco, o seminário, que teve casa cheia no auditório da Casa da Cultura, contou com a presença de vários especialistas em diferentes áreas como a Psiquiatria, Pedopsiquiatria, Psicologia e Neurobiologia, que refletiram sobre a Perturbação de Hiperatividade e Deficit de Atenção (PHDA), nas vertentes científica e prática do termo, ou seja, o que diz a ciência e como se vive com PHDA, relatos na “primeira pessoa”.

Sublinhando a importância desta sessão, o presidente da autarquia, José Carlos Alexandrino, destacou o “bom trabalho” que tem sido desenvolvido pela Equipa de Saúde Mental Comunitária (ESMC) bem como a dedicação dos seus elementos que prestam um importante apoio à população. Também na sessão solene, Avelino Pedroso, diretor executivo do ACES PIN, frisou a “pertinência do encontro no arranque do ano letivo” em torno de uma temática que é preocupação para pais, professores e educadores, e profissionais de saúde. Falou ainda da importância das parcerias entre entidades uma vez que “em complementaridade se pode fazer mais e melhor e os beneficiários são os nossos utentes”.

Por sua vez, António Pires Preto, vice-diretor do Centro de Responsabilidade Integrada de Psiquiatria (CRIP), do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra (CHUC), notou que “há mudança de paradigma na abordagem à doença mental e psiquiatria” e que a acessibilidade da população aos cuidados médicos da especialidade é a grande dificuldade, daí a importância deste acompanhamento pela equipa que vai ao encontro dos doentes espalhados pelo território da sua ação.

Após assistir à apresentação do estado e dos números da “Saúde Mental Comunitária” no país, na região centro e do trabalho levado a efeito pela ESMC, também José Francisco Rolo, presidente da CPCJ Oliveira do Hospital, sublinhou que “em boa hora esta equipa foi constituída”, dando conta da pertinência deste seminário promovido a poucos dias do início de mais um ano letivo. “Quisemos dar resposta às necessidades da comunidade educativa com um encontro que capacite e dê os instrumentos aos profissionais que trabalham no dia a dia com as nossas crianças e jovens, para lidar com este problema”, acrescentou durante a intervenção na sessão solene.

No seminário – onde responsáveis defenderam o reinvestimento de verbas poupadas, com a reorganização da resposta da especialidade no distrito de Coimbra, no reforço da qualidade e de equipas de saúde mental comunitárias – esteve, enquanto orador, o diretor do Programa Nacional para a Saúde Mental da DGS, Álvaro Carvalho, que após a apresentação de dados sobre a magnitude dos problemas de saúde mental, reforçou que “se não houver trabalho de proximidade e de deteção precoce, estes dados tenderão a piorar”.

A Perturbação de Hiperatividade com Défice da Atenção (PHDA) é uma das principais questões da saúde mental, uma patologia descrita e estudada há vários anos, do desenvolvimento da infância e adolescência, pese embora, como notaram os especialistas, não é uma patologia exclusiva da infância podendo ser diagnosticada na vida adulta. Cerca de 5% dos jovens em idade escolar têm dificuldade em se concentrar nas aulas.